Redes Sociais

Header Ads

HOMENAGEM: Assistentes sociais comemoram seu dia atuando na retaguarda de combate à pandemia de covid-19

  Funpapa conta hoje com um quadro de 103 assistentes sociais. —  Foto/Reprodução/Rede Pará.


HOMENAGEM: Assistentes sociais comemoram seu dia atuando na retaguarda de combate à pandemia de covid-19
Fonte:  Rede Pará —  Publicado no CN - Conexão Notícia em 15.maio.2020.   


Solidariedade O Dia do Assistente Social, comemorado no dia 15 de maio, celebra o profissional de Serviço Social, que atua por melhores condições de vida, saúde e trabalho para a população. No serviço público, o profissional é essencial para a garantia de direitos aos grupos sociais mais desfavorecidos ou em situação de vulnerabilidade social. Como os profissionais de saúde, neste momento de pandemia de covid-19, eles estão a postos para acolher, orientar e socorrer a comunidade.

A assistente social Izabel Calandrine tem papel importante à frente das situações de calamidade pública. Exercendo a profissão há sete anos na Fundação Papa João XXIII (Funpapa), órgão que executa a política de assistência social no município de Belém, nunca imaginou comemorar o Dia do Assistente Social longe dos colegas de profissão e realizando metade dos seus atendimentos por teletrabalho. A transformação da rotina de Izabel foi causada pela pandemia de covid-19.

“Desafiadora. Essa é a palavra que mais se aproxima de nossa realidade atual. Principalmente para nós, que atuamos no Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Nossa prática se concretiza significativamente através do coletivo, por meio de reuniões, grupos, campanhas, rodas de conversa, visitas domiciliares etc. E de repente, diante do atual contexto de pandemia, nos deparamos com a necessidade de um isolamento social, cenário totalmente adverso à nossa prática profissional na Assistência Social”, destaca Izabel, que coordena o Cras Aurá.

Atualmente o quadro funcional da Funpapa é composto por 103 assistentes sociais, profissionais cuja atuação é necessária em situações como a da pandemia de covid-19, em que a defesa de direitos sociais é urgente. Eles trabalham pela igualdade e pelo direito de todos a uma vida socialmente saudável, procurando contribuir para a inclusão social, combatendo a exclusão e promovendo o desenvolvimento e a coesão sociais por meio do fortalecimento e da promoção do indivíduo ou do grupo.

Para assistente social Mariana Coelho, o cenário da pandemia impactou diretamente no trabalho que realiza com idosos. “Por se tratar do grupo de risco, os idosos tiveram que ficar em isolamento domiciliar. Estou entrando em contato com eles e suas famílias, dando orientações sociais, promovendo escuta qualificada e dando orientação de acesso às demais políticas públicas no período de pandemia. Quero desejar a todos os meus colegas de profissão um feliz Dia do Assistente Social que, como nós, em meio à pandemia não estão desistindo de lutar pelos direitos de quem precisa”, diz Mariana, que desempenha sua função no Centro de Convivência da 3ª Idade Zoé Gueiros, atendendo mais de 400 idosos.

Veja também:
Teich deixa o Ministério da Saúde antes de completar um mês no cargo
Trump ‘não está interessado’ em reabrir negociações comerciais com a China
Covid-19: China suspende importação de carnes de quatro empresas da Austrália 
66% dos hospitalizados em Nova York estavam confinados, diz Andrew Cuomo
Amazonas: profissionais de saúde estão impedidos de trabalhar por causa da burocracia
Passa de 1,5 milhão o número de curados de Covid-19 em todo o mundo
Lava Jato prende ex-presidente da Alerj por fraudes na saúde no RJ
Esquecidos: Agentes de Saúde são peças fundamentais no combate ao Coronavírus
Auxílio Emergencial: Líder do Governo avisa sobre a possibilidade de prorrogação
Pernambuco: Área da saúde lidera nas denúncias de trabalho no MPT-PE
Câmara aprova destinar R$ 9 bi de fundo extinto para o combate à Covid-19
PE restringe circulação de pessoas e implanta rodízio de veículos em 5 cidades

Edna Mesquita, de 69 anos, frequentava o Zoé Gueiros todos os dias. “Nunca pensei na minha vida passar por isso que estou passando: ficar isolada, longe da pessoas que a gente ama, das famílias, dos amigos, dos nossos professores do Centro de Convivência Zoé Gueiros. Como costumo dizer para os meus filhos, lá é minha casa, minha vida. Fazemos atividades, brincamos, sinto eles como minha família. Estou sentindo muita falta daquilo tudo. Não tanto porque a professora Andréa envia vídeos de yoga e alongamento. É o que eu faço de vez em quando aqui na minha casa. Esse contato com as professoras ajuda, elas são carinhosas e atenciosas”, conta.

A assistente social Adriana Azevendo, presidente da Funpapa, afirma: “O assistente social tem um papel acolhedor, cuidando pela garantia dos direitos e dando orientação às famílias mais vulneráveis. O momento da pandemia ampliou mais ainda esse comprometimento e, além disso, nos fez lidar com as nossas fragilidades”.

A presidente da Funpapa destaca que, além dos desafios impostos pela pandemia, “vem o medo de uma doença que é invisível, de uma morte iminente”: “Isso é enfrentar os medos pessoais. Assim como os médicos, nós não deixamos de cuidar do outro. E hoje, no Dia do Assistente Social, desejo saúde e sabedoria para todos os profissionais desta área que estão cumprindo seu dever com compromisso, ética e atuando de acordo com a política de assistência social”.O Dia do Assistente Social, comemorado no dia 15 de maio, celebra o profissional de Serviço Social, que atua por melhores condições de vida, saúde e trabalho para a população. No serviço público, o profissional é essencial para a garantia de direitos aos grupos sociais mais desfavorecidos ou em situação de vulnerabilidade social. Como os profissionais de saúde, neste momento de pandemia de covid-19, eles estão a postos para acolher, orientar e socorrer a comunidade.

A assistente social Izabel Calandrine tem papel importante à frente das situações de calamidade pública. Exercendo a profissão há sete anos na Fundação Papa João XXIII (Funpapa), órgão que executa a política de assistência social no município de Belém, nunca imaginou comemorar o Dia do Assistente Social longe dos colegas de profissão e realizando metade dos seus atendimentos por teletrabalho. A transformação da rotina de Izabel foi causada pela pandemia de covid-19.

“Desafiadora. Essa é a palavra que mais se aproxima de nossa realidade atual. Principalmente para nós, que atuamos no Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Nossa prática se concretiza significativamente através do coletivo, por meio de reuniões, grupos, campanhas, rodas de conversa, visitas domiciliares etc. E de repente, diante do atual contexto de pandemia, nos deparamos com a necessidade de um isolamento social, cenário totalmente adverso à nossa prática profissional na Assistência Social”, destaca Izabel, que coordena o Cras Aurá.



Atualmente o quadro funcional da Funpapa é composto por 103 assistentes sociais, profissionais cuja atuação é necessária em situações como a da pandemia de covid-19, em que a defesa de direitos sociais é urgente. Eles trabalham pela igualdade e pelo direito de todos a uma vida socialmente saudável, procurando contribuir para a inclusão social, combatendo a exclusão e promovendo o desenvolvimento e a coesão sociais por meio do fortalecimento e da promoção do indivíduo ou do grupo.

Para assistente social Mariana Coelho, o cenário da pandemia impactou diretamente no trabalho que realiza com idosos. “Por se tratar do grupo de risco, os idosos tiveram que ficar em isolamento domiciliar. Estou entrando em contato com eles e suas famílias, dando orientações sociais, promovendo escuta qualificada e dando orientação de acesso às demais políticas públicas no período de pandemia. Quero desejar a todos os meus colegas de profissão um feliz Dia do Assistente Social que, como nós, em meio à pandemia não estão desistindo de lutar pelos direitos de quem precisa”, diz Mariana, que desempenha sua função no Centro de Convivência da 3ª Idade Zoé Gueiros, atendendo mais de 400 idosos.

Edna Mesquita, de 69 anos, frequentava o Zoé Gueiros todos os dias. “Nunca pensei na minha vida passar por isso que estou passando: ficar isolada, longe da pessoas que a gente ama, das famílias, dos amigos, dos nossos professores do Centro de Convivência Zoé Gueiros. Como costumo dizer para os meus filhos, lá é minha casa, minha vida. Fazemos atividades, brincamos, sinto eles como minha família. Estou sentindo muita falta daquilo tudo. Não tanto porque a professora Andréa envia vídeos de yoga e alongamento. É o que eu faço de vez em quando aqui na minha casa. Esse contato com as professoras ajuda, elas são carinhosas e atenciosas”, conta.

A assistente social Adriana Azevendo, presidente da Funpapa, afirma: “O assistente social tem um papel acolhedor, cuidando pela garantia dos direitos e dando orientação às famílias mais vulneráveis. O momento da pandemia ampliou mais ainda esse comprometimento e, além disso, nos fez lidar com as nossas fragilidades”.

A presidente da Funpapa destaca que, além dos desafios impostos pela pandemia, “vem o medo de uma doença que é invisível, de uma morte iminente”: “Isso é enfrentar os medos pessoais. Assim como os médicos, nós não deixamos de cuidar do outro. E hoje, no Dia do Assistente Social, desejo saúde e sabedoria para todos os profissionais desta área que estão cumprindo seu dever com compromisso, ética e atuando de acordo com a política de assistência social”.


Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 






Postar um comentário

0 Comentários