Header Ads


Ana Paula Valadão ministra em presídio de Angola e mais de 60 homens são batizados

        Batismo no presídio. —  Foto/Reprodução/Instagram/Ana Paula Valadão.

Ana Paula Valadão ministra em presídio de Angola e mais de 60 homens são batizados.
Publicado no Conexão Notícia  em 15.junho.2024.

Mundo Cristão Ana Paula está em uma viagem missionária com a família em Angola e testemunhou o agir de Deus na região. 

Na sexta-feira (14), a pastora Ana Paula Valadão, que está na África em uma viagem missionária com a família, batizou mais de 60 homens em um presídio em Angola.

Na ocasião, Ana e o filho Isaque ministraram o louvor e Gustavo, seu esposo, pregou a Palavra de Deus. 
-
-
“Batizamos mais de 60 novos irmãos em Cristo na Penitenciária em Huambo. Culto lindo”, compartilhou ela no Instagram.

Os pastores Eugênio e Itamar, líderes da Igreja Diante do Trono em Angola, também participaram do estudo bíblico no presídio.

Todos os domingos, os cristãos realizam um culto no local. Às quintas-feiras, os detentos têm a oportunidade de ouvir o Evangelho durante um estudo bíblico.

“Muitos ao sair se tornam membros da igreja. Glória a Deus por isso”, disse Ana.

Um dos homens que foi batizado no local, recitou versículos bíblicos e testemunhou: “Hoje eu estou aqui porque estou cansado e quero me entregar a Jesus”.
-
-
Missão DT

Através da Missão Diante do Trono (DT), Ana Paula e a família chegaram em Angola, no início deste mês. 

No país africano, eles visitaram as comunidades Camama,Talatona e Camizungo, localizadas em Luanda, capital do país.

Em Camizungo, Ana testemunhou muitos momentos marcantes em suas redes sociais. Dentre eles, a pastora dançou e louvou com os aldeões, recebeu presentes e visitou locais apoiados pela missão DT.

Sobre a alegria da comunidade alcançada pelo Evangelho, Ana compartilhou: “Mesmo com tão pouco eles cantam e dançam enquanto declaram: ‘Ah Jesus é bom’. Que nossa alegria também esteja naquilo que nunca pode ser tirado de nós”.

        Mesmo com tão pouco eles cantam e dançam. —  Foto/Reprodução/Instagram/Ana Paula Valadão.

Ainda em Camizungo, Ana relatou que 54 casa, que antes eram de zinco estão sendo reconstruídas com tijolos fabricados localmente, “trazendo mais qualidade de vida para as famílias”.

Na região, está localizada a escola CEDUC Camizungo, com 755 alunos: “Esse é um dos projetos da ONG Atos, o braço da Missão DT aqui”, contou Ana.

“A ONG Atos possui também o CEDUC Zango, outra sede da escola com 802 alunos e a Casa do Amor que acolhe órfãos e crianças deficientes”, acrescentou.

Segundo ela, em 2023, foram realizadas 273.600 refeições no refeitório de Camizungo. 
-
-
“Quando viajamos para cá não apenas nos doamos, mas acima de tudo recebemos e aprendemos. Somos contagiados com tanta alegria”, afirmou a pastora.

“O Senhor está transformando o Camizungo. E nós estamos testemunhando o que está acontecendo lá”, concluiu Ana Paula.

Grande Comissão

Recentemente, Ana Paula exortou os cristãos a refletirem sobre a maneira como tem se envolvido com missões e afirmou que a Igreja tem negligenciado a ordem de Cristo sobre a Grande Comissão.

Ana informou que mais de 7 mil povos não alcançados esperam pelo Evangelho. Sobre isso, ela relatou que a Igreja tem falhado naquilo que é o mais importante que Jesus ordenou — cumprir a Grande Comissão.

Para ela, isso é uma estratégia do diabo para reter as missões e os cristãos precisam entender e discernir os enganos e as astúcias dele. Então, ela encorajou os cristãos a viverem um despertamento e encorajamento missionário


As informações são do GUIAME.

Edição Geral: CN.

Publicação
CN - Conexão Notícia - www.cnoticia.com.br.
-
-
****************************************************
‘Deus não nos projetou para odiar’, diz ex-combatente do Hezbollah hoje cristão.
        Afshin Javid durante entrevista para a CBN News. —  Foto/Reprodução/Captura de tela/CBN News.

Publicado no Conexão Notícia  em 01.junho.2024.

Mundo Cristão Após encontro com Jesus, Afshin Javid abandonou o Islã e se tornou líder de um ministério cristão que promove amizade entre judeus e iranianos. 

Um ex-combatente do Hezbollah, que integrou o grupo terrorista durante três anos, conta como foi sua conversão ao Cristianismo e o que pensa sobre a atual guerra entre Israel e Hamas.

Afshin Javid disse em seu testemunho ao Club 700 que se considerava um muçulmano dedicado. “Eu não apenas fazia as orações, mas eu lia o Alcorão uma vez a cada 10 dias, de capa a capa”.

Ele contou que tinha 10 passaportes ilegais e que estava a caminho dos EUA para converter cristãos ao Islã quando foi preso na Malásia. E foi na prisão que, um dia, algo diferente aconteceu com ele.

Enquanto eu rezava pela minha religião, um homem apareceu na minha frente. Sua estatura era normal, mas algo era diferente ele brilhava como a luz. No entanto, não era uma luz comum”, descreveu.
-
-
“Eu sabia que se tratava alguém santo e justo, e imediatamente eu também sabia que eu não era alguém como ele. Embora eu tivesse feito tantas orações, mesmo eu tendo jejuado tanto, ter lido o Alcorão e me oferecido para caminhar sobre minas terrestres ou eu ter participado de enforcamento de pessoas para agradar a Allah eu não era justo”, disse.

Afshin diz que apesar de ter mantido todas essas regras e regulamentos do Islã, eu não sentia como aquele homem que estava diante dele: justo e santo.

‘Eu te perdoo’

Ele diz ter pensado que a única saída para sua vida, diante de tantos pecados era morrer. E pensou que aquele homem diante dele o mataria. “Mas eu não queria morrer. Então corri para o canto da cela, e literalmente segurei minha cabeça em meus braços e gritei: Me perdoe, me perdoe, me perdoe!”.

Sem imaginar que receberia o perdão de fato, ele conta que sentiu um toque em seu ombro esquerdo e a resposta daquele homem: “Eu te perdoo”.

Eu senti um peso enorme tirado de mim, não sabia como, mas eu sabia que estava perdoado”, diz.

Ele diz que estava confuso com tudo aquilo. Que não estava entendendo. Afinal, só Deus pode perdoar, mas aquele homem o havia perdoado e ele sentia o efeito daquele perdão imediato.

Afshin reconheceu: “Você é Deus, mas um Deus diferente daquele sobre o qual estudei. Não é o Allah. Então, quem é você que me perdoa e eu me sinto perdoado agora?”.

A resposta veio até ele: “Eu sou o Caminho, a verdade e a vida.”

Afshin disse ter pensado: “Isso é muito poderoso”.

Ouvir aquelas palavras o fez refletir: “Aquilo significava muito, porque como muçulmano você ora assim: ‘mostre-me que existe um caminho reto', porque o caminho é uma direção. A verdade é algo que você mede e a vida é uma fonte”.

“Mas este homem afirma ser todas essas três coisas. Nunca pensei que o caminho fosse uma pessoa. A verdade é uma pessoa. E a vida é uma pessoa. E todas elas são a mesma pessoa”, constatou.

Afshin disse que imediatamente então fez a pergunta central: “Qual é o seu nome?”

“E ele me disse: Jesus Cristo”.

“Eu simplesmente caí no chão e comecei a chorar.”
-
-
Vida transformada

Afishin contou que aquele encontro foi como ser daltônico e, de repente, passar a enxergar as cores novamente. “E você percebe que o mundo é muito mais bonito do que você jamais imaginou”.

Ele continua: “Se você me perguntar: O que tornou o mundo tão incolor? Eu respondo: o ódio, a raiva que existe no centro disso através do Muslim”.

“Se as pessoas me perguntarem: Por que você odiava os judeus? Eu diria que nunca conheci um judeu, mas achava que Hitler era um bom homem por fazer o que fez. Não sei por que os odiava. Nenhum judeu jamais me retribuiu”.

Depois de se tornar cristão, Afishin chegou à seguinte conclusão: “Deus não nos projetou para odiar, não nos projetou para querer ver alguém morto. Ele não nos projetou para essas coisas. Estes são projetos de Satanás”.

Ele conta que no início de outubro estava visitando Israel, com seu ministério que promove a amizade, entre persas e judeus. E, como milhões de outras pessoas que visitam Israel, ele se viu no meio de uma guerra, quando o Hamas lançou seu ataque sangrento ao território israelense.

Durante a entrevista que deu à CBN News, Afshin conheceu uma convidada da emissora: Sasha Ariev, cuja irmã adolescente foi sequestrada pelo Hamas.

Ao se encontrar com ela, Afshin e sua esposa choraram enquanto ouviam a história de Sasha.

“Não há absolutamente nenhuma justificativa, nenhuma explicação que possa fazer com que tudo isso fique bem. Ninguém deveria comemorar quando um dos filhos do Pai Abraão sofre. Eu só quero dizer que sinto muito por sua família estar passando por isso”, disse.

Ele declarou: “Estamos ao lado dom povo judeu, com o povo de Israel, e estamos de luto pela sua tristeza de perderem seus familiares ". Ele também disse reconhecer o direito de Israel existir.

No final da entrevista, Afshin orou pelos dois lados da guerra em Israel. Ele orou pela revelação de Jesus entre os muçulmanos, os filhos de Ismael. Orou pela aliança de Deus com Ismael, “para que Ismael tenha sede de amor e revelação de Jesus Cristo, por salvação”.

-
-
As informações são do GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CBN NEWS.

Edição Geral: CN.

Publicação
CN - Conexão Notícia - www.cnoticia.com.br.

****************************************************
Ex-ator da Globo testemunha sua fé em Jesus: “Ninguém é inconvertível.”
        Carlos Machado. —  Foto/Reprodução/Estevam Avellar/Rede Globo/Divulgação/Instagram/Carlos Machado.

Publicado no Conexão Notícia  em 17.maio.2024. Atualizado em 19.maio.2024.

Mundo Cristão Carlos Machado contou que só se converteu por um dia alguém orou e o convidou a conhecer a Palavra de Deus. 

O ator Carlos Machado, conhecido por atuar nas novelas da rede Globo, está compartilhando seu testemunho de conversão nas redes sociais.

Em um vídeo, Carlos, de 59 anos, contou que só aceitou Jesus porque a falecida atriz Inalda de Carvalho orou pela sua salvação.

“Pensa numa pessoa inconvertível, numa pessoa que não tem jeito. Que quando falava-se das coisas de Deus, da Bíblia, levantava e dizia: ‘Isso é história da carochinha. Por favor, não quero participar disso’. Eu era assim”, disse Carlos no Instagram.

“Sabe por que eu conheci de verdade Jesus Cristo e entreguei minha vida para Ele? Porque alguém orou por mim e porque alguém me convidou para conhecer a Palavra de Deus, para me aprofundar nesse sentido do conhecimento da Palavra”, acrescentou.

Então, Carlos encorajou os internautas: “Ore por alguém, convide alguém, ninguém é inconvertível”.
-
-
‘Qual é o seu propósito?’

No vídeo, Carlos citou a passagem bíblica em Romanos 8:28, que diz: “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito”.

“O propósito Dele [do Senhor]. Eu acredito que o meu propósito é falar do amor de Deus e da salvação através do único caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai a Deus a não ser por Ele, Jesus Cristo”, destacou ele.

Nesse momento, Carlos perguntou: “Qual é o seu propósito?”. E concluiu com uma mensagem de encorajamento para os internautas: 

Descubra o seu propósito porque o melhor lugar para estar, na sua vida, é debaixo do seu propósito. Deus te abençoe, pensa nisso”.
-
-
Nos comentários, muitos aproveitaram a oportunidade para compartilhar seus testemunhos:

“Fico tão feliz quando Deus toca no coração de alguém, assim como Ele fez na sua vida Carlos, em 2013 eu ouvia falar de Jesus, mas não conhecia. Hoje, eu ando com Cristo, e a minha vida foi transformada”, escreveu uma mulher.

E outra comentou: “Carlos, eu era assim. Mas, há 16 anos conheci o Senhor Jesus”.

“Não sei quem orou por mim, mas hoje agradeço a Deus, nosso Senhor por conhecer de verdade o seu Evangelho. Cristo vive”, testemunhou outra. 


As informações são do GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO INSTAGRAM DE CARLOS MACHADO.

Edição Geral: CN.

Publicação
CN - Conexão Notícia - www.cnoticia.com.br.
-
-
****************************************************
Ex-guerrilheiro na Colômbia, pastor testemunha conversão
        “Me tornar alvo da guerrilha é consequência da minha decisão por Cristo”, conta o líder evangélico. —  Foto/Reprodução/Portas Abertas.

Publicado no Conexão Notícia  em 23.abril.2024 Atualizado em 07.maio.2024.

Mundo Cristão Missionário está no Brasil para conscientizar sobre perseguição a cristãos em seu país.

Ex-perseguidor de cristãos na Colômbia e antigo guerrilheiro de grupo armado no país, o pastor Felipe (pseudônimo*) está no Brasil para contar o impactante testemunho de sua conversão e relatar como é ser missionário em regiões hostis ao Evangelho. Em entrevista ao Pleno.News, ele deu detalhes sobre sua história de vida e também contou de seu atual trabalho como líder religioso em aldeias no nordeste do país, que é o 30° da Lista Mundial da Perseguição 2024.

No decorrer da entrevista, o pastor Felipe falou sobre como as circunstâncias de sua infância o levaram a ser aliciado por guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) aos 6 anos, e de como tornou-se comandante de 170 revolucionários aos 17 anos. Ex-ateu, o líder cristão também explicou a experiência sobrenatural que teve com Deus ao ser livrado da morte e seu posterior compromisso de seguir a Jesus pelo resto de seus dias, mesmo diante do risco à sua vida e de sua família.

5 Yudi Tamashiro e Mila Braga evangelizam em Paris: “Deus que tira você da depressão”
– De perseguidor, eu passei a perseguido pela guerrilha. Eles ainda me perseguem, pois têm em mim um desertor da guerrilha, um louco que prega a Jesus e eles não querem isso por ali – declarou Felipe.

O colombiano já passou por Belém (Pará), São Paulo (SP), e nos próximos dias 24 a 28 de abril estará em diversas igrejas de Belo Horizonte (MG). Confira a entrevista completa e também a agenda do pastor em Minas Gerais.
-
-
ENTREVISTA:

O senhor disse que teve uma infância difícil. Pode dar mais detalhes sobre como foi?

Eu nasci em 1969 em uma região camponesa e pobre da Colômbia. Meu pai era alcoólatra e minha mãe morreu quando eu tinha 1 ano de vida. O que me acontece depois disso é fruto de orfandade e solidão. Desde então, uma família que não conhecia ao Senhor ficou responsável por mim e ali, durante a minha infância, [cresci] sem princípios cristãos. Não me ensinaram o que é ser uma família, como estar em família. O que me ensinaram foi a filosofia do marxismo, do materialismo. E eu não conhecia nada além da guerrilha. Já com 6 anos de idade, eu prestava serviços para a guerrilha, levando e trazendo mensagens, cartas e fazendo pequenos serviços.

Como foi o período em que serviu na ELN?

Nesse tempo, as pessoas do campo não tinham trabalho ali e tinham que ir a outras cidades para arranjar trabalho, e a guerrilha não via isso com bons olhos, porque as pessoas poderiam estar levando informações do que acontecia naquela comunidade para a polícia, para o exército. E, já naquele tempo, se via a perseguição contra a Igreja de Cristo, contra os cristãos que pregavam o evangelho ali.

Havia um homem que a guerrilha me mandou que eu o levasse até eles. Eu era apenas um menino. Como iria convencer esse homem a me seguir? Eu era do campo, sabia como as pessoas viviam ali e se viravam para conseguir trabalho. Então, eu o convenci a me seguir para outra casa, dizendo que o estavam procurando para um trabalho. No meio do caminho, surgiu a guerrilha. Eu pensei: “Que bom, vão dar trabalho a este homem”. Mas eles o amarraram e disseram: “Hoje você vai participar deste trabalho da guerrilha e vai participar deste crime”. Naquele dia, minhas mãos se sujaram de sangue pela primeira vez.

Pouco antes de completar 7 anos de idade, a guerrilha me recrutou. Eles me disseram: “Você não mais viverá como civil, você virá para as montanhas e viverá como um guerrilheiro”. E nesse lugar eu fui educado, moldado, transformado e aprendi a ler e escrever.

E aos 11 anos eu tinha 10 guerrilheiros sob o meu comando. A guerrilha começou a crescer e eu também, em estatura, idade, responsabilidade. Aos 17 anos eu tinha 170 guerrilheiros sob minha responsabilidade, sob meu comando. Só para esclarecer, aqueles que estão no comando de uma guerrilha não matam, eles mandam matar. Mas eu tinha muita vontade, muita sede de matar um cristão.

Um dia, descendo da montanha com alguns homens do meu comando, vimos um homem pregando o Evangelho. Eu tinha 17 anos e o vi pregando em uma casa camponesa. E eu me aproximei para ameaçá-lo, mas se tivesse oposição eu iria matá-lo. Deus tinha um plano muito especial para minha vida. Mas eu não sabia. Hoje eu entendo o que a Bíblia diz que somos predestinados antes da fundação do mundo para a salvação. E essa foi a minha primeira experiência com Deus, ainda sendo um ateu.
-
-
Eu não permitia que ninguém me falasse de Deus ou me pregasse o Evangelho. Eu ameaçava quem fosse, e fui, fortemente armado para matar aquele homem. E eu perguntei a ele: “Quem te permitiu pregar o Evangelho aqui?”. E ele me disse: “O Senhor Jesus Cristo”. Aquilo me deixou muito indignado, porque era uma afronta direta contra mim e meu comando. E eu disse: “Então, hoje você vai morrer”. E esse homem valente, pegou a Bíblia em suas mãos (ele tinha mais ou menos a minha mesma idade) e eu dei um passo em sua direção e ele deu dois passos em minha direção. Ele era muito corajoso. Na verdade, eu ia matá-lo, mas ele me matou primeiro, pois a cada passo que eu dava em direção a ele, ele dava quatro passos na minha direção. Eu não conseguia sacar a arma, suava frio e tinha vontade de chorar.

Esse homem muito valente, antes de eu sacar minha pistola, me apontou com a Bíblia e disse: “Sabe, comandante, se o senhor me matar hoje, Deus vai levantar homens nessa montanha para pregar o Evangelho. E o Espírito Santo está me revelando hoje que o senhor será mais um homem que Deus vai levantar para pregar o Evangelho nessa montanha”. Esse homem me deixou totalmente neutralizado. E eu o mandei embora. Ele se foi e os meus comandados começaram a me cobrar do porquê eu não o havia matado depois de tanta afronta. Eu somente respondi: “Porque eu não quis”.

Conte-nos como o senhor conheceu Jesus e converteu-se ao Evangelho, virando pastor?

Eu encontrei outros cristãos na montanha e nunca tinha coragem de tocar neles. Hoje eu entendo que o anjo do Senhor acampa ao redor dos que amam a Deus e os defende. Depois dessa experiência, com esse pastor, eu tive outros encontros com cristãos. E, na Colômbia, todos os guerrilheiros são, também, satanistas.

Eu também comecei a ler e rezar a Satanás e pedi, uma noite que ele aparecesse a mim. Mas ele não apareceu. Então, eu pedi que se o Deus dos evangélicos existisse, que ele aparecesse a mim, porque eu queria conversar com ele e queria que ele me desse poder para libertar a Colômbia do jugo do governo. Mas nenhum dos dois apareceu, e eu conclui que não existia nem Deus nem Satanás.

Continuei na guerrilha, matando gente, queimando casas e igrejas de cristãos, em batalhas contra o exército. Mas um dia, eu tive um sonho em que uma porta se abria no céu e um homem descia e disse-me: “Felipe, se você não se arrepender, certamente você vai morrer”. E aquela voz entrou na minha cabeça, no meu coração e foi tremendo. Eu caí de joelhos chorando, e caíam folhas e frutos e galhos das árvores. Foi tremendo. E essa voz me seguia por muito tempo.

Um dia, em meio a um confronto com o exército, eu fui capturado. Eu fui torturado de forma cruel e indigna durante 17 dias. Eu estava quase morrendo. Eles já estavam decididos a me matar ou enterrar vivo, quando chegou um tenente do exército e os chamou a atenção pelo estado em que tinham me deixado e me levou para a prisão.

A guerrilha ficou sabendo da minha prisão – achavam que eu estava morto – e pagou a fiança e eu fui libertado. Eu saí da prisão ainda com mais raiva, ódio e vontade de matar. Meus combates eram violentos e um dia, me vi sozinho, dentro de uma casa cercada pelo exército, com helicópteros e muitos soldados me caçando. Eu já estava sem munição e não tinha mais o que fazer.

Então ouvi a voz do cristão que eu havia ameaçado e ouvi a voz do homem do sonho e orei: “Se o Deus dos evangélicos me tirar daqui, me livrar da morte, eu vou servi-lo até morrer”. Eu fechei os olhos e quando abri novamente, eu via a casa onde eu estivera, os soldados e os helicópteros há quilômetros de distância. E eu fugi e enquanto fugi, escutei literalmente essa voz: “Felipe, eu sou Jesus de Nazaré que te tirou do meio do combate, levanta, foge e não volte mais”. E eu levantei, aceitei a Cristo como meu Senhor e Salvador. Desde esse dia eu sirvo a Jesus. Esse dia, foi o dia do Senhor para mim.

Então, de perseguidor, eu passei a perseguido pela guerrilha. Eles ainda me perseguem, pois têm em mim um desertor da guerrilha, um louco que prega a Jesus e eles não querem isso por ali.

Como foi tornar-se alvo da perseguição com a qual contribuiu durante anos?

Me tornar alvo da guerrilha é consequência da minha decisão por Cristo. Tenho medo de que minha família fique sem o pai e esposo, mas eles também têm noção do perigo que eu corro e do perigo que eles mesmos correm, pois também são cristãos e pregam a Jesus em uma zona de conflito dominado pela guerrilha e pelo tráfico de drogas.

Hoje, as montanhas da Colômbia são dominadas por narcotraficantes, guerrilheiros e milicianos. Todos eles, querem que os cristãos parem com suas atividades. Crianças cristãs são especialmente desejadas pelas guerrilhas e aliciadas o tempo todo, pois são crianças com princípios, leais e que obedecem aos mais velhos, tudo o que eles precisam para criar gerações de guerrilheiros.

Tive um filho aliciado pela guerrilha e uma filha sequestrada por eles. Graças a Deus, os dois voltaram para casa e eu pude ter a oportunidade de levá-los a um lugar seguro, o Abrigo Lar Cristão, que é mantido pela Portas Abertas. Lá, eles receberam ensino fundamental e médio, receberam a Palavra de Deus e tudo o que necessitavam para cura pós-trauma e para seguir como cristãos. Hoje, eles não estão mais no abrigo e seguem suas vidas em segurança.
-
-
Como sua família lida com os riscos de ser cristão em regiões perseguidas?

Temo por meus filhos e pelos filhos de todos os cristãos nas montanhas e comunidades indígenas da Colômbia. A perseguição é constante e vivemos com a ideia de morte todos os dias.

Meus filhos trabalham, vivem e falam de Jesus onde estão. Tenho uma filha que não vive na Colômbia mais, está trabalhando em outro país. Mas tenho também, a caçula, com 13 anos que está nas montanhas conosco e vive a perseguição de perto. Na escola, quando não é discriminada e perseguida por ser cristã, ela tem que conviver com dias e dias sem aula, pois a guerrilha decreta estado de sítio não permitindo a circulação de civis nas áreas de confronto entre guerrilhas ou entre a guerrilha e o exército.

Como é o Abrigo Lar Cristão e como foi a decisão de enviar seus filhos para lá?

Minha filha já havia sido sequestrada pela guerrilha. Passou poucos dias com eles e foi resgatada. Meu filho estava sendo permanentemente aliciado pela guerrilha e eu já via o tempo em que ele seria tomado pelos guerrilheiros. Não havia mais o que fazer a não ser fugir com eles ou os tirá-los de lá. Então, conheci o Abrigo Lar Cristãos e vi que era a melhor alternativa para eles.

O senhor enxerga semelhanças na sua vida com a história do apóstolo Paulo? Se inspira nele?

Sim, claro. Meu chamado, respeitando as devidas proporções, foi como o chamado de Paulo. Me inspiro na Palavra de Deus, nas cartas de Paulo às igrejas e na vida de Jesus. O chamado e as cartas, assim como toda a Bíblia, são minha inspiração diária.

Quais são seus sonhos para o futuro?

Viver e morrer por Cristo (risos). Na verdade, estamos em plena fase de treinamento de líderes e plantação de igrejas em nossa região. Isso é amplamente apoiado pela Portas Abertas, que treina nossos líderes e membros da igreja para resistir à perseguição de forma bíblica.

Qual recado você daria à Igreja brasileira?

Continuem firmes no Evangelho e na missão de apoio à Igreja Perseguida na Colômbia. Quando estamos no campo, principalmente quando passamos por algum perigo iminente, sentimos o poder de Deus e sentimos que existem irmãos orando por nós. Isso é real e precisamos que isso continue. A oração de vocês é vital para que permaneçamos firme durante a perseguição. Não nos esqueçam e orem por nós.
-
-
AGENDA DO PASTOR FELIPE EM BELO HORIZONTE (MG):

23|04 – 20h – Igreja Pentecostal Herdeiros de Deus
Rua Ilha de Malta, n° 48 – Bairro São Gabriel

24|04 – 20h – Igreja Batista da Pampulha
Av Portugal, n° 637 – Bairro Jardim Atlântico

25|04 – 09h – Mentoria Pastores e Líderes (8ª Igreja Presbiteriana de BH)
Rua Nestor Soares de Melo, n° 15 – Bairro Palmares

25|04 – 20h – Igreja Batista do Barro Preto
Av. Augusto de Lima, n° 1962 – Bairro Barro Preto

26|04 – 20h – Comunidade Evangélica Internacional – CEI
Av. VP1, 2136 – Contagem MG

27|04 – 19h30 – A Ponte BH
Rua Castelo de Sintra, n° 968 – Bairro Castelo

28|04 – 10h – Comunidade Cristã da Zona Sul
Rua Jornalista Djalma Andrade, n° 1350 – Bairro Belvedere

28|04 – 17h30 – Igreja Batista Getsêmani
Rua Cassiano Campolina, n° 360 – Bairro Dona Clara

*O nome do pastor foi alterado por motivos de segurança.


As informações são do Pilieinio Nieiwis.

Edição Geral: CN.

Publicação
CN - Conexão Notícia - www.cnoticia.com.br.
-
-
****************************************************
Domo de Ferro ou mão de Deus? Entenda como funciona o sistema antimísseis de Israel.
        Mísseis iranianos sendo interceptados sobre o Monte do Templo. —  Foto/Reprodução/Twitter/Tamar Schwarzbard.

Publicado no Conexão Notícia em 17.abril.2024Atualizado em 23.abril.2024.

Mundo Cristão O sistema tem 90% de eficácia, mas há relatos de eventos sobrenaturais que protegem Israel.

Depois do ataque iraniano a Israel, no último sábado (13), as Forças Armadas israelenses afirmaram que centenas de drones foram lançados em direção ao território do Estado Judeu. O episódio marca uma grande escalada dos conflitos no Oriente Médio.

Israel, porém, tem a seu favor, desde 2011, um sistema antimísseis avançado conhecido como Domo de Ferro, que recentemente interceptou milhares de foguetes disparados de Gaza.


O sistema, no entanto, não funciona com 100% de eficácia e, muitas vezes, a proteção a Israel foi atribuída a Deus. Em 2014, por exemplo,  conforme o Guiame divulgou, um operador do Domo de Ferro relatou que “viu a bateria do sistema falhar três vezes para derrubar um míssil que seguia em direção a Tel Aviv”.
-
-
‘Deus existe’

“Esse míssil em particular ia atingir os prédios do Azrieli Center, a Kirya Tower ou uma estação ferroviária central de Tel Aviv. Centenas poderiam ter morrido. Nós disparamos o primeiro interceptador. Ele errou. Disparamos o segundo. Ele errou. Isso é muito raro. Eu estava em choque”, descreveu o profissional. 

        Lançador Iron Dome durante exposição da Força Aérea Israelense, na Base Aérea Ramat David. —  Foto/Reprodução/Wikimedia Commons/Oren Rozen.

“Naquele momento, tínhamos apenas quatro segundos até o míssil pousar. Nós já havíamos notificado os serviços de emergência e avisamos sobre um incidente em massa. De repente, o Domo de Ferro mostrou um grande vento vindo do leste, um forte vento que enviou o míssil para o mar. Ficamos todos atordoados. Eu me levantei e gritei: Existe um Deus!, relatou.

Eu testemunhei esse milagre com meus próprios olhos. Não foi contado ou relatado para mim. Eu vi a mão de Deus mandar esse míssil para o mar”, ele destacou.

‘A Cúpula de Ferro não vale nada sem a mão de Deus’

O rabino americano, Daniel Lapin, mais conhecido como “Rabino da América”, conforme especifica em seu site, também publicou uma opinião semelhante, em 2014.

“Com os membros da minha família e o meu povo sob ataque, sou imensamente grata pela Cúpula de Ferro e por Deus que deu sabedoria aos seus construtores. No entanto, sei que a Cúpula de Ferro não vale nada sem a Mão de Deus”, afirmou a esposa do rabino, Susan Lapin. 

“Quando o povo judeu está vulnerável, é porque violamos a nossa aliança com Deus. Cada nação e cada indivíduo faz as suas próprias escolhas e deve enfrentar as consequências. Se Ele remover Seu escudo, nada poderá nos salvar”, reconheceu. 

‘Proteção de Deus é superior à tecnologia’

Conforme notícias do World Israel News, após o ataque com mísseis iranianos no sábado à noite, os cristãos palestinos que vivem na área de Belém expressaram gratidão pelo sistema de defesa aérea de Israel.

Graças a Deus pela presença do sistema Domo de Ferro que salvou vidas aqui. Não temos salas seguras para nos proteger, por isso, se um foguete caísse aqui, haveria um grande número de vítimas”, contou uma mulher que é membro da comunidade cristã de Beit Jala, perto de Belém, ao Serviço de Imprensa de Israel. 

“No início pensamos que seria como sempre, que era apenas conversa do Irã, mas no meio da noite, fui até a varanda e vi os foguetes, testemunhei a interceptação”, disse outro cristão que também reconhece que a proteção de Deus é superior à tecnologia.
-
-
Saiba como funciona o Domo de Ferro

O sistema de defesa foi projetado para dissuadir em pleno ar mísseis que se adentrem ao território israelense. Os dispositivos inimigos são detectados por meio de um radar, e o sistema calcula rapidamente se o foguete deve cair em uma área habitada ou atingir uma infraestrutura importante. Caso represente uma ameaça, as missões são disparadas para atingir os artefatos inimigos.

Conforme O Globo, o sistema de radar é capaz de detectar foguetes entre 4 e 70 km de distância. Já os mísseis podem defender uma área de 150 km². Segundo Israel, o sistema tem 90% de eficiência. 

Na quarta-feira passada (10), Israel usou pela primeira vez um sistema de defesa antimísseis marítimo para derrubar um drone que se aproximava do Mar Vermelho, ativando sirenes na cidade portuária de Eilat. 

O país posicionou navios com mísseis no Mar Vermelho após o início da guerra em Gaza. Uma das embarcações derrubou o drone com o novo sistema, chamado C-Dome.

O C-Dome é a versão naval do Domo de Ferro e utiliza os mesmos interceptores. Ele complementa o sistema de defesa aérea de múltiplas camadas de Israel em relação ao Arrow-3, que é projetado para interceptar missões balísticas fora da atmosfera terrestre.


As informações são do GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GLOBO E WORLD ISRAEL NEWS.

Edição Geral: CN.

Publicação
CN - Conexão Notícia - www.cnoticia.com.br.
-
-
****************************************************
Palestina ou Israel – Qual o Nome da Terra Santa? Thomas S. McCall, Th.D.
     O termo “Palestina”, da forma que foi aplicado à Terra de Israel, foi inventado pelo inveterado inimigo da Bíblia e do povo judeu, o imperador Adriano. —  Foto/Reprodução.

Publicado no Conexão Notícia Atualizado em 17.abril.2024.

Mundo Cristão Durante os últimos séculos, o mundo, inclusive os cristãos, adotou um hábito ruim. Caímos na armadilha de uma antiga propaganda romana. Temos usado o nome “Palestina”, que foi colocado no país de Israel pelo imperador romano Adriano no ano de 135 d.c. Como essa denominação foi usada durante tanto tempo, esse nome se tornou de uso comum. Porém, ele é tão incorreto quanto seria chamarmos a Rússia de hoje de “União Soviética”, ou nos referirmos atualmente a Berlim como “Alemanha Oriental”.

O uso de “Palestina” na atual propaganda política
Está acontecendo agora uma guerra de propaganda política com o termo “Palestina”. Em um dado momento no passado, pode-se afirmar que “Palestina” era uma designação inócua da área do Oriente Médio que é geralmente entendida como a Terra Santa. Durante as últimas décadas, entretanto, o termo “Palestina” foi adotado pelos árabes que moram em Israel para designar a área a oeste do rio Jordão. O termo é usado especificamente para evitar o uso do nome Israel, e deve ser considerado um termo anti-Israel. Em todos os mapas publicados na Jordânia, no Egito, etc., a área a oeste do Rio Jordão é denominada Palestina, sem qualquer referência a Israel. A Palestina é o termo usado agora por aqueles que querem negar a legítima existência de Israel como uma nação genuína dentre a família das nações.

O termo agora adotado pela entidade política dentro de Israel que está gradativamente obtendo mais e mais porções de território através do “processo de paz” é Autoridade Palestina (AP). Embora tenha que tratar diariamente com os documentos oficiais israelenses, a AP odeia usar o termo Israel em qualquer uma de suas comunicações.
-
-
Portanto, “Palestina” deve agora ser considerado um termo de propaganda política com implicações maciçamente anti-Israel. A imprensa mundial usa o termo para questionar a legitimidade do Israel moderno. Os cristãos também têm usado o termo Palestina há séculos para se referirem à Terra Santa. Em tempos passados, isso poderia ser desculpado (embora biblicamente questionável) por causa de seu uso comum. Todavia, à luz da atual guerra de propaganda política contra Israel, os cristãos devem reavaliar o termo “Palestina” e considerar se é um termo bíblica, teológica ou profeticamente correto.

O uso bíblico de “Palestina”
O termo “Palestina”, da forma que foi aplicado à Terra de Israel, foi inventado pelo inveterado inimigo da Bíblia e do povo judeu, o imperador Adriano.

O termo Palestina é raramente usado no Antigo Testamento, e quando é usado, refere-se especificamente à área costeira a sudoeste de Israel ocupada pelos filisteus. É a tradução da palavra hebraica “Pilisheth”. O termo nunca é usado para se referir a toda a área de Israel. Antes que Israel se estabelecesse na terra, seria geralmente correto dizer que a área costeira a sudoeste era denominada Filístia (o Caminho dos Filisteus, ou Palestina), enquanto que as áreas centrais mais altas eram denominadas Canaã. Tanto os cananeus quanto os filisteus haviam desaparecido como povos distintos pela época do cativeiro de Judá em Babilônia (586 a.C.), e já não mais existem.

No Novo Testamento, o termo Palestina não é usado nenhuma vez. O termo Israel é essencialmente usado para se referir ao povo de Israel, em vez de se referir à Terra. Contudo, em pelo menos duas passagens, Israel é usado para se referir à Terra:

“...um anjo do Senhor apareceu em sonho a José, no Egito, e disse-lhe: Dispõe-te, toma o menino e sua mãe e vai para a terra de Israel; porque já morreram os que atentavam contra a vida do menino. Dispôs-se ele, tomou o menino e sua mãe e regressou para a terra de Israel” (Mt 2.20-21).

“Quando, porém, vos perseguirem numa cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que não acabareis de percorrer as cidades de Israel, até que venha o Filho do Homem” (Mt 10.23).

A primeira passagem aconteceu quando José, Maria e Jesus retornaram do Egito para Israel; e a segunda refere-se à proclamação do Evangelho por toda a Terra de Israel. O anjo que falou a José, Mateus e Jesus usam o termo Israel com referência à Terra Santa, embora esse termo não fosse reconhecido pelas autoridades romanas naquela época.

Fica claro, então, que a Bíblia nunca usa o termo Palestina para se referir à Terra Santa como um todo, e que os mapas bíblicos que se referem à Palestina no Antigo e no Novo Testamento são, na melhor das hipóteses, imprecisos, e, na pior das hipóteses, são uma negação consciente do nome bíblico de Israel.
-
-
A história do termo “Palestina”
Onde se originou o termo “Palestina”? Como foi que o mundo e a Igreja adotaram o hábito de chamar a terra de Israel de “Palestina”? Um dos guias em nossas turnês a Israel é Zvi Rivai, um israelense cristão messiânico, que já fez consideráveis pesquisas sobre o assunto. Zvi nos informa que, antes do ano 135 d.C., os romanos usavam os termos Judéia e Galiléia para se referir à Terra de Israel. Quando Tito destruiu Jerusalém no ano 70 d.C., o governo romano cunhou uma moeda com a inscrição Iudea Capta, querendo dizer “a Judéia foi capturada”. O termo “Palestina” nunca foi usado nas designações romanas antigas.

Nunca houve uma Palestina na época de Jesus. Esta é uma grave identificação incorreta. Seria algo como olhar um moderno mapa do estado do Texas com o título “O México no Século XX”. —  Foto/Reprodução.

Foi apenas quando os romanos aniquilaram a segunda revolta dos judeus contra Roma, liderada por Bar Kochba, em 135 d.C., que o imperador Adriano aplicou o termo “Palestina” à Terra de Israel. Adriano, como muitos ditadores de seu tempo, percebeu o poder da propaganda política dos termos e dos símbolos. 

Ele substituiu os santuários do Templo Judeu e do Sepulcro de Cristo em Jerusalém por templos a deidades pagãs. Ele mudou o nome de Jerusalém para Aelia Capitolina, e mudou o nome de Israel e da Judéia para Palestina. A escolha do termo Palestina por Adriano foi proposital, não acidental. Ele tomou o nome dos antigos inimigos de Israel, os filisteus, latinizou o termo para Palestina, e aplicou-o à Terra de Israel. Ele esperava apagar o nome de Israel de todas as memórias. Desse modo, o termo “Palestina”, da forma que foi aplicado à Terra de Israel, foi inventado pelo inveterado inimigo da Bíblia e do povo judeu, o imperador Adriano.

É interessante observar que os filisteus originais não eram, de forma nenhuma, do Oriente Médio. Eram povos europeus do Mar Adriático próximo à Grécia. Deve ter dado prazer a Adriano usar esse termo helenista para a terra dos judeus. De qualquer modo, o termo original “palestinos” não tem absolutamente nada a ver com os árabes.

A adoção do termo “Palestina” pelos cristãos
Um dos primeiros usos do termo “Palestina” é encontrado nos trabalhos de Eusébio, o historiador da Igreja, que vivia em Cesaréia. Ele escreveu em torno do ano 300 d.C., uma vez que a perseguição romana aos cristãos estava terminando e o imperador Constantino começava a aceitar o cristianismo como legal. 

Eusébio não aceitou a designação Aelia Capitolina que Adriano deu a Jerusalém, mas usou o termo “Palestina”. O próprio Eusébio considerava ser um dos bispos da Palestina. Assim, o nome anti-Israel e anticristão de “Palestina” foi assimilado ao vocabulário da Igreja à medida que o Império Bizantino ia sendo estabelecido.
-
-
Desde aquela época, a Igreja tem usado amplamente o termo “Palestina” na literatura e nos mapas para se referir à Terra de Israel. Não obstante, deve-se observar que as Cruzadas chamavam sua terra de Reino de Jerusalém. Entretanto, quando os britânicos receberam o mandato, depois da Primeira Guerra Mundial, eles chamavam os dois lados do rio Jordão de Palestina. Esse se tornou um termo geopolítico aceito por várias décadas, e aqueles que viviam naquela terra eram chamados de palestinos, sendo eles judeus, árabes ou europeus.

Até mesmo cristãos evangélicos que crêem no futuro de Israel têm usado o termo “Palestina”. No final de muitas bíblias há mapas intitulados “A Palestina no Tempo de Jesus”. Nunca houve uma Palestina na época de Jesus. Esta é uma grave identificação incorreta. Seria algo como olhar um moderno mapa do estado do Texas com o título “O México no Século XX”.

Parece que os cristãos que crêem na Bíblia, seja consciente ou inadvertidamente, têm seguido o mundo, os pagãos e os que odeiam Israel ao chamarem Israel pelo nome anti-Israel de “Palestina”. Esse nome é encontrado em muitos mapas bíblicos, em comentários bíblicos e em livros-texto.

A designação adequada da terra
O uso do termo “Palestina” foi inadequado biblicamente e errado em toda a era da Igreja. Contudo, é mais do que apenas errado, é devastador quando, em nossos dias, o termo “Palestina” é a pedra de esquina da guerra da propaganda política contra Israel e contra o povo judeu. Será que queremos usar termos inventados por aqueles que odeiam a Cristo, a Bíblia e Israel? Será que queremos utilizar termos usados pelos inimigos de Israel que desejam realizar nada menos do que a destruição do povo judeu? Acho que não!

Os cristãos deveriam usar a terminologia da Bíblia sempre que possível. Por que não voltamos aos termos usados no Novo Testamento? Os escritores dos Evangelhos usaram o termo “Israel” para se referirem à Terra Santa. Por que deveríamos usar qualquer outro termo quando nos referimos à Terra Santa, especialmente agora que os judeus estão de volta a ela e se restabeleceram como a nação de Israel dentre a família das nações?


À medida que nos aproximamos da Segunda Vinda de Cristo, devemos entender que a fúria de Satanás contra a Igreja e contra Israel irá crescer exponencialmente. Satanás odeia o Evangelho do Messias crucificado e ressurreto, e odeia a realidade da restauração de Israel como nação que finalmente receberá Jesus como Messias em Seu retorno, e a nação que será o quartel-general terreno de Cristo. O único termo que devemos usar para a Terra Santa é Israel, ou suas subdivisões: Judéia, Samaria e Galiléia. Deveríamos empreender todos os esforços para remover o termo “Palestina” de nossos mapas bíblicos e de nossos livros-texto, e usar apenas termos bíblicos com referência à Terra Santa de Israel. (Thomas S. McCall, Th.D. - Pre-Trib Research Center -http://www.beth-shalom.com.br)

Thomas S. McCall, Th.D.
-
-
Divulgação do CN - Conexão Notícia.
O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Compartilhe as nossas notícias em suas redes sociais!

Tecnologia do Blogger.