Redes Sociais

Header Ads

Líderes da Igreja Universal em Angola são expulsos dos templos por pastores locais

A Igreja Universal do Reino de Deus afirmou que o grupo rebelde agiu de forma “orquestrada e violenta”.  —  Foto/Reprodução.  

Líderes da Igreja Universal em Angola são expulsos dos templos por pastores locais
Fonte:  Gospel Mais, TIAGO CHAGAS  —  Publicado no  CN em 23.jun.2020. 

Solidariedade Um grande número de templos da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola foi tomado por pastores e bispos do país, num movimento de rebelião contra a direção da instituição no Brasil. Sacerdotes de nacionalidade brasileira também foram expulsos dos templos e devem deixar o país.

O episódio de rebelião tem como líder o bispo Valente Bezerra Luiz, que era vice-presidente da Universal até então. Ele e demais pastores acusam os sacerdotes brasileiros de racismo, discriminação social e evasão de divisas, configurada, segundo eles, pelo envio de dízimos e ofertas dos fiéis para a matriz, no Brasil.

Chamada de comissão de reforma da IURD, o movimento agora controla cerca de 30 templos no país, principalmente na capital Luanda. A instituição deverá ser chamada de Igreja Universal de Angola.

“A igreja vem desenvolvendo há muito tempo e a ganancia dos expatriados brasileiros foi se avolumando, razão pela qual tomamos a decisão da ruptura do convênio com a gestão brasileira”, explicou Nilton Ribeiro, porta-voz dos pastores angolanos.

“Crimes como o racismo, discriminação social, abuso de autoridade, faltas de respeito, humilhações públicas e evasão de divisas para o exterior e evasão ilícita de capital, são alguns problemas que podemos evocar”, denunciou Ribeiro, de acordo com informações do portal AngoNotícias.

VEJA TAMBÉM:
Com câncer, morador de rua ora a Deus pedindo um prato de refeição e se surpreende
Acusada de embriaguez e rituais secretos com sexo e sangue, Flordelis nega
Bíblia é estranha e preconceituosa, diz filho de Eyshila
A igreja italiana que não fechou suas portas durante a quarentena
Igreja promove ‘Feirinha Solidária’ no Complexo do Alemão
Pastora Helena Raquel e marido estão com Covid-19 
Nickelodeon inclui Bob Esponja em lista de personagens LGBT 
Pastor russo pode ter casa demolida por fazer culto doméstico
Evangélicos são alvo de tiros enquanto oravam ao ar livre em Botafogo
Pastor curado do coronavírus diz que viu a morte, mas Deus o curou   
Pastor Silas Malafaia: “Não votem em ninguém do PSB. Cínicos! Inescrupulosos”

De acordo com o porta-voz, não há possibilidade de negociação com a direção da Igreja Universal “porque foi lhes dada a oportunidade em novembro do ano passado”: “Tomamos seis províncias do país, Luanda, Benguela, Huambo Malanje, Cuanza Sul e Namibe”, acrescentou Ribeiro.

A Igreja Universal do Reino de Deus vem enfrentando dificuldades no país há anos, e em janeiro deste ano, surgiu no horizonte a hipótese de a instituição ser expulsa pelas autoridades.



Na ocasião, o diretor do Instituto Nacional para Assuntos Religiosos (INAR), Francisco Castro Maria, declarou que havia a possibilidade de as atividades fossem encerradas caso as denúncias apresentadas contra membros terminassem comprovadas pelas autoridades.

Versão da Universal

Em sua defesa, a Igreja Universal do Reino de Deus afirmou que o grupo rebelde agiu de forma “orquestrada e violenta”, com “pastores, esposas de pastores e funcionários” sendo agredidos: “Alguns ficaram feridos e precisaram receber atendimento médico. Todos passam bem”, garantiu a assessoria de imprensa.

“Os autores dos ataques pertencem a ‘um grupo de ex-pastores desvinculados da Instituição por práticas e desvio de condutas morais e, em alguns casos, criminosas e contrárias aos princípios cristãos exigidos de um ministro de culto’. Para confundir a sociedade angolana, os invasores espalharam mentiras absurdas, como, por exemplo, uma acusação de ‘racismo’. A verdade é que esses dissidentes têm promovido ataques xenófobos — esses sim, racistas — contra a Universal e seu corpo eclesiástico. Xenofobia é o sentimento de ódio contra estrangeiros”, acrescenta a nota.

Sobre a alegada prática de racismo, a Universal pontua que “em Angola, dos 512 pastores, 419 são angolanos, 24 são moçambicanos e quatro vieram de São Tomé e Príncipe”, o que formaria um quadro de 87% de sacerdotes africanos no país.

“Outra mentira espalhada por esse grupo é a suposta obrigatoriedade de pastores serem submetidos a cirurgia de vasectomia. Trata-se de fake news facilmente desmentida pelo fato de que muitos bispos e pastores da Universal, em todos os níveis de hierarquia da Igreja, têm filhos. O que a Instituição estimula é o planejamento familiar, debatido de forma responsável por cada casal”, enfatiza o comunicado.

“O que se espera agora, é que as autoridades restabeleçam, com urgência, a ordem legal e possam assegurar que a Universal continue salvando vidas e prestando ajuda humanitária em Angola, como faz há 28 anos”, finaliza.


Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 







Postar um comentário

0 Comentários