Redes Sociais

Header Ads

Ataques muçulmanos de Fulani na Nigéria deslocam missionários locais

Cinco missionários nativos e suas famílias precisaram fugir após uma sequência de três dias de ataques—  Foto/Reprodução.

Ataques muçulmanos de Fulani na Nigéria deslocam missionários locais
Publicado no Conexão Notícia em 14.ago.2020.  

Mundo Cristão | Missionários locais e suas famílias estavam entre as 1.900 famílias que fugiram de suas casas quando pastores Fulani fortemente armados invadiram vilas predominantemente cristãs no estado de Kaduna, no sul da Nigéria, no mês de julho deste ano.

O massacre de homens, mulheres e crianças cristãos pelos Fulanis acelerou nas últimas semanas a níveis sem precedentes,  com uma série de ataques de três dias deslocando cinco missionários nativos e suas famílias, disse o líder de um ministério nativo.

“A matança de cristãos no sul de Kaduna por assassinos muçulmanos não tem precedentes. Nós perdemos muito, e de novo, e nossos missionários estão sendo perseguidos. Perdemos tudo", contou o líder.

Além da liberdade de viver na aldeia, os missionários perderam seus pertences nos ataques, incluindo cinco motocicletas, materiais infantis e todos os pertences domésticos. “Os militantes Fulani se movem livremente, assassinando, aterrorizando e limpando etnicamente à vontade; ninguém nunca é preso! ”, desabafa ele para a Christian Aid Mission.

O estado de Kaduna do norte, que é governado pela sharia (lei islâmica), é predominantemente muçulmano de etnia Fulani, e Kaduna do sul é um aldeia composta por agricultores cristãos de vários grupos étnicos.

Elizabeth Kendal relatou no Boletim de Oração por Liberdade Religiosa que somente em julho, mais de 120 aldeões, em sua maioria cristãos, foram baleados, hackeados ou queimados até a morte, muitas vezes em suas camas. "Muitos mais foram feridos”, escreveu ela. “Milhares de moradores foram deslocados e agora estão sendo cuidados em campos administrados por igrejas. Apesar de as regiões do sul estarem sob um toque de recolher de 24 horas, os militantes Fulani se movem livremente, assassinando, aterrorizando e limpando etnicamente à vontade; ninguém nunca é preso! Nem o governo nem os serviços de segurança parecem dispostos ou capazes de fornecer segurança. ”

 Na noite de 19 de julho, pastores Fulani com armas e facões atacaram Kukum Daji, no condado de Kaura, no sul de Kaduna, matando 18 e ferindo 31, informou o Morning Star News. Alguns dos mortos estavam participando de uma recepção de casamento que estava ocorrendo na época. Foi um dos vários ataques no Condado de Kaura naquela noite.

VEJA TAMBÉM:
Homem paralisado por 9 anos volta a andar após entregar sua vida a Jesus
Bíblia resiste a incêndio em shopping de Maringá e impacta funcionária: `Deus é Deus´
Homem louva a Deus após tempestade `rasgar´ sua casa e não ferir sua família
Cristãos são impedidos de construir igreja no México
Os 5 grupos extremistas que mais perseguem cristãos
Igrejas são confiscadas pelo governo do Cazaquistão
Igreja Batista tem 14 mortos após ataque na Nigéria
EUA: Billy Graham ganhará homenagem no Capitólio
Pastor preso por dizer que orações podem curar leva prisioneiros à fé em Cristo

Na cidade predominantemente cristã de Zikpak, condado de Jema'a, 10 pessoas foram mortas em um ataque muçulmano Fulani, em 24 de julho, incluindo Joel Cephas, de 5 anos, e o pastor Shamah Kuyet Ishaya da Igreja Evangélica Winning All, de acordo com Morning Star News.

Pastores Fulani matam mais que Boko Haram

Os jihadistas Marauding Fulani mataram 812 cristãos nos primeiros seis meses do ano, a maioria deles no centro-norte da Nigéria, de acordo com a Sociedade Internacional para Liberdades Civis e Estado de Direito (Intersociety), com sede na Nigéria.

Durante o mesmo período, o Boko Haram e seu grupo dissidente, a Província do Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP), mataram 390 cristãos. Assim, o número total de cristãos mortos na Nigéria por terroristas jihadistas, incluindo pastores Fulani, no primeiro semestre do ano foi de 1.202, de acordo com a Intersociety.

“Nossas estatísticas detalhadas, coletadas em todo o país a respeito da morte de cristãos indefesos por pastores jihadistas Fulani apoiados pelo estado nos últimos seis meses de 2020, indicaram claramente que o sul de Kaduna liderou a lista com 202 mortes, envolvendo 143 mortos na comunidade de Adara e mais de 56 assassinados em outras comunidades cristãs no estado ”, relatou a Intersociety.

O estado de Plateau teve o segundo maior número de mortes por ataques de Fulani com 158, seguido pelo estado de Benue com 142 mortes, Kogi e Adamawa com 40 mortes cada e Taraba, Níger e Nasarawa com 30 mortes cada, de acordo com a Intersociety.

Crise

“Pedimos a todos que venham em nosso resgate”, disse o líder do ministério nativo à Christian Aid Mission. “Continuamos tendo essas emergências e parece que o governo não está prestando atenção à situação difícil de nosso povo.”

O líder afirma que o ministério precisa de ajuda, para as cinco famílias missionárias locais e outras pessoas deslocadas pelos ataques muçulmanos Fulani no sul do estado de Kaduna, para reassentá-los e fornecer-lhes os meios para se recuperar as suas perdas. Ele também fala da necessidade de adquirirem novas motos, já que perderam as que tinham, por conta dos ataques, e também mostra preocupação com os funcionários do ministério. Muitos deles sofreram o mesmo no ano passado, e com o período de pandemia, prestar ajuda tem sido mais difícil.

A necessidade urgente dos deslocados surge depois que o ministério passou meses realocando outras pessoas em Taraba e outros estados, incluindo ex-muçulmanos que perderam seus meios de sustento por terem colocado sua fé em Cristo, disse ele.

“Ajude nosso povo. Ajude nossos conversos e ajude nosso povo não alcançado. Isto é urgente", pediu o missionário.

A Christian Aid Mission arrecada doações para a ajudar os deslocados pela violência extremista islâmica, incluindo missionários locais e suas famílias.

Com informações Christian Aid Mission 
Foto: Christian Aid Mission



Postar um comentário

0 Comentários