Redes Sociais

Header Ads

Mais de 100 cristãos foram ameaçados de morte por radicais hindus em região da Índia

Ilustração de Rick Szuecs. —  Foto/Reprodução/ Jantanee / Lightstock.  


Os pentecostais superaram seu nome?  
Fonte:  Gospel+, WILL R. FILHO —  Publicado no  CN em 30.maio.2020. 

Gospel A perseguição religiosa aos cristãos que vivem na Índia continua das mais diversas formas, existindo por motivações políticas, culturais e religiosas, especialmente em territórios mais afastados dos grandes centros urbanos, como nas zonas rurais.

Uma nova denúncia diz respeito a um grupo de pelo menos 16 famílias cristãs, totalizando cerca de 130 pessoas. Os seguidores de Jesus Cristo são membros deu ma igreja local chamada Kirpa Bhavan Salom, localizada no estado de Jharkhand.

Desde quando decidiram seguir a Jesus, os cristãos passaram a sofrer ameaças de morte e forte opressão social, prejudicados em seus afazeres comunitários por terem abandonado às crenças animistas locais, segundo informações repassadas por um pastor local, Sarabjit Bharati.

O pastor contou que radicais hindus estão indo nas casas dos cristãos, na Índia, geralmente na parte da noite, para ameaça-los de morte caso não abandonem o cristianismo.


“Os perseguidores estavam indo com cassetetes e paus de madeira, não dando aos cristãos a chance de dizer não, mas enfatizando que eles deveriam se reconverter à crença Sarna [animista] ou os matariam naquele momento”, disse o pastor Sarabjit Bharati.

Bharati lidera uma congregação fora da vila de Banjari Patan, no distrito de Palamu, e ele tem sido mais uma testemunha da perseguição religiosa enfrentada pelos cristãos na Índia.

“Eles chegaram ao ponto de dizer: ‘Se esses cristãos não deixarem o cristianismo e retornarem ao nosso rebanho de Sarna, nós os mataremos e, consequentemente, iremos para a cadeia por isso. Nós não nos importamos em sermos presos'”, informou o pastor.

Segundo informações do Morning Star News, os seguidores de Jesus em determinadas regiões da Índia enfrentam ameaças de morte e também opressão social.

O pastor Bharati confirmou esse relato, explicando que os cristãos “foram obrigados a assinar alguns papéis e avisaram que teriam que pagar uma multa de 20.000 rúpias [US $ 265] se continuassem acreditando em Jesus Cristo ou fossem encontrados participando de reuniões cristãs.”

A organização Portas Abertas é uma das entidades que acompanham o cenário de intolerância religiosa contra os cristãos na Índia. Os missionários pedem orações pelos perseguidos, para que eles suportem com fé e determinação o preço de seguir a Verdade do Evangelho.




Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários