Redes Sociais

Header Ads

5 depoimentos de profissionais de MSF que atuam contra a COVID-19

Ana Letícia Nery, coordenadora de atividades médicas em São Paulo, Brasil. —  Foto/Reprodução/Médecins Sans Frontières/Andre Francois.  


5 depoimentos de profissionais de MSF que atuam contra a COVID-19
Fonte:  MSF  —  Publicado no  CN em 29.maio.2020. 

Coronavírus -   Leia relatos de quem está se dedicando ao controle da pandemia em diferentes países.

Coronavírus
Médicos Sem Fronteiras (MSF) está concentrando seus esforços no combate ao novo coronavírus em dezenas de países. Para os profissionais que estão noite e dia trabalhando para proteger sobretudo as pessoas mais vulneráveis, a realidade se mostra cada vez mais desafiadora. Confira cinco depoimentos de profissionais de MSF que atuam contra a pandemia no mundo:

1. Ana Letícia Nery, coordenadora de atividades médicas em São Paulo, Brasil.

"Fazemos uma atividade que chamamos de 'móvel' em grandes lugares de congregação da população em situação de rua. Nosso objetivo é tentar identificar casos de COVID-19 entre moradores de rua, sejam eles pessoas que moram em albergues ou pessoas que dormem na rua. O paciente grave que está aqui, ele morre na rua, se a gente não o identificar precocemente, porque ele não vai ter condições de chamar um SAMU e ser transportado para o hospital. A nossa ideia de estar aqui com frequência é conseguir chegar a esses pacientes."

2. Dayana Tabbarah, promotora de saúde em Beirute, Líbano

Dayana Tabbarah, promotora de saúde em Beirute, Líbano

“Nos últimos anos, construímos uma relação boa e sólida com os moradores do campo de refugiados de Burj al-Barajneh, para que possamos trabalhar, apoiar e ajudar a comunidade. Quando ouvem sobre isolamento pela primeira vez, o que os membros das famílias mais temem é que seus parentes se sintam solitários. Nós sempre os incentivamos a manter contato com as pessoas queridas, mas respeitando o distanciamento físico."



3. David Walubila Mwinyi, supervisor de dados médicos no Kivu do Sul, República Democrática do Congo

David Walubila Mwinyi, supervisor de dados médicos no Kivu do Sul, República Democrática do Congo

" As pessoas estão acostumadas com as epidemias, infelizmente são comuns aqui. É preciso entender que a COVID-19 é mais uma entre as muitas emergências médicas ou humanitárias com as quais a população se depara diariamente. Mas há algo que podemos - e devemos - aprender com as epidemias. Temos que incluir a comunidade em todas as etapas da resposta, não só ouvindo-as, mas também empregando o maior número possível de habitantes, para que consigamos contribuir ativamente para o bem-estar geral e a prosperidade de toda a comunidade.”

VEJA TAMBÉM:
5 depoimentos de profissionais de MSF que atuam contra a COVID-19
+“Caça-níquel”, diz Bolsonaro ao pedir fim do exame da OAB
Especialistas fazem críticas a estudo contra a cloroquina
Gilberto Dimenstein morre após luta contra o câncer
Deputado Daniel Silveira enfrenta Alexandre de Moraes: ‘Inquisidor, boçal, pueril!
Faculdade argentina cancela palestra de Moro após críticas nas redes sociais
Bolsonaro diz que PF não obedecerá nenhuma ordem ilegal de Moraes e Celso de Melo
Ministros revogam portaria de Moro e Mandetta que ameaçava direitos fundamentais
Ives Gandra: “não encontrei na constituição nada que justifique um ministro do STF..."
Brasileiros criam petição por impeachment de Moraes
Bolsonaro convoca ministros e prepara reação contra o STF

4. Chibuzo Okonta, Presidente de MSF na África Ocidental

Chibuzo Okonta, Presidente de MSF na África Ocidental

“Informar e conscientizar é a chave para combater uma epidemia. É um direito das populações e um dever nosso, como médicos e pesquisadores. Precisamos estabelecer uma relação de confiança com os nossos conterrâneos. Isso significa que temos o dever de sermos transparentes sobre o que estamos fazendo, ainda mais aqui, vendo a velocidade com que as notícias falsas circulam.”

5. Kate White, ponto focal médico da força-tarefa de MSF contra a COVID-19


Kate White, ponto focal médico da força-tarefa de MSF contra a COVID-19

“Conter a pandemia é, sem dúvidas, uma prioridade para todos. Mas deixar de lado nossos serviços médicos regulares e focar apenas no combate à COVID-19 nunca foi uma opção. Sabemos, por décadas de experiência trabalhando contra outras epidemias, que os efeitos indiretos no sistema de saúde podem ser tão, senão mais, devastadores do que o próprio vírus. Manter serviços de saúde essenciais disponíveis e acessíveis é vital para impedir que mais vidas sejam perdidas, seja por malária, sarampo, desnutrição ou complicações obstétricas.”



Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários