Redes Sociais

Header Ads

Falso Negativo: STJ mantém prisão de Secretário de Saúde de Brasília e libera subsecretário Eduardo Hage

 STJ manteve a prisão preventiva de seis dos sete investigados na Operação Falso Negativo.  —  Foto/Reprodução.

Falso Negativo: STJ mantém prisão de Secretário de Saúde  de Brasília e libera subsecretário Eduardo Hage
Publicado no Conexão Notícia em 28.ago.2020.  

Brasília  |  O ministro Rogério Schietti, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), manteve a prisão preventiva de seis dos sete investigados na Operação Falso Negativo. O médico Eduardo Hage, subsecretário afastado de Vigilância Sanitária, será liberado.

De com o ministro Schietti, outras medidas cautelares serão aplicadas a Eduardo Hage, como proibição de acessar a Secretaria de Saúde e de manter contato com servidores ou com outros acusados.

Hage também não poderá sair do Distrito Federal sem autorização judicial. E o ministro ainda determinou a suspensão do exercício da função pública.

VEJA TAMBÉM:
Covid-19: Corpo de agente de saúde foi trocado e enterrado por outro em MT
Rio Grande do Norte: Diretoria sindical estadual dos ACS/ACE toma posse
PE: articulação busca garantir 14º, Insalubridade, PQA-VS, EPIs e demais direitos
Bahia: Nota de Pesar pelo falecimento do Agente de Saúde Carlos Roberto Alves Santos
SC: Governo garante R$ 20 milhões para os consórcios intermunicipais de Saúde
RJ - Agentes comunitários da saúde protestam contra salário atrasado
Bahia: Agentes de Saúde receberam tablets, treinamento para usar a tecnologia 
Paraíba: Agentes de Saúde lamentam a perda de mais uma irmã de farda
Ceará registra mais perda entre os agentes de combate às endemias para a Covid

Os advogados de Francisco Araújo pediram para que ele respondesse em liberdade até o julgamento do habeas corpus ou que fossem aplicadas medidas cautelares diferentes da prisão. Schietti, contudo, não vislumbrou “constrangimento ilegal a sanar em sede de medida de urgência (liminar), de modo que a controvérsia será analisada na oportunidade própria do seu julgamento definitivo”.

Da Redação do Agenda Capital e CB


Postar um comentário

0 Comentários