Header Ads


VÍDEO: 365 milhões de cristãos vivem níveis elevados de perseguição.

       Menina afegã com sua mãe. — Foto/Ilustrativa/Portas Abertas.
 
VÍDEO: 365 milhões de cristãos vivem níveis elevados de perseguição
Publicado no Conexão Notícia em 30.janeiro.2024. Atualizado em 18.abril.2024.     

Grupo no WhatsApp | Saiba mais sobre a perseguição a cristãos no mundo, conforme informações da Portas Abertas. Pesquisa abrange o período de 1° de outubro de 2022 a 30 de setembro de 2023.

Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2024

De acordo com a Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2024, divulgada esta semana pela Missão Portas Abertas, referentes ao ano de 2023, 365 milhões de cristãos, equivalentes a um em cada sete no planeta, enfrentaram elevados níveis de perseguição religiosa.


4.998 cristãos perderam a vida 

A pesquisa aponta que 4.998 cristãos perderam a vida em ataques relacionados à fé; sendo que esse número provavelmente é ainda mais elevado devido a muitos casos não relatados. Destaca-se o aumento significativo de sete vezes nos ataques a igrejas, escolas cristãs e hospitais, que passaram de 2.110 em 2022 para 14.766 em 2023.
-
-
278.716 cristãos forçados a abandonar suas casas ou a se esconderem

Os cristãos que foram espancados ou ameaçados também apresentaram um aumento, passando de 29.411 casos relatados em 2022 para 42.849 em 2023. Os ataques a residências tiveram um crescimento alarmante de 371%, passando de 4.547 em 2022 para 21.431 em 2023. Além disso, o número de cristãos forçados a abandonar suas casas ou a se esconderem mais do que dobrou, aumentando de 124.310 para 278.716.

Eles precisam de ajuda 

O secretário-geral da Portas Abertas no Brasil, Marco Cruz, destaca que a LMP 2023 reflete o que tem ocorrido no cenário internacional, ressaltando o crescimento da violência, guerras, fome e perseguição étnica e religiosa. Ele sublinha que a organização utiliza essas informações para trabalhar e apoiar de forma efetiva os cristãos perseguidos.

       Os frequentes ataques demonstram um crescente sentimento anti-cristão na Índia. — Foto/Reprodução.

Perseguição extrema atinge 13 países

A pesquisa também destaca que a perseguição extrema atinge agora 13 países, dois a mais do que na LMP 2023. Síria e Arábia Saudita entraram para essa categoria, mantendo as posições, mas com um aumento na pontuação, evidenciando um nível extremo de perseguição.

Processamento dos dados da LMP 2024

A LMP 2024, que utiliza dados de trabalhadores de campo da organização Portas Abertas, suas redes nacionais, especialistas externos e analistas de perseguição, é certificada pelo International Institute for Religious Freedom.

-
-
**************************************************************

Lista Mundial da Perseguição 2024: 4.998 cristãos mortos e 42.849 foram espancados em todo o mundo.

       A perseguição crescente aos cristãos pelo mundo tem deixado um rastro de sofrimento, morte e resistência. — Foto/Reprodução/Portas Abertas.
 
Publicado no Conexão Notícia em 28.janeiro.2024. Atualizado em 30.janeiro.2024.      

Saiba mais sobre a perseguição a cristãos no mundo, conforme informações da Portas Abertas. Pesquisa abrange o período de 1° de outubro de 2022 a 30 de setembro de 2023.

A Missão Portas Abertas lançou na terça-feira (16) a Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2024, que elenca os países mais hostis ao cristianismo. A LMP monitora os países em que os cristãos são mais perseguidos para, assim, poder ajudar e prestar serviços emergenciais, socioeconômicos, pós-trauma, bem como distribuição de material cristão, bíblias, alimentos, roupas, medicamentos e o que o cristão tiver mais necessidade.

A pesquisa para a produção da LMP deste ano abrange o período de 1° de outubro de 2022 a 30 de setembro de 2023.

Lançada no início de cada ano, a LMP usa extensa pesquisa, dados de trabalhadores de campo da Portas Abertas, suas redes nacionais, especialistas externos e analistas de perseguição para quantificar e analisar a perseguição em todo o mundo. Cada edição é certificada pelo International Institute for Religious Freedom.

Os dados da Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2024 garantem que mais de 365 milhões de cristãos no mundo enfrentam altos níveis de perseguição e discriminação por causa da fé em Jesus. Isso equivale a dizer que um em cada sete cristãos enfrenta perseguição extrema, severa ou alta.
-
-
PERSEGUIÇÃO EXTREMA
Agora, na lista de 2024, a perseguição extrema atinge 13 países, ao invés de 11, como na LMP 2023. Os países que passaram ao nível de perseguição extrema são Síria (12°) e Arábia Saudita (13°). Apesar de manterem a mesma posição da edição passada, agora apresentam nível extremo de perseguição porque a pontuação subiu. (Para entender como é feita a pontuação, acesse Entenda a Lista).

Os outros países com perseguição extrema permaneceram os mesmos, apenas com alterações de posição no ranking. São eles:

1. Coreia do Norte
2. Somália
3. Líbia
4. Eritreia
5. Iêmen
6. Nigéria
7. Paquistão
8. Sudão
9. Irã
10. Afeganistão
11. Índia

Nesta edição, todos os 50 países listados permaneceram os mesmos da LMP 2023, mudando apenas suas pontuações e posições. Veja aqui os 50 países que compõem a LMP 2024, e todas as informações sobre perseguição em cada um deles.

       Lista Mundial da Perseguição 2024. — Foto/Portas Abertas.

DESTAQUES DA LISTA MUNDIAL DA PERSEGUIÇÃO -  2024

Coreia do Norte

A Coreia do Norte continua como o país mais perigoso para os cristãos, apesar da diminuição de relatos de violência. Muitos norte-coreanos foram repatriados da China e, provavelmente, enviados para prisões e campos de trabalho forçado. Como muitos cristãos norte-coreanos fugiram para o país vizinho e outro conheceram a Cristo lá, é possível que haja seguidores de Jesus entre os deportados.

Índia

Os conflitos políticos entre as etnias meitei e kuki, em Manipur, na Índia, que iniciaram em maio de 2023, causaram a morte de 160 cristãos e o deslocamento de outros 60 mil seguidores de Jesus, aumentando o índice de violência. Em Madhya Pradesh e Chhattisgarh, 200 cristãos de 70 famílias foram expulsos de suas comunidades.

       Blessing é uma viúva cristã nigeriana; a Nigéria é um país com intensa violência contra cristãos. — Foto/Reprodução/Portas Abertas.

África Subsaariana

A desestabilização política e econômica em diversos países da África Subsaariana favorece a ação de grupos extremistas. Casas, negócios de cristãos e igrejas foram os principais alvos dos jihadistas. A situação foi agravada em países onde aconteceram golpes militares e cristãos não tiveram liberdade de denunciar as violações de direitos humanos e compartilhar a fé em Jesus.
O clima de falta de liberdade foi intensificado com a compra de tecnologia de vigilância e monitoramento e a presença de mercenários russos do grupo Wagner.

Estima-se que dos 34,5 milhões de deslocados na África Subsaariana, 16,2 milhões sejam cristãos. Eles lutam para sobreviver sem alimentação, moradia e cuidados básicos de higiene e saúde. Eles ficaram ainda mais desprotegidos diante dos ataques de extremistas islâmicos. Mais de 14 mil igrejas na região foram atacadas ou fechadas entre 1º de outubro de 2022 e 30 de setembro de 2023. Esse dado é sete vezes maior do que na LMP 2023.
-
-
Oriente Médio

O terremoto que atingiu a Síria em fevereiro de 2023 contribuiu para que muitos cristãos, que já viviam em situação precária, se deslocassem ou deixassem o país. A destruição e a tomada de igrejas históricas pelo grupo extremista Hayʾat Taḥrīr al- Shām também causou a migração dos seguidores de Jesus.

Na Arábia Saudita, houve um aumento na violência contra os cristãos, apesar do aumento da liberdade de expressar a fé. Muitos compartilharam sobre Jesus publicamente e com suas famílias, mas correm o risco de serem assassinados por suas famílias e comunidade por
deixarem o islã.

       Cristãos estão sendo perseguidos na China e Argélia. — Foto/Reprodução/Portas Abertas.

Igrejas fechadas na China e na Argélia

A China foi o país com o maior número de igrejas fechadas, com no mínimo 10 mil incidentes. Muitas delas eram conhecidas como domésticas (por não serem reconhecidas pelo governo), mas tinham milhares de membros. Na Argélia, apenas quatro das 46 igrejas afiliadas à Igreja Protestante da Argélia (EPA, da sigla em francês) estão abertas.

Liberdade de expressão se deteriora rapidamente na Nicarágua

O destaque na América Latina foi a Nicarágua, que subiu 20 posições na LMP 2024 e agora ocupa o 30° lugar. A hostilidade contra a igreja na Nicarágua deixou de ser indireta e agora pode ser notada por meio das restrições de liberdade religiosa, envolta em estruturas jurídicas feitas sob medida com esse propósito.

Os críticos da repressão à liberdade de expressão por parte do governo foram presos, assim como seus defensores. Universidades e outras instituições ligadas à igreja tiveram seus registros cancelados e propriedades e meios de comunicação de cristãos foram confiscados.

Líderes religiosos são acusados de espionagem; alguns tiveram a cidadania cancelada, além de serem forçados ao exílio. Celebrações cristãs em espaços públicos também foram proibidas.

O governo da Nicarágua até fechou sua embaixada em Roma, na Itália. O objetivo do governo não é simplesmente silenciar a voz dos cristãos, mas impedir sua credibilidade e a propagação de sua mensagem. No continente, segue a tendência de criar um governo de partido único, assim como Cuba.
-
-
NÚMEROS DA VIOLÊNCIA CONTRA CRISTÃOS NO MUNDO

– 4.998 cristãos mortos em todo o mundo em ataques relacionados com a fé. Os números provavelmente são muito mais altos, mas muitos não são relatados;

– Aumento de sete vezes nos ataques a igrejas, escolas cristãs e hospitais, de 2.110 (2023) para 14.766 (2024);

– Cristãos espancados ou ameaçados aumentaram de 29.411 casos relatados (2023) para 42.849;

– Os ataques a residências aumentaram 371% em relação aos números da LMP 2023 (4.547 para 21.431);

– Os cristãos forçados a abandonar as suas casas ou a esconderem-se mais do que duplicaram, de 124.310 para 278.716;

– 365 milhões de cristãos (um em cada sete em todo o mundo) enfrentam elevados níveis de perseguição e discriminação pela sua fé – acima do número do ano passado de 360 milhões.

As informações são da Missão Portas Abertas.


**************************************************************
27 de janeiro, Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

         Crianças eliminadas pelo Holocausto: a violência em massa contra as crianças. — Foto/Reprodução/Agência Brasil.
 
Publicado no Conexão Notícia em 27.janeiro.2024.         

O dia 27 de janeiro foi designado pela Assembléia-Geral das Nações Unidas como o “Dia Internacional da Memória do Holocausto”.  Desde 2005, a ONU e seus estados-membros têm realizado cerimônias para marcar o aniversário da liberação de Auschwitz-Birkenau e homenagear a memória dos seis milhões de judeus mortos no Holocausto e de milhões de outras vítimas do nazismo.

FATOS-CHAVE

1. O objetivo do “Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto” é duplo: servir como uma data anual de homenagem às vítimas do regime nazista, e promover a educação sobre o Holocausto em todo o mundo.

2. Desde 2010, a ONU tem escolhido temas distintos para as celebrações anuais que focam em tópicos tais como a experiência coletiva e os direitos humanos universais.

3. Em aditamento ao “Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto”, vários países têm suas próprias cerimônias comemorativas em outras datas relacionadas ao Holocausto.

Pano-de-Fundo

No dia 1 de novembro de 2005, a Assembleia-Geral das Nações Unidas adotou uma Resolução que designou o dia 27 de janeiro como o “Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto”.  A data marca a liberação de de Auschwitz-Birkenau e tem por objetivo homenagear as vítimas do nazismo. A mesma resolução apóia o desenvolvimento de programas educacionais que mantenham a  lembrança do que aconteceu durante o Holocausto prevenindo assim futuros genocídios. 

A “Solução Final”

A Resolução 60/7 não apenas estabelece o dia 27 de janeiro como o “Dia Internacional de Comemoração em Memória das Vítimas do Holocausto”, ela também rejeita qualquer tipo de negativa da existência do Holocausto.  A resolução encoraja os estados-membros da ONU a preservarem ativamente os locais que os nazistas utilizaram para a “Solução Final” (por exemplo, centros de extermínio, campos-de-concentração e prisões).  Utilizando-se da Declaração Universal de Direitos Humanos, a Resolução condena todas as formas de “intolerância religiosa, incitação, perseguição, ou violência contra pessoas ou comunidades baseadas em sua origem étnica ou crença religiosa” por todo o mundo.
-
-
Atividades das Homenagens

A primeira solenidade foi levada a cabo no dia 27 de janeiro de 2006 na sede da ONU, na cidade de Nova Iorque.  Cerca de 2.200 pessoas estiveram presents ao evento. Uma vez que a cerimônia foi transmitida ao vivo pela televisão, um número muito maior pode assistir à cerimônia por todo o mundo. A Sede da ONU realiza essas homenagens oficiais a cada ano.  Os escritórios de representação da ONU através do globo e outros órgãos de governos de países distintos  também realizam suas próprias cerimônias.

         Campo de concentração nazi, em Auschwitz-Birkenau, na Polónia, onde milhões de judeus e membros de outras minorias perderam a vida, durante a Segunda Guerra Mundial. UN Photo/Evan Schneider

Sobreviventes do Holocausto

Desde 2010 a ONU tem aprofundado temas específicos para as cerimônias anuais.  No ano inicial, o foco foi sobre os sobreviventes do Holocausto e as lições que eles podem dar às futuras gerações. 

As Crianças e o Holocausto

Em 2011 o tema foi a experiência das mulheres; em 2012, o tema foi “As Crianças e o Holocausto”, enfatizando as consequências da violência em massa contra crianças; e em 2013, os eventos focalizaram nas pessoas e indivíduos que arriscaram suas próprias vidas para “salvar dezenas de milhares de judeus, romas e sintis [ciganos], além de outros grupos perseguidos, de uma morte certa sob o regime nazista durante a Segunda Guerra Mundial na Europa”.  

Da deportação à libertação

Em 2014, o foco foi nas jornadas através do Holocausto—da deportação à libertação; em 2015, o tema foi sobre como as experiências do Holocausto moldaram a criação da ONU; e em 2016, foram esmiuçadas a Carta das Nações Unidas e a conexão da Declaração Universal de Direitos Humanos com o Holocausto.  

39 países participam das celebrações

No ano de 2015, 39 países participaram das celebrações do “Dia Internacional de Comemoração em Memória das Vítimas do Holocausto”.  As atividades de lembrança variaram de país a país; alguns foram sedes de palestras e apresentações de diferentes tópicos, enquanto outros mostraram filmes e documentários sobre o Holocausto; e, em outros, velas eram acendidas enquanto eram lidos os nomes das vítimas do regime nazista. 

         Crianças de Auschwitz. — Foto/Reprodução/Colorido por Tom Marshall.

Dia Internacional de Comemoração em Memória das Vítimas do Holocausto” 

Além de celebrar o “Dia Internacional de Comemoração em Memória das Vítimas do Holocausto” estabelecido pela ONU, muitos outros países participantes estabeleceram seus próprios dias de lembrança, os quais são frequentemente conectados aos eventos do Holocausto.  Por exemplo, a Argentina estabeleceu o dia 19 de abril, o dia da revolta do gueto de Varsóvia, como o “Dia Nacional da Diversidade Cultural”.  

A Hungria celebra o dia 16 de abril como o “Dia Nacional de Lembrança do Holocausto”, relembrando a data do estabelecimento do gueto de Munkács.  Em 1979, o congresso dos EUA estabeleceu o “Dia de Lembrança”, que usualmente acontece entre o mês de abril e o início de maio, para celebrar as vítimas do regime nazista. O Dia de Lembrança nos EUA corresponde ao Yom ha-Shoah”, o dia israelense de “Lembrança do Holocausto” [os calendários gregoriano, seguido nos EUA, e o calendário judaico têm ciclos/datas diferentes].

DOCUMENTANDO O NÚMERO DE VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO E DA PERSEGUIÇÃO NAZISTA

O Holocausto é o caso de genocídio melhor documentado de toda a história.  A despeito disto, calcular o número absolutamente correto de indivíduos mortos como resultado das políticas nazistas é uma tarefa impossível pois não existe um documento único, datado do período da Guerra, que especifique o número total dos mortos.  Em alguns casos, contrário à opinião popular, os registros sequer foram mantidos. 
-
-
As Conseqüências do Holocausto

Enquanto as tropas Aliadas atravessavam a Europa em uma série de ofensivas contra a Alemanha nazista, elas encontravam e liberavam os prisioneiros dos campos de concentração. Muitos deles haviam sobrevivido às marchas da morte do leste europeu para o interior da Alemanha. Após a libertação, a maioria dos sobreviventes não podia ou não desejava voltar às suas antigas moradias nos países do leste da Europa devido ao anti-semitismo e à destruição de suas comunidades durante o Holocausto. Os que retornavam sentiam suas vidas ameaçadas. Muitos sobreviventes, desabrigados pelo Holocausto, migraram para o oeste, para territórios libertados pelos Aliados, onde encontraram abrigo nos campos para deslocados de guerra (DP) e nos centros de refugiados, enquanto aguardavam condições para deixar a Europa.  

Número correto de pessoas mortas

Calcular com exatidão o número correto de pessoas mortas como resultado das políticas nazistas é uma tarefa extremamente difícil.  Não há um só documento criado por funcionários nazistas na época da Guerra que explicite exatamente quantas pessoas foram mortas durante o Holocausto, na Segunda Guerra Mundial.

O fato mais importante a se ter em mente é que, ao se tentar documentar o número de vítimas do Holocausto, não há em todo o mundo uma lista única, básica, que abranja todos os que pereceram durante o Holocausto.

O que se segue são estimativas, as mais corretas possíveis, sobre os civis e soldados desarmados mortos pelo regime nazista e seus colaboradores.

Estas estimativas foram calculadas a partir de relatórios do período da Guerra, feitos por aqueles que implementaram a política populacional nazista, e estudos demográficos de perda populacional durante a Segunda Guerra Mundial.


Perda de Judeus por Local de Morte

Com relação ao número de judeus que foram mortos durante o Holocausto, as estimativas mais corretas, por local de eliminação, são apresentadas abaixo:

Local da Morte  —  Perdas Judaicas

Complexo de Auschwitz  (incluindo Birkenau, Monowitz e seus subcampos)
Aproximadamente 1 milhão

Treblinka 2
— Aproximadamente 925.000

Belzec
— 434.508

Sobibor
— Pelo menos 167.000

Chelmno
— 156.000 – 172.000

Mortos a tiros em operações coordenadas em vários locais nas áreas central e sul da Polônia então ocupada pelos alemães (o “Governo Geral”)
— Pelo menos 200.000

Mortos a tiros em operações coordenadas na área ocidental da Polônia anexada pela Alemanha (Distrito de Wartheland)
— Pelo menos 20.000

Mortes em locais diferentes das instalações alemãs designadas como campos-de-concentração. 
— Pelo menos 150.000

Mortos a tiros em operações coordenadas e nos vagões-de-gás em centenas de localidades nas áreas ocupadas pela Alemanha na então União Soviética 
— Pelo menos 1.3 milhões

Mortos a tiros em operações coordenadas na União Soviética (judeus alemães, austríacos e tchecos deportados para a União Soviética) 
— Aproximadamente 55.000

Mortos a tiros em operações coordenadas e nos vagões-de-gás na Sérvia
— Pelo menos 15.088

Mortos a tiros ou torturados até a morte na Croácia, sob o regime da Ustaša 
— 23.000–25.000

Mortes nos guetos
— Pelo menos 800.000

Outros
— Pelo menos 500.000
-
-

As informações são do Portal da Enciclopédia do Holocausto.

CN - Conexão Notícia
O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Compartilhe as nossas notícias em suas redes sociais!


Tecnologia do Blogger.