Redes Sociais

Header Ads

Agentes comunitários do DF estão sendo capacitados para rastrear hanseníase.

Os Agentes comunitários de Saúde da Região Sudoeste conheceram mais sobre a doença. —  Foto/Reprodução.

Agentes comunitários do DF estão sendo capacitados para rastrear hanseníase.
Publicado no Conexão Notícia em 26.jul.2020. 

Agentes de Saúde |  Conhecida popularmente como lepra, a doença tem diagnóstico difícil e, mesmo depois de curada, pode voltar.

Em todas as regiões de saúde, os agentes comunitários de saúde (ACS) de todo o DF estão participando de uma oficina para controle e enfrentamento da hanseníase, também conhecida como lepra. 

Na quarta-feira (15), os ACS da Região Sudoeste conheceram mais sobre a doença e ouviram o depoimento de Marli de Fátima Barbosa Araújo, integrante do Grupo de Apoio às Mulheres Atingidas pela Hanseníase e coordenadora da oficina.
“Os médicos levaram sete anos para chegar ao meu diagnóstico e fazer o tratamento correto”, contou a líder social, que já está curada da doença. “Quando um paciente é diagnosticado, todas as pessoas do convívio próximo devem ir ao médico para verificar se mais alguém tem a doença e precisa tratamento. No meu caso, os parentes daqui do DF e do Ceará fizeram os exames e ninguém foi diagnosticado.”
O depoimento de Marli foi fundamental para os participantes dessa capacitação “Tirou muitas dúvidas que eu tinha sobre a cura, esclarecendo que, depois da cura, a pessoa pode voltar a pegar hanseníase outras vezes”, conta a ACS Elane Vasconcelos, da Unidade Básica de Saúde (UBS) 7 de Samambaia. “Ela falou sobre os encaminhamentos que temos de fazer, e isso ajudou muito”.

VEJA TAMBÉM:
SC: Projeto em perfil alimentar tem agente comunitário de saúde como pesquisado
A importância dos Agente Comunitário de Saúde no enfrentamento à Covid-19
Pará: Prefeitura garante reajuste salarial, material e uniforme a agentes comunitários
Ceará: Sindicato dos agentes de saúde garante conquista de Ação Anuênio para filiados
Municípios receberão até R$ 500 milhões por desempenho nos serviços da AP
Relatos da vida de um Agente Comunitário de Saúde
Fortaleza/CE: Sai listagem dos ACS/ACE que terão Licença Prêmio
Ministério da Saúde requer que em agosto a cobertura do cadastramento seja de 70% 
MS: Secretaria de Saúde entrega kit de uniformes a Agentes de Saúde (ACS/ACE) 
Agente de endemias diabético consegue vencer a covid-19 após 30 dias entubado
SINDACS/Bahia faz entrega de máscaras faciais à categoria 

De acordo com Marli, o diagnóstico da hanseníase exige observação apurada. “Nem sempre é possível identificar por meio de uma mancha, e outros sintomas precisam ser observados”, explica. “O exame clínico é muito mais importante do que o laboratorial, porque não há um teste específico para a hanseníase. Atualmente, no DF, mais de 80% dos casos são identificados tardiamente”.

Marli também esclareceu aos agentes que o contágio não se dá pelo toque nem por uma única visita, pois o contato deve ter certa frequência. “Lembrem-se que estamos trabalhando para que nossos familiares, amigos e colegas não adoeçam. Estamos fazendo pelos que amamos”, concluiu.

Todas as oficinas estão sendo ministradas por Marli em preparação para a Campanha de Enfrentamento da Hanseníase no DF, a ser realizada do dia 20 deste mês (segunda-feira) a 10 de março. Um consultório itinerante passará por 13 regiões administrativas com médicos e profissionais da saúde especializados no diagnóstico da doença.

A hanseníase é causada pelo bacilo Micobacterium leprae, transmitido pelas vias aéreas, por meio de espirros, tosse e até pela fala. Não há um grupo social mais vulnerável, e o contágio pode acontecer dentro de casa, no trabalho ou no convívio social prolongado.

O tratamento da doença é feito por medicamentos dispensados somente pela rede pública de saúde. A medicação interrompe a transmissão do bacilo 72 horas após a ingestão. Dependendo do estágio da doença ao ser diagnosticada, o tratamento pode levar de seis meses a um ano, ou mais.

Redação Jornal de Brasília com informações da Agência Brasília.  


Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 


Postar um comentário

0 Comentários