Redes Sociais

Header Ads

“Em todos os clubes que eu passei, preguei o Evangelho de Cristo”, diz Ricardo Oliveira

Ricardo Oliveira comemora gol do Atlético-MG sobre o Danubio, pela Libertadores. —  Foto/Reprodução Getty Images.


“Em todos os clubes que eu passei, preguei o Evangelho de Cristo”, diz Ricardo Oliveira
Fonte:  GUIAME—  Publicado no CN - Conexão Notícia em 06.maio.2020.

O jogador Ricardo Oliveira contou sua trajetória na pregação do Evangelho no futebol, em publicação nas redes sociais.

O jogador Ricardo Oliveira, centroavante do Atlético Mineiro, falou sobre sua trajetória na pregação do Evangelho em suas redes sociais na segunda-feira (4).

Com a chamada “não tenho do que me gloriar”, ele citou o trecho bíblico de 1 Coríntios 9:16, que diz: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!”

Ricardo disse que quando foi chamado para a obra de Jesus, morava na favela do Carandiru, na zona norte de São Paulo. “Aos olhos humanos nada de bom poderia vir daquele lugar”, contou no Instagram.

Veja também:
ISTOÉ: Família descobre que idosa com Covid-19 está viva após abrir caixão
Nº de recuperados do coronavírus no Brasil é cerca de 6 vezes maior que o de mortes
Agente de saúde pede socorro, em vídeo que denuncia a prefeitura de Coelho Neto 
Óbito de Agente Comunitária de Saúde repercute em Redes Sociais
Agente de Combate às Endemias de Salvador foi contaminado com o COVID-19
Brasil está entre os 10 países com mais curados da Covid-19 
Covid: Curados que testaram positivo não se reinfectaram
Com casos em queda, NY fechará hospital de campanha construídos por cristãos
Britânicos fazem homenagem aos profissionais de saúde
Enfermeira que teve Covid-19 recebe homenagem de colegas de profissão

“As humilhações eram frequentes. As incertezas desesperadoras. A fome uma realidade. As drogas um pesadelo. Muitos amigos se foram por caminhos tortos que os levaram à morte”, acrescentou. 

Ricardo relatou quão “dura” era a realidade do Carandiru. “Com 11 anos visitei meu irmão preso no pavilhão 9 do Carandiru. Morei de favor, e comia do lixo. Catava papelão na rua para ajudar minha mãe em casa. Nunca roubei nada de ninguém. Pedir nos faróis era um escape. Eu fiz de tudo, e honestamente para ajudar minha mãe”.

Até que, em 1999, ele atendeu ao chamado de pregar o Evangelho. “[Jesus] fez promessas de me levar aos quatro quantos da Terra para pregar o seu Evangelho. Não me falou como o faria. Não me disse que eu seria um jogador de futebol. Não me prometeu fama. Não me prometeu tirar da pobreza. Só me fez o convite para fazer parte do seu propósito”, contou.

Então, ele falou sobre sua trajetória: “Quando eu me dei conta, já estava dentro do palácio Real de Madrid cumprimentando o Rei da Espanha, Don Juan Carlos I. Nesse país eu preguei o Evangelho de Cristo”, lembra.

“Depois fui para a Itália, ali também preguei o Evangelho de Cristo. Em 2006 minha irmã foi sequestrada, e ficou 5 meses e meio em cativeiro. Depois fui conduzido pelo Senhor a uma terra próspera nos Emirados Árabes Unidos, ali eu também preguei o Evangelho de Cristo. Fui conduzido até o palácio do Sheik em honra”, acrescentou.

“Eu só estou falando de uma glória que não é minha. O Evangelho que eu prego não é meu. Eu não me orgulho da maneira que prego o Evangelho de Cristo. Eu só estou fazendo o que Cristo me chamou para fazer. Em todos os clubes que eu passei, preguei o Evangelho de Cristo. Deus nos criou com a capacidade de experimentar uma gama de emoções, a fim de refletir em nós a sua imagem”, destacou o jogador. “Ele é o motivo”.


Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 




Postar um comentário

0 Comentários