Redes Sociais

Header Ads

Ministro Toffoli pede informações à juíza de MG antes de decidir sobre depoimento de Aécio

Ministro Toffoli e Aécio NevesO interrogatório está marcado para 6 de agosto—  Foto/Reprodução.

Ministro Toffoli pede informações à juíza de MG antes de decidir sobre depoimento de Aécio
Publicado no Conexão Notícia em 29.jul.2020.  

Política Magistrada é responsável pelo processo sobre supostas irregularidades na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais.

Magistrada é responsável pelo processo sobre supostas irregularidades na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais. 

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, quer ouvir a juíza responsável pelo processo sobre supostas irregularidades na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais, sede do governo mineiro, antes de se manifestar sobre a suspensão do depoimento do deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) no caso. O interrogatório está marcado para 6 de agosto.

Em despacho assinado na segunda, 27, Toffoli deu 48 horas para que a magistrada da Vara de Inquéritos Policiais da Comarca de Belo Horizonte se manifeste sobre as alegações da defesa do tucano, que diz não ter tido acesso aos depoimentos prestados pelos diretores da construtora OAS e da Santa Bárbara Engenharia. Os advogados sustentam que 'foi negado o acesso da defesa a elementos de provas utilizados no relatório final da autoridade policial'.

VEJA TAMBÉM: 
TikTok: o que se sabe sobre empresa por trás do aplicativo e seu enigmático dono
Nick Cordero, ator da Broadway, morre aos 41 anos por complicações da Covid-19
Covid-19: Brasil registra 614 mortes em 24h; total de óbitos ultrapassa 87 mil
COVID-19: Novo 'bafômetro' é capaz de detectar o coronavírus em apenas um minuto
A irredutibilidade de vencimentos do servidor e o direito adquirido
DINHEIRO: Quais as diferenças entre salário, vencimento, remuneração e provento?
Municípios receberão até R$ 500 milhões por desempenho nos serviços da AP
Câmara aprova auxílio de R$ 16 bilhões para estados e municípios na pandemia
Caixa divulga orientação para desbloqueio de contas
SP: após 3 semanas de queda, óbitos por covid-19 voltam a crescer 

De acordo com as delações, o então governador de Minas Gerais foi beneficiado em esquema de superfaturamento da obra e desvio de recursos públicos, cujo prejuízo é estimado pela Polícia Federal em R$ 747 milhões em valores atualizados.

Em maio, o tucano foi indiciado no caso por corrupção passiva e ativa, desvio de recursos públicos e falsidade ideológica.

Em nota divulgada à época, a assessoria de Aécio afirmou que "a conclusão da autoridade policial é absurda e contraria as investigações da própria PF que, depois de mais de três anos de investigações, não encontrou nada que comprometesse a atuação do Deputado Aécio Neves".

Leia a íntegra da nota:

"A conclusão da autoridade policial é absurda e contraria as investigações da própria PF que, depois de mais de três anos de investigações, não encontrou nada que comprometesse a atuação do Deputado Aécio Neves. A obra foi acompanhada por auditoria independente e seu edital apresentado ao TCE e ao Ministério Público que não apontaram qualquer irregularidade. Sequer os aditivos de preço autorizados por lei foram praticados à época. A defesa confia que a Justiça comprovará o absurdo da acusação".

Fonte: Estadão Conteúdo / Lula Marques/AGPT




Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 


Postar um comentário

0 Comentários