Redes Sociais

Header Ads

George Floyd estava infectado com novo coronavírus, revela autópsia

 Autópsia oficial de George Floyd conclui que afro-americano foi assassinado por um polícia. —  Foto/Reprodução/AFP.  


George Floyd estava infectado com novo coronavírus, revela autópsia
Fonte:   IN Direto (Portugal) —  Publicado no  CN em 04.jun.2020.  


Mundo Exame de necropsia, contudo, indicou que a Covid-19 não foi um fator para sua morte; assassinato do americano provocou protestos nos EUA.

Uma autópsia completa a George Floyd foi divulgada na quarta-feira e fornece novos detalhes, entre eles o afro-americano morto às mãos da polícia dos EUA testou positivo à covid-19 em abril.

O relatório de 20 páginas divulgado pelo Departamento de Medicina Legal do condado de Hennepin foi divulgado com a permissão da família e depois do médico legista ter revelado conclusões sumárias na segunda-feira, concluindo que Floyd teve um ataque cardíaco ao ser imobilizado pela polícia e classificando a sua morte a 25 de maio de homicídio.

 Manifestante segura cartaz com rosto de George Floyd durante protesto em Nova York . —  Foto/Reprodução/Caitlin Ochs/Reuters.  

O relatório revelou que Floyd testou positivo para a covid-19 a 3 de abril, mas que parecia assintomático. No relatório também se observa que os pulmões de Floyd pareciam saudáveis, mas apresentava um estreitamento das artérias no coração.

O anterior relatório, mais resumido, listou intoxicação por fentanil (um opiáceo) e uso recente de metanfetaminas, mas sem relacionar este dado com a causa de morte. As notas de rodapé do relatório completo observaram que os sinais de toxicidade do fentanil podem incluir "depressão respiratória grave" e convulsões.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem.

VEJA TAMBÉM:
Época - Pesquisa revela pessimismo entre médicos sobre pico de casos de coronavírus
Pastor lidera multidão em queima de máscaras: ‘Deus não se agrada de medrosos’
RedeTV! Saiba como contestar resultado do cadastro do auxílio emergencial
Agentes comunitários de saúde reclamam da falta de equipamentos de proteção 
Evangélico do PSOL ajudou organizar protesto de torcidas que terminou em tumulto
Hackers expõem dados pessoais da família Bolsonaro e de aliados
Covid-19: quais as recomendações sobre as ações de Vigilância à Saúde pela APS?
Pesquisa Datafolha indica que 67% diz que têm orgulho de ser brasileiro
Senado faz consulta pública sobre o limite de barulhos emitidos por igrejas
Amazonas iniciou a retomada gradual de atividades não essenciais
Globo prepara nova lista de demissões e gera temor entre os funcionários

Pelo menos nove mil pessoas foram detidas desde o início dos protestos, e as autoridades impuseram recolher obrigatório em várias cidades, incluindo Washington e Nova Iorque, com o Presidente a ameaçar mobilizar os militares para pôr fim aos distúrbios nas ruas.

Os quatro polícias envolvidos foram despedidos, e o agente Derek Chauvin, que colocou o joelho no pescoço de Floyd, foi acusado de homicídio em segundo grau, arriscando uma pena máxima de 40 anos de prisão.

Os restantes vão responder por auxílio e cumplicidade de homicídio em segundo grau e por homicídio involuntário.

A morte de Floyd ocorreu durante a sua detenção por suspeita de ter usado uma nota falsa de 20 dólares (18 euros) numa loja.





Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários