Header Ads


Israel celebra 76 anos de independência em meio à guerra contra o Hamas.

      Judeus comemoram Dia da Independência de Israel.  —  Foto/Reprodução/Captura de tela/YouTube/Chosen People Ministries.
 
Israel celebra 76 anos de independência em meio à guerra contra o Hamas.
Publicado no Conexão Notícia em 15.maio.2024.   

Grupo no WhatsApp A Declaração de Independência de Israel foi lida em 14 de maio 1948 por David Ben-Gurion, primeiro-ministro e fundador do Estado moderno de Israel.

A tradicional cerimônia de acendimento da tocha marcou o início do Dia da Independência e o término do Yom Hazikaron, o Dia da Memória de Israel para os Soldados Caídos e Vítimas do Terrorismo.
-
-
Durante Yom HaAtzmaut – dia da Independência de Israel – os israelenses participam de uma série de eventos comemorativos, incluindo desfiles, fogos de artifício e cerimônias oficiais.

A data também uma oportunidade para refletir sobre os desafios e conquistas da nação desde a sua fundação, em 14 de maio de 1948, quando David Ben-Gurion leu a declaração de independência do país.

      David Ben-Gurion declarando independência sob um grande retrato de Theodor Herzl, fundador do sionismo moderno .  —  Foto/Reprodução/Wikipedia.

Lembrando 7 de outubro

Tochas foram acesas em Zikim, Sderot e outras cidades do sul, bem como perto do Kibutz Re'im, onde 364 participantes do festival de música Supernova foram assassinados pelo Hamas em 7 de outubro.

Quarenta e quatro pessoas foram escolhidas para acender as 12 tochas: a tocha das forças de segurança, a tocha dos serviços de emergência, a tocha dos socorristas, a tocha dos esquadrões de resposta imediata, a tocha da frente de diplomacia pública, a tocha do escudo, a tocha da esperança, a tocha da medicina e reabilitação, a tocha da vitória do espírito, a tocha da doação, a tocha da Diáspora e a 12ª tocha, que arderá sem portadores para simbolizar os reféns em Gaza.

Como parte da cerimônia, que foi ajustada para refletir "a atmosfera pública de luto, perda e profunda dor do povo de Israel", foi transmitido um discurso em vídeo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.
-
-
Pela primeira vez, o primeiro-ministro foi fotografado envolto em tefilin, pequenos cubos de couro que contêm pergaminhos com passagens da Torá. Eles são usados por judeus durante as orações matinais em dias úteis.

Em seu Instagram, escreveu: “Que todo o povo da terra veja que o nome do Senhor é invocado sobre ti e verão de ti. ... Que a memória dos nossos caídos seja abençoada e guardada em nossos corações para sempre.”

      O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, usando tefilin.  —  Foto/Reprodução/
Instagram/b.netanyahu.

A natureza comemorativa do principal evento do Dia da Independência foi atenuada a pedido de familiares de parte dos 132 reféns ainda mantidos em cativeiro pelo Hamas na Faixa de Gaza.

Este ano, por motivo de segurança, a cerimônia foi gravada antecipadamente sem a presença de público.

O sobrevoo da Força Aérea Israelense, que tradicionalmente ocorre no dia de Yom Haatzmaut, foi cancelado devido ao foco das forças militares na guerra.

Sentido espiritual

A celebração do Yom HaAtzmaut não é apenas um feriado nacional, mas um dia de profundo significado espiritual, lembrando os judeus em todo o mundo do cumprimento das promessas e profecias bíblicas sobre a continuidade de sua história e identidade.

Diversas profecias no Antigo Testamento referem-se ao retorno dos judeus à sua terra e à restauração de Israel como nação. Entre elas, destacam-se:
-
-
Ezequiel 37:21-22: "Dize-lhes pois: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu tomarei os filhos de Israel dentre os gentios, para onde foram, e os congregarei de todos os lados, e os levarei à sua própria terra. E farei deles uma nação na terra, nos montes de Israel, e um rei será rei de todos eles; e nunca mais serão duas nações, nunca mais para sempre se dividirão em dois reinos."

Isaías 11:11-12: "Naquele dia o Senhor estenderá outra vez a sua mão para resgatar o remanescente do seu povo que restar da Assíria, do Egito, de Patros, da Etiópia, de Elão, de Sinar, de Hamate e das ilhas do mar. Ele levantará um estandarte para as nações e ajuntará os desterrados de Israel; e os dispersos de Judá reunirá desde os quatro cantos da terra."

Jeremias 30:3: "Porque, eis que vêm dias, diz o Senhor, em que farei voltar do cativeiro o meu povo de Israel e de Judá, diz o Senhor; e torná-los-ei a trazer à terra que dei a seus pais, e a possuirão."

A restauração de Israel em 1948 é vista por muitos como um cumprimento dessas promessas antigas, marcando o início de uma nova era para o povo judeu e sua terra ancestral.

‘Espírito do povo’

A população de Israel atingiu 9,9 milhões, um aumento de 189.000 pessoas (1,9%) em relação a 2023, segundo dados divulgados pelo Gabinete Central de Estatísticas na semana passada, antes do Dia da Independência. Até o final do ano, a população deve atingir a marca de 10 milhões.
-
-
Netanyahu esteve com os portadores da tocha no domingo (12) e disse que, assim como Israel enfrenta atualmente um embargo de armas dos EUA no meio da guerra contra o Hamas, o mesmo ocorreu quando os exércitos árabes tentaram destruir o recém-formado Estado de Israel em 1948.

      Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro, fala no Dia da Independência de Israel.  —  Foto/Reprodução/Captura de tela/YouTube/CBN News.

Vocês representam os heróis do espírito e da ação entre o nosso povo. ... Na Guerra da Independência [em 1948], éramos do tamanho de um grão de areia – 600.000 pessoas ao longo da orla, com as costas voltadas para o mar, sem armas”, disse Netanyahu aos homenageados.

"Aliás, havia um embargo dos EUA naquela época, [estávamos] sem recursos, e enfrentávamos cinco exércitos árabes – e vencemos. Como vencemos? Com heróis do espírito e da ação. Com o espírito do nosso povo. Essa foi a nossa arma secreta, não temos outra arma. Existem outras, mas sem essa, não somos nada. Isso é o que vocês representam hoje", acrescentou o primeiro-ministro. 

-
-
As informações GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ISRAEL365.

Edição Geral: CN.

Publicação
CN - Conexão Notícia - www.cnoticia.com.br.

****************************************************
Antissemitismo: Câmara dos EUA aprova lei que define discriminação contra judeus.
      Câmara dos Representantes.  —  Foto/Reprodução/Britannica
 
Publicado no Conexão Notícia em 05.maio.2024.   

Grupo no WhatsApp Projeto foi apresentado em meio à onda de protestos anti-Israel em universidades americanas.

A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou na quarta-feira (1) um projeto de lei que amplia a definição de antissemitismo, que é a discriminação contra judeus.

A votação ocorreu após protestos pró-palestinos em universidades em todo o país, devido ao conflito entre Israel e o Hamas.

Os defensores da legislação afirmam que a lei auxiliará no combate ao antissemitismo nas universidades.
-
-
O projeto recebeu 320 votos a favor e 91 contrários. Entre eles, 70 democratas e 21 republicanos votaram contra a lei.

A lei estipula que o Departamento de Educação deve usar leis federais antidiscriminação como referência para possíveis punições. Atualmente, o Departamento baseia-se na definição de antissemitismo apresentada pela Aliança Internacional pela Lembrança do Holocausto.

Antijudaicos

O pastor Michael Brown, apresentador do programa de rádio The Line of Fire, diz que os protestos em universidades nos EUA que acontecem desde o dia 18 de abril, “não são simplesmente protestos pró-Palestina e anti-Israel. São protestos pró-Hamas e antijudaicos."

"Esses estudantes [significando, na Universidade de Columbia], em sua maioria, não necessariamente veem isso como um recomeço do BLM, mas é isso que é, e é isso que forças políticas muito mais poderosas do que os estudantes estão determinados a transformar”, afirmou.

E continuou: “Essas forças enxergam uma oportunidade que realmente tem muito pouco a ver com Israel ou Gaza. E se tiverem sucesso, haverá muita violência e perturbação este ano que se estende muito além da Columbia e de Morningside Heights."

Protestos nas universidades

Mais de 1.000 pessoas foram presas em protestos em universidades nos EUA, em 25 campi em pelo menos 21 estados, desde o dia 18 de abril.

Em Nova York, na Universidade de Columbia, estudantes montaram acampamento e posteriormente invadiram o Hamilton Hall. Eles barricaram e trancaram as portas de entrada. A intervenção da polícia resultou na prisão de dezenas de pessoas, obrigando os alunos a deixarem o local.
-
-
A ação ocorreu após o Departamento de Polícia de Nova York receber uma carta da Universidade de Columbia autorizando sua entrada no campus, conforme informado por uma fonte policial à CNN.

No geral, estudantes pedem que as universidades cortem relações com empresas ligadas à Israel. As especificidades das exigências de desinvestimento dos manifestantes estudantis variam em âmbito de escola para escola.

A coligação em Columbia quer que a universidade retire US$ 13,6 bilhões de investimento de qualquer empresa ligada a Israel ou de empresas que estejam lucrando com a guerra Israel-Hamas. Os líderes dos protestos mencionaram a venda de ações de grandes empresas em discursos.

Com a intensificação da violência e também o risco de expulsão, parte dos alunos também pede a assistia após o fim dos protestos.



As informações são do Pilieinio Nieiwis.

Edição Geral: CN.

Publicação
CN - Conexão Notícia - www.cnoticia.com.br.
-
-
****************************************************
Jesus e a Língua Hebraica.
      Imagem ilustrativa de Jesus ​​no deserto.  —  Foto: FreeBibleimages/LUMO project.
 
Jesus e a Língua Hebraica.
Publicado no Conexão Notícia              

Grupo no WhatsApp Não se pode compreender a essência das palavras de Jesus se não nos voltarmos para o contexto cultural de sua época, em especial, a língua hebraica, diz Getúlio Cidade.*

Quando se lê a Bíblia, deve-se ter em mente que os fatos relatados ocorrem em um contexto hebraico. 

A despeito do original dos Evangelhos ter sido escrito em grego, suas histórias ocorreram tendo não somente a língua hebraica como pano de fundo, mas os escritores são de origem hebraica, a cultura é hebraica, as tradições e os conceitos são hebraicos. Embora houvesse também o aramaico falado no tempo de Jesus, o consenso hoje entre os eruditos é de que os relatos dos Evangelhos tenham sido escritos inicialmente em hebraico, somente traduzidos mais tarde para o grego.

É importante ressaltar que o hebraico nunca deixou de ser falado nos círculos religiosos, mesmo quando o aramaico era a língua do dia a dia, como no século I. Qualquer rabino, independentemente de sua corrente doutrinária, dominava as duas línguas. Toda a liturgia do Templo e das sinagogas sempre era conduzida no hebraico — a língua da Torá e dos Profetas — assim como muitos dos ensinos rabínicos.

Dentro do hebraico, há os hebraísmos que são locuções peculiares da língua hebraica. Trata-se de expressões únicas ocorridas apenas dentro dessa língua. Em uma instância mais ampla, referem-se também à cultura, tradições e fé do povo judeu (Jesus viveu essa tradição). 
-
-
Os Evangelhos estão repletos de hebraísmos, expressões idiomáticas empregadas no século I que foram traduzidas literalmente para o grego. Isso explica o porquê de tantas palavras e expressões usadas por Jesus serem de difícil compreensão. 

Muitos eruditos acreditam que demasiada ênfase foi dada ao estudo do grego por causa dos Evangelhos em detrimento do hebraico. Hoje sabe-se que a chave para compreender melhor seus escritos reside na língua hebraica, além de se buscar conhecer e compreender a história e cultura hebraicas.

“Salgado com fogo”

Uma das expressões usadas por Yeshua mais difíceis de compreender está no Evangelho de Marcos: “Porque cada um será salgado com fogo” Marcos 9:49. Essa passagem fica ainda mais confusa no verso seguinte, quando Ele diz que os discípulos devem ter sal em si mesmos. Aqui a interpretação é clara e direta. 

Os discípulos devem fazer a diferença com seu modo de vida, assim como o sal faz a diferença no sabor da comida. Nos dois versos, Yeshua faz um duplo emprego com a palavra sal, o que mostra um bom domínio do hebraico, como era de se esperar de um rabino. No entanto, o que Ele quis dizer no verso 49 com “salgado com fogo”?   

Muitas explicações teológicas têm sido dadas, ao longo dos séculos, sobre essa expressão e a maioria delas afirma que Jesus estava se referindo à purificação pelo fogo, uma vez que o sal era usado nas ofertas sacrificiais do templo. Porém, estudos mais recentes, a partir do século XX, feitos por intermédio de tradução reversa do grego para o hebraico, mostraram que se trata de um hebraísmo.

Se analisarmos o contexto em que Yeshua usa essa expressão, Ele está falando sobre o inferno e seu sofrimento para os que para lá forem lançados (Marcos 9:42-48). Ao compreendermos esse significado do sal na cultura hebraica, faz todo sentido dizer que o Messias está se referindo à destruição completa pelo fogo do inferno. Isso nada tem a ver com purificação da alma ou o que quer que seja. 

A tradução de Robert Lindsey sugere que essa expressão idiomática “salgado com fogo” foi traduzida literalmente para o grego, em vez de ser adaptada. Uma tradução menos literal e mais precisa seria: “Cada um (que for lançado no inferno) será completamente destruído”. A expressão “salgado com fogo” foi perfeitamente compreendida pela audiência de Yeshua, porém, ao ser traduzida literalmente para outras línguas e culturas que desconheciam a cultura hebraica, perdeu seu sentido, causando confusão ainda hoje.

Raízes judaicas

Esse é apenas um exemplo dentre várias ocorrências de hebraísmos nos Evangelhos. Ao usar o grego como língua principal para interpretar verdades que foram ensinadas originalmente no hebraico e, em menor grau, em aramaico, fez com que a Igreja fosse dividida em várias doutrinas. Some-se a isso o pensamento helenista que se impôs sobre a Igreja, bem como o paganismo nele entranhado, e temos a explicação para tantos desvios doutrinários bem como inúmeras divergências que assolam o cristianismo. 
-
-
Se tão somente a Igreja não tivesse se apartado de suas raízes judaicas, o cristianismo não seria tão dividido como é hoje. Não se pode compreender a essência das palavras e ensinamentos de Jesus se não nos voltarmos para o contexto cultural de sua época, em especial, para a língua hebraica falada em seus dias, para a cultura rabínica da qual Ele fez parte e, principalmente, para a Torá, os Profetas e demais livros do Velho Testamento, tão desconhecidos e ignorados por muitos cristãos de hoje.   


*Getúlio Cidade é escritor, tradutor e hebraísta, autor do livro A Oliveira Natural: As Raízes Judaicas do Cristianismo e do blog www.aoliveiranatural.com.br

*O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Conexão Notícia.

GUIAME, GETÚLIO CIDADE.

Divulgação do CN - Conexão Notícia.
O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Compartilhe as nossas notícias em suas redes sociais!

Tecnologia do Blogger.