Redes Sociais

Header Ads

+Juristas evangélicos poderão ter mais voz na ONU em 2020

o jurista Uziel Santana, presidente da Anajure, têm denunciado diversas violações de direitos humanos até mesmo em escala internacional. Foto/Reprodução.

Juristas evangélicos poderão ter mais voz na ONU em 2020

No dia 20 de janeiro, a ANAJURE estará representada no Comitê da ONU para avaliar candidaturas de ONGs.

O ano de 2020 pode ser um tempo de mudanças no cenário mundial. É o que espera a Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). O grupo havia solicitado ainda 2017 um status consultivo na ONU, o que permitiria discursar em reuniões oficiais, submeter informes em diferentes organismos e organizar debates.

Segundo informou a coluna do jornalista Jamil Chade na UOL, a solicitação da Associação tem sido vista com bons olhos pelo governo Bolsonaro, considerando que o grupo apoia as mudanças defendidas atualmente pelo Itamaraty na agenda internacional em assuntos relacionados a temas como direitos humanos, sexualidade e outros aspectos da política externa.

Já no dia 20 de janeiro, representantes da Anajure estarão no comitê da ONU sobre ONGs. O governo brasileiro é um dos 19 participantes do órgão que avalia a candidatura das ONGs.

Um dos principais promotores que têm denunciado diversas violações de direitos humanos até mesmo em escala internacional a isso é o jurista Uziel Santana, presidente da Anajure.

Ele explicou que tem realizado um trabalho com refugiados em países do Oriente Médio e trabalhado em coordenação com o Alto Comissariado da ONU para Refugiados, no Brasil.

Veja também:
Mãe e filho são curados milagrosamente de cirrose e hepatite B: “Foi o poder de Deus” 
Cristãos enfrentam perseguições severas na Arábia Saudita 
Grupo de 20 cristãos é preso na Eritreia 
Cristãos têm culto interrompido e lutam pelo direito de se reunir novamente, na Indonésia 
Juristas evangélicos poderão ter mais voz na ONU em 2020 
Jovem com Síndrome de Down é palestrante, poliglota e campeão de natação e golfe 

Segundo a associação, apesar de ter conseguido agora o apoio do governo Bolsonaro para obter este espaço, sua atuação não pretende ser associada a partidos.

"Nossa ação é independente de qualquer governo", disse o grupo. Como prova disso, a entidade destaca como emitiu um comunicado contrário a uma proposta do próprio governo e a pareceres da AGU.

Fonte:  Guia-me / com informações da UOL / Publicado no Conexão Notícia em 12/02/2020.


Postar um comentário

0 Comentários