Redes Sociais

Header Ads

Cofen vai à Justiça para preservar profissionais integrantes dos grupos de risco

  A ação destaca que a equipe de Enfermagem está muito suscetível à contaminação. —  Foto/Reprodução Pedro Ventura/Agência Brasília.


Cofen vai à Justiça para preservar profissionais integrantes dos grupos de risco
Fonte: Ascom - Cofen  —  Publicado no CN - Conexão Notícia em 11.maio.2020.   

Ação pede afastamento desses profissionais de funções que exijam contato direto com pacientes com suspeita de COVID-19.

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) ingressou no mês passado (17/04) com ações civis públicas frente à União e os hospitais privados para garantir o afastamento dos profissionais de Enfermagem integrantes do grupos de risco das funções que exijam contato direto com casos confirmados ou suspeitos de COVID-19.

“Profissionais de Enfermagem são seres humanos, não máquinas. Diante da pandemia de COVID-19, é desumano forçar integrantes de grupos de maior risco a permanecer na linha de frente, sob grave risco de vida, potencializado ainda mais pela escassez de equipamentos de proteção individuais (EPIs)”, afirma o presidente do Cofen, Manoel Neri. As diretrizes do Cofen para organização dos serviços de Saúde durante a pandemia preconizam que esses profissionais devem permanecer na retaguarda, em funções administrativas, que também são imprescindíveis.

Veja também:
Sem pedir permissão, centenas de igrejas da Califórnia planejam reabrir em 31 de maio
Itália inicia tratamento em massa com o uso precoce de hidroxicloroquina
Confira as histórias de pessoas lutam contra o desemprego em meio à pandemia 
Inglaterra substitui o slogan “fique em casa” por “fique alerta”
Partidos já vão atrás de Moro por 2022
Moraes mantém suspensão da nomeação de Ramagem para chefia da PF
Veja as cidades que não têm nenhum caso confirmado de Covid-19 no ES 
Médico contesta eficiência do isolamento em ato público e é contestado pela Ufes 
População passa fome, mas prefeituras não dialogam, denunciam entidades

A ação destaca que a equipe de Enfermagem está muito suscetível à contaminação, devido a sua atuação “no acolhimento, detecção e avaliação das situações suspeitas de contágio do coronavírus, não apenas em razão da capacidade técnica deste profissional, mas também por representar a maior categoria atuante na área de saúde, seja em instituições públicas ou privadas, e ser o único profissional presente na assistência direta 24h por dia junto ao paciente, compondo, portando, a linha de frente no combate e controle da propagação do COVID- 19”.

Para a procuradora do Cofen, Tycianna Monte Alegre, é fundamental fazer distinção entre os grupo de risco e os trabalhadores jovens e saudáveis. A Medida Provisória 927, editada em 22 de março pelo presidente Jair Bolsonaro, agrava a exposição, ao permitir a prorrogação da jornada de trabalho e redução dos intervalos de descanso obrigatórios para profissionais de Saúde.

Observatório do Cofen contabiliza 32 mortes suspeitas de profissionais de Enfermagem, associadas à COVID-19, além de 4.806 denúncias referentes à ausência, insuficiência ou inadequações dos EPIs. Fiscalizações realizadas pelos Conselhos de Enfermagem em 3.213 instituições confirmou a existência de problemas em 90% das unidades.

Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 






Postar um comentário

0 Comentários