Header Ads


Em entrevista, MNF defende que só a Federalização pode garantir a dignidade de todos os ACS/ACE do Brasil

 Federalização continua sendo única solução para desprecarização dos ACS/ACE do Brasil —  Foto/Reprodução.

Em entrevista, MNF defende que só a Federalização pode garantir a dignidade de todos os ACS/ACE do Brasil
Publicado no Conexão Notícia em 05.abril.2021.  

Agentes de Saúde | Em entrevista com membros do Fnaras - Fórum Nacional das Representações dos ACS e ACE, Cláudia Almeida (Kakau), Coordenadora Nacional do Movimento pela Federalização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias defendeu a importância da Federalização como principal meio de garantir que os agentes tenham acesso a todos os seus direitos, sem os desvios e abusos impostos pelos maus gestores públicos municipais.


A entrevistada ocorreu no dia 29/03 e foi realizada por membros do Fnaras. Diante das colocações apresentado por Cláudia Almeida, ficou claro que os erros nos textos das leis, que defendem os direitos da categoria, deixaram brechas para que a precarização que escraviza e causa os mais diversos males aos agentes se fortalecessem ao longo desses últimos 15 anos. 


Confira o vídeo: 

Diante do histórico Movimento Nacional pela Federalização dos ACS/ACE, que mobilizou a categoria de todos os estados e, em tempo recorde, conseguiu levar ao Senado Federal a Proposta de Federalização, os diretores do Fnaras passam a aceitar a ideia de desprecarização do vínculo empregatício e as demais bandeiras defendidas pelo movimento nacional. Ficou claro a dimensão da reivindicações propostas e o Fnaras passa a se basear no que foi apresentado para defender como pautas de luta.

Receba notícias diariamente através do WhatsApp (CLIQUE AQUI). 






Repercussão: ACS/ACE ficam chocados com situação da categoria em Salvador  

 Recebendo quase metade de um salário mínimo como base ao invés de R$ 1.550,00 e há 8 anos sem receber fardamento. Essa é a situação dos Agentes de Saúde da capital da Bahia.  —  Foto/Reprodução.

Uma realidade extremamente lamentável
A situação da categoria na capital baiana é extremamente humilhante. Como foi afirmado na matéria anterior: nem mesmo a condição de capital com todo o potencial econômico que a honrosa posição condiciona à cidade, foi suficiente para garantir que os recursos garantidos pelo FNS - Fundo Nacional de Saúde, chegasse até os seus destinatários.
Enquanto o valor mínimo a ser pago aos agentes é de 1.550 (hum mil quinhentos e cinquenta reais), em Salvador a categoria recebe quase a metade como salário base, ou seja, apenas R$ 877 (oitocentos e setenta e sete reais). Isso chega a ser humilhante! Leia a matéria completa, aqui!


Acompanhe as notícias do JASB no WhatsApp ou Telegram 

JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil 


Veja outras formas de doações, aqui!

Conteúdo relacionado:

Um comentário:

  1. Meus parabéns kakau e há todos ve venceremos á todo vapor guerreiros de todos

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.