Incentivo Financeiro destinado aos ACS/ACE poderá chegar à R$ 589 milhões - Conexão Notícia

Header Ads


Incentivo Financeiro destinado aos ACS/ACE poderá chegar à R$ 589 milhões

  Pagamento da parcela extra de final de ano deverá bater um recorde nesse ano, o que irá beneficia aos Agentes de Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias dos mais diversos recantos do país.   —  Foto/Reprodução.

Incentivo Financeiro destinado aos ACS/ACE poderá chegar à R$ 589 milhões
Publicado no Conexão Notícia em 03.setembro.2021.  

Agentes de Saúde | Focar na garantia do pagamento da parcela extra do FNS - Fundo Nacional de Saúde é ampliar as possibilidades de garantia do pagamento desse recurso. 

Faltando pouco mais de dois meses para o repasse do Incentivo Financeiro Adicional, em vários municípios de todo o país, as lideranças se mobilizam para garantir o pagamento da parcela extra de final de ano, garantida pelo FNS.

A estimativa é que os agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias recebam o maior valor, já pago como Incentivo Financeiro Adicional. 

Conforme já informado em matérias anteriores do JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil, será uma parcela extra em dinheiro, que será calculada com base no número de ACS registrados no cadastro de equipes e profissionais do sistema de informação definido para este fim.

A fragilidade contra os prefeitos
As normas jurídicas são bastante duras contra os prefeitos que não as respeitam. Gestor municipal que desvia recurso de sua destinação, conforme a previsão legal, corre o risco de processo administrativo e ação penal. Não basta alegar que o não se obriga ao pagamento do Incentivo aos ACS/ACE, ele tem que provar que a destinação volumoso valor enviado pelo Governo Federal não está sendo aplicado fora do que estabelece as normas jurídicas, que tratam da destinação desses recursos. 
Se o prefeito não está pagando a parcela extra, onde ele está aplicado dinheiro? Essa pergunta causa um verdadeiro terror nos mau prefeito, que está desviando o recurso de sua finalidade. O prefeito sabe que terá que prestar contas desse repasse do FNS.


Segundo Samuel Camêlo, coordenador nacional da rede de voluntários da MNAS - Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde (ACS/ACE) nesse ano haverá um número recorde de municípios que  pagarão os R$ 1.550 (mil quinhentos e cinquenta reais) aos agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias.

Desde o final do ano passado que intensificamos o envio de informações sobre o Incentivo Financeiro Adicional, a Décima Quarta parcela, que é uma parcela extra, paga no final do ano aos ACS/ACE. Fizemos um trabalho de conscientização da categoria a nível nacional. Ampliamos o  acesso da categoria às informações, a instrumentalizamos quanto aos dispositivos jurídicos garantidores desse direito. Em consequência dessa nossa ação, contemplamos a mobilização da categoria em vários estados, nos mais diversos municípios do país. Um sinal claro que o acesso a informação potencializa a reação da categoria, consequentemente, amplia a possibilidade de acesso ao repasse extra, realizado pelo FNS - Fundo Nacional de Saúde. 
Sabemos que a luta para garantir essa parcela extra no final do ano não é nada fácil, contudo, a probidade de garantir que cada ACS/ACE receba os R$ 1.550 no município não é uma realidade distante, afinal, durante o ano inúmeros municípios tem avançado na garantia desse direito. Sabemos que os maus gestores fazem de tudo para reter esse repasse do FNS, inclusive, são capazes de tentar comprar a representação da categoria. Algo que tem sido recorrente em muitas cidades. Quer por meio de cargos comissionados para familiares e amigos da representação da categoria, ou mesmo, por meio de gratificações em dinheiro. Práticas criminosas absurdas, contudo, que retrata a realidade em desfavor dos ACS/ACE. Apesar desse quadro, temos avançado em muitos municípios, comentou Samuel Camêlo.

O Ministério da Saúde já definiu os R$ 1.550 como valor do incentivo financeiro federal para agentes comunitários e de combate às endemias para 2021. Assim como ocorre todos os anos (e nesse ano não será diferente) no último trimestre desse ano será transferida uma parcela extra destinada aos ACS/ACE. Essa parcela extra será calculada com base no número de ACS e ACE registrados no cadastro de equipes e profissionais do sistema de informação definido para este fim. 

Os recursos orçamentários terão, como origem, o orçamento do Ministério da Saúde. 

Fator garantidor do pagamento do Incentivo
É importante que a representação dos ACS/ACE já esteja articulada para garantir o acesse a essa parcela extra, que será repassada por meio do FNS. Conforme já foi publicado pelo JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil, há várias formas de garantir o pagamento do Incentivo Financeiro (Décima Quarta Parcela), entre elas o envio de Projeto de Lei de iniciativa do poder executivo municipal (prefeito) à Câmara de Vereadores. Uma grande novidade, desconhecida por muitos, inclusive, advogados representante da categoria é que os vereadores podem tomar a inciativa de propor um Projeto de Lei de inciativa do Legislativo Municipal. Isto é possível porque os recursos em questão tem origem federal, ou seja, a proposta dos vereadores não irá onerar o caixa da prefeitura. 


Recusa do prefeito e reação dos ACS/ACE
Não é novidade que um dos grandes problemas vivenciados pelos agentes comunitários e de combate às endemias, quando o assunto é o pagamento do incentivo, é o mau-caratismo dos prefeitos corruptos, que buscam negar o direito dos agentes com a finalidade de desviar os recursos federais, destinados ao pagamento dos servidores.  
O fato dos vereadores poderem tomar a inciativa de propor um Projeto de Lei de inciativa do Legislativo Municipal, quebra a possibilidade de continuidade dos desvios de recursos por parte dos prefeitos. Esses recursos repassados pelo Ministério da Saúde não estão ao dispor dos gestores para empregar onde desejar. A administração pública pode ter iniciativa no uso desse e de nenhum recurso, já que a norma estabelece previamente qual a destinação do recurso, podendo o mau gestor responder por improbidade administrativa, justamente por desviar o Incentivo Financeiro Adicional de sua destinação.

Ordenamento jurídico que garante o DIREITO AO INCENTIVO ADICIONAL

Os agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias fazem jus à percepção dos valores relativos ao Incentivo Financeiro Adicional referido na Portarias n.º 674/GM, de 03.06.2003; Portaria de n.º 650/2006; Portaria n.º 215/2016 (Art. 3º e 4º); Portarias n.º 1.378/2013  e Portarias n.º 1.025/GM/MS/2015 e outras. Todas do Ministério da Saúde, referentes ao repasse da União aos Municípios, estados e Distrito Federal.

O incentivo de custeio é um valor destinado ao custeio da atividade dos agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias, sendo transferido em parcelas mensais de 1/12 pelo Fundo Nacional de Saúde aos Fundos Municipais e, em caráter excepcional, aos fundos estaduais. Já o "Incentivo Financeiro Adicional" representa uma décima terceira parcela a ser paga para o agente comunitário de saúde e agentes de combate às endemias, não podendo ser usado como 13º, por isso recebe a denominação popular (não jurídica) de Décimo Quarto.

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições, considerando a Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990, que dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências; Levando em consideração:

A Lei nº 12.994de 17 de junho de 2014, que altera a Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006, para instituir piso salarial profissional nacional e diretrizes para o plano de carreira dos Agentes Comunitários de Saúde e dos Agentes de Combate às Endemias; 

A Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012, que regulamenta o § 3º do art. 198 da Constituição Federal; a Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006, que regulamenta o § 5º do art. 198 da Constituição, que regulamenta o § 5º do art. 198 da Constituição; o parágrafo único do art. 2º.

A Política Nacional de Atenção Básica, revisada pela Portaria GM Nº 2.488/11 e Portaria Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017, estabelece que o PSF é estratégia prioritária do Ministério da Saúde para organização da Atenção Básica. Em observância dessas normas e diretrizes da estratégia é evidenciada a atuação da equipe de multiprofissionais, inclusive a atuação com relevância de ações dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) dentro dessa organização.

O Decreto nº 1.232, de 30 de agosto de 1994, que dispõe sobre as condições e a forma de repasse regular e automático de recursos do Fundo Nacional de Saúde para os fundos de saúde estaduais, municipais e do Distrito Federal, e dá outras providências; 

Considerando a revisão de algumas diretrizes e normas da Portaria GM Nº 648/06. Considerando que o Ministério da Saúde efetiva a transferência de incentivo financeiro vinculado à atuação do ACS/ACE, tornando efetivo a partir da Portaria nº 1.761/07, sendo reeditado anualmente pelas Portarias nº 1.234/08, nº 2.008/09, nº 3.178/10, nº 1.599/11 e a Portarias n.º 1.025/GM/MS/2015.

Confira a lista das cidades que já pagam o Incentivo (Décimo Quarto).

Veja também sobre o Décimo Quarto:

CN - Conexão Notícia  e JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil.

O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado! Veja como doar aqui!

Inscreva-se no canal do JASB no YouTubeWhatsAppTelegram ou Facebook.

LEIA TAMBÉM:

Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!


Pinheiro entrega motocicletas a agentes comunitários de saúde; profissionais relatam mudança e valorização

   Os agentes comunitários de saúde vivenciam uma nova realidade com as motos.   —  Foto: Reprodução.

Iury Alencastro, agente comunitário de saúde há 6 anos na UBS do Distrito de Nossa Senhora da Guia, relata uma rotina de trabalho semelhante à de Luciana. A família acompanhada por ele que mora mais longe fica a 45 quilômetros da unidade básica de saúde e ele tinha que ir até lá com condução própria. “Com isso, não era possível estar visitando a comunidade inteira. A gente sempre deixava a desejar porque não tinha um veículo fornecido pela Prefeitura. Eu ia com minha moto ou... Veja a matéria e o vídeo completo, aqui!



CONACS tem reunião com o Ministro Queiroga e estabelece passo decisivo na garantia do Reajuste do Piso Nacional de R$ 2.200.

 Ministro  da Saúde Marcelo Antônio Cartaxo Queiroga Lopes.  —  Foto: Reprodução.

Os diretores da CONACS - Confederação Nacional dos Agentes de Saúde estão implacáveis em Brasília. A semana de 23 a 27/08 foi destaque nas ações da Confederação, mantendo o foco nas pautas prioritárias dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, além dos novos desafios que tem surgido.  

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.