Redes Sociais

Header Ads

Barroso nega crise entre Judiciário e Executivo e afasta risco de golpe

   Ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF). —  Foto/Reprodução


Barroso nega crise entre Judiciário e Executivo e afasta risco de golpe
Fonte: Valor Econômico, Renan Truffi e Murillo Camarotto. —  Publicado no  CN em 22.maio.2020.   

Governo - Ministro afirmou em live do Valor que em toda parte do mundo há algum grau de tensão entre os Poderes e que Forças Armadas não têm "ímpeto de atividade política."

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta sexta-feira que haja uma crise institucional entre Executivo e Judiciário por conta de decisões que contrariam o entendimento do governo federal. Segundo Barroso, em toda parte do mundo há algum grau de tensão entre os Poderes. “Sempre que você dá limites a alguém, há tensão. Isso não é crise institucional. Acho que o presidente se queixar (do STF) faz parte da vida”, afirmou em live do Valor.

Nesse assunto, Barroso comentou ainda a decisão monocrática do ministro Alexandre de Moraes, que impediu o Executivo de nomear Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal. 



“Não sou fã de decisões monocráticas. Em geral, Judiciário não deve interferir em nomeação do presidente. Mas prefiro ainda não me posicionar pessoalmente sobre a decisão de Moraes [sobre a PF]”, disse. A nomeação foi barrada depois de o ex-ministro da Justiça Sergio Moro acusar o presidente Jair Bolsonaro de tentar intervir na autonomia da PF. 

"É inegável que Moro simbolizava esforço contra a corrupção no Brasil. O Supremo interveio no processo que nos levava a um bom caminho. O avanço que vinha sendo feito perdeu espaço no Executivo e no Judiciário. A guerra [contra a corrupção] não se ganha só com uma batalha. Mesmo que o Judiciário tenha reduzido a velocidade, a sociedade não aceita mais o inaceitável", disse Barroso na live, conduzida pelas repórteres Isadora Peron e Luísa Martins com o tema dos desafios do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo na pandemia.

Veja também:
Curada, 1ª agente de saúde indígena com Covid ajuda seu povo em área crítica no AM
UOL: Enfermeira alega 'calor' e usa apenas lingerie por baixo de EPI em hospital 
+“General Pazuello vai ficar por muito tempo na Saúde”, diz Bolsonaro
PT e outros 6 partidos entram com pedido de impeachment de Jair Bolsonaro 
Bonner denuncia que CPF de filho foi usado em fraude no auxílio emergencial
Médicos Sem Fronteiras abre centro de tratamento de COVID-19 no Haiti
IRREGULARIDADE: Anvisa alerta sobre falsificação de vacina contra gripe
Lula: 'Ainda bem que natureza criou esse monstro chamado coronavírus'
Lula pede desculpas por frase sobre covid-19 : ‘Totalmente infeliz’ 
Governador do Maranhão anuncia reabertura gradual do comércio
Coronavírus: o dramático aumento da atividade dos pedófilos virtuais com o isolamento

Progressistas x conservadores 
O ministro do STF defendeu que o os grupos progressistas no Brasil se tornaram negligentes em relação ao tema da corrupção. Para ele, isso fez com que “a bandeira da ética” ficasse com o segmento conservador, o que foi um “mal ao país”. 

“O pensamento progressista brasileiro se tornou compassivo demais com a corrupção e entregou a bandeira da ética para o espectro conservador da política. A ideia de que ser correto é coisa de direita foi um mal ao Brasil”, disse. 

Por conta do avanço do coronavírus no país, o magistrado também argumentou que é preciso sair da crise com mais consciência social. 

“Acho que não haverá um ‘novo normal’ tão cedo. A pobreza agora entrou em horário nobre na televisão. Temos que sair da crise com uma consciência social maior. No pós-crise, precisamos investir em desfavelização e saneamento. Precisamos de gente competente, acabar com o compadrio”, disse.

Forças Armadas "sem ímpeto de atividade política" 
Barroso minimizou qualquer chance de ruptura democrática no Brasil que tenha como agente principal as Forças Armadas. Ele disse que Exército, Marinha e Aeronáutica têm comportamento exemplar e que seus integrantes têm maior lealdade à Constituição. Por isso, na avaliação dele, os generais “não têm ímpeto de atividade política”. 

O assunto tem se tornado recorrente diante da crise política que tomou conta do governo Jair Bolsonaro. O próprio presidente da República tem participado de manifestações cujas bandeiras são o fechamento do Congresso Nacional e do STF, além de pedidos de intervenção por parte do Exército.

“As Forças Armadas continuam se comportando exemplarmente. Aqui e ali se invoca o nome das Forças Armadas, mas não houve comportamento inadequado. Eles prezam a lealdade [ao presidente], mas a maior lealdade é à Constituição. A atual geração de lideranças [militares] não têm ímpeto da atividade política”, disse. 

O ministro toma posse como presidente do TSE na segunda-feira, dia 25 de maio.



Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários