Redes Sociais

Header Ads

Trump ‘não está interessado’ em reabrir negociações comerciais com a China

  O presidente Donald Trump fala durante uma coletiva de imprensa sobre os testes do vírus do PCC no jardim de rosas da Casa Branca em 11 de maio de 2020. —  Foto/Reprodução/Drew Angerer / Getty Images.


Trump ‘não está interessado’ em reabrir negociações comerciais com a China
Fonte:  Epoch Times, Emel Akan —  Publicado no CN - Conexão Notícia em 15.maio.2020.   
INTERNACIONAL WASHINGTON – O presidente Trump disse em 11 de maio que se opõe à renegociação dos termos do acordo comercial “fase um” da China assinado em meados de janeiro, depois que Pequim solicitou a reabertura das negociações comerciais para facilitar os termos.

Durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca, Trump descartou a possibilidade de renegociações com Pequim.

“Eu não estou interessado. Assinamos o acordo”, ele disse. “Eu também ouvi isso – eles gostariam de reabrir a conversa sobre comércio para torná-la um acordo melhor para eles”.

“Vamos ver se eles cumprem o acordo que assinaram”.

Um jornal estatal chinês, o Global Times, informou em 11 de maio que alguns assessores do governo chinês estavam adotando a ideia de invalidar o pacto e começar de novo com Washington, segundo a Reuters.

Trump disse: “A China se aproveita dos Estados Unidos há muitos, muitos anos, há décadas, porque tínhamos pessoas nesta posição, bem aqui onde estou, sentado naquele escritório, o Salão Oval, que permitia que isso acontecesse”.

Veja também:
Covid-19: China suspende importação de carnes de quatro empresas da Austrália 
Amazonas: profissionais de saúde estão impedidos de trabalhar por causa da burocracia
Passa de 1,5 milhão o número de curados de Covid-19 em todo o mundo
Lava Jato prende ex-presidente da Alerj por fraudes na saúde no RJ
Esquecidos: Agentes de Saúde são peças fundamentais no combate ao Coronavírus
Auxílio Emergencial: Líder do Governo avisa sobre a possibilidade de prorrogação
Pernambuco: Área da saúde lidera nas denúncias de trabalho no MPT-PE
Câmara aprova destinar R$ 9 bi de fundo extinto para o combate à Covid-19
PE restringe circulação de pessoas e implanta rodízio de veículos em 5 cidades
Senadores querem pensão especial para profissionais que atuam contra covid-19
COVARDIA: Agente de saúde é derrubada da moto, agredida e ameaçada 

Em depoimento, Valeixo diz que Bolsonaro nunca pediu acesso a investigações

As tensões entre as duas maiores economias do mundo aumentaram recentemente devido ao manejo inadequado do surto de COVID-19 na China e ao não cumprimento de suas metas de compra no acordo comercial.

Na semana passada, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin e o representante comercial dos EUA Robert Lighthizer realizaram uma teleconferência com o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, para discutir o progresso na implementação do pacto da fase um.

Após a chamada, o Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR) declarou: “Ambos os lados concordaram que está sendo feito um bom progresso na criação das infra-estruturas governamentais necessárias para tornar o acordo um sucesso. Eles também concordaram que, apesar da atual emergência mundial da saúde, os dois países esperam cumprir suas obrigações nos termos do contrato em tempo hábil. ”

O acordo da fase um, que entrou em vigor em meados de fevereiro, exige que Pequim importe US$ 200 bilhões em bens e serviços adicionais dos EUA nos próximos dois anos.

Os dados comerciais do primeiro trimestre mostram que a China está muito atrás do ritmo necessário para atingir sua meta de compra. A China, por exemplo, precisa importar pelo menos US $80 bilhões em produtos agrícolas dos EUA nos próximos dois anos. Nos primeiros três meses, a China comprou apenas US$ 5,1 bilhões em produtos agrícolas. Para satisfazer o acordo, Pequim deve acelerar suas compras nos próximos meses, segundo especialistas.

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) considerou o progresso da China “muito decepcionante”.

“Em particular, a China adquiriu importações de outros fornecedores este ano e nossa participação no mercado de vários produtos diminuiu em relação aos níveis de 2017, apesar do acordo da fase um”, disse um porta-voz do USDA ao Epoch Times.

A China concedeu isenções de tarifas em setembro passado a produtos agrícolas dos EUA, como soja e carne de porco, além de produtos petroquímicos.

Em 12 de maio, Pequim anunciou o segundo lote de isenções tarifárias para 79 produtos dos EUA, incluindo “minérios de terras raras, equipamentos de radar para aeronaves, peças de semicondutores, desinfetantes médicos e uma variedade de metais preciosos, produtos químicos e petroquímicos”, de acordo com Morning Post do Sul da China. A isenção, que começa na próxima semana, será válida por um ano.

O USTR em março também concedeu exclusões tarifárias a vários produtos e equipamentos de saúde da China, como ventiladores, máscaras de oxigênio, máscaras respiratórias e nebulizadores, para ajudar nos esforços de socorro do COVID-19.

Trump expressou repetidamente decepção com as compras da China e ameaçou “encerrar” o acordo se Pequim não cumprir suas promessas.

Ele disse em 6 de maio que reportaria “dentro de uma ou duas semanas” se está satisfeito com o progresso da China.

A posição dura do presidente em relação à China também se tornou uma questão central em sua campanha de reeleição.

Em 12 de maio, um comitê de angariação de fundos para a campanha de Trump enviou um e-mail aos apoiadores pedindo doações para “romper o filtro das Fake News e expor Sleepy Joe como o candidato MENTIROSO que ama a China”.

“A China está sonhando que Joe seja eleito em novembro – eles adoram roubar a América e ele tornaria isso muito mais fácil para eles”, afirmou o email.

Você sabia que somos independentes?

O Epoch Times é independente de qualquer influência de empresas, governos ou partidos políticos. Nosso único objetivo é levar aos leitores informações precisas e ser responsáveis ​​perante o público.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia em funcionamento.


Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 






Postar um comentário

0 Comentários