Redes Sociais

Header Ads

Rio Grande do Sul: Polícia Federal deflagra segunda fase da Operação Para Bellum

É para investigar compra fraudulenta de respiradores pulmonares —  Foto/Reprodução.  


Rio Grande do Sul: Polícia Federal deflagra segunda fase da Operação Para Bellum
Fonte:  Agência Brasil, Pedro Peduzzi —  Publicado no  CN em 23.jun.2020. 

Polícia Federal | A Polícia Federal deflagrou hoje (23), no Rio Grande do Sul, a segunda fase da operação Para Bellum, que investiga em tese a compra fraudulenta de respiradores pulmonares no Pará. Chamada de Operação Matinta Perera, esta etapa cumpre ordens judiciais expedidas pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça, Francisco Falcão.

Cerca de 25 agentes cumprem sete mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao secretário de Saúde do Pará, Alberto Beltrame, localizados nos municípios gaúchos de Porto Alegre e Xangri-Lá.

A Operação Para Bellum investiga supostos desvios de recursos públicos que envolvem crime de fraude em licitação na compra de centenas de respiradores pelo estado do Pará. Os respiradores são usados por pacientes com o novo coronavírus (covid-19).

VEJA TAMBÉM: 
Prefeitura do Recife: Faxineira era sócia da empresa do contrato de R$ 81 milhões
PE: Prefeitos e Gestores são intimados pelo TCE a prestar informações sobre pessoal
Coronavírus: paciente no Piauí testa positivo semanas após recuperação
Ministério da Saúde prorroga campanha de vacinação contra a gripe até 30 de junho
PF alerta sobre novo golpe no Whatsapp que promete auxílio “vale-gás”
Senado aprova suspensão de parcelas de empréstimo consignado 
Saiba como cada estado está retomando as atividades econômicas no país
+“Querem prender os que vão à igreja, mas não os que queimam igrejas”, diz Trump

Segundo informou a Polícia Federal ao anunciar a operação no início do mês, o valor total do contrato por 400 unidades foi de R$ 50,3 milhões, dos quais R$ 25 milhões chegaram a ser pagos por equipamentos que não serviam para o tratamento da covid-19 e acabaram devolvidos.

A suspeita do Ministério Público Federal (MPF) é que os respiradores foram comprados de uma empresa sem registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), com preços superfaturados em 86,6%. A compra foi feita com base em decreto que regulamenta as contratações emergenciais feitas em meio à pandemia.

Edição: Kleber Sampaio




Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 







Postar um comentário

0 Comentários