Redes Sociais

Header Ads

Documentos vazados questionam o anúncio do `paciente zero’ em província da China

Funcionários avaliam a temperatura corporal de um residente fora de um complexo residencial na cidade de Jilin, China, em 25 de maio de 2020. —  Foto/Reprodução/STR / AFP via Getty Images.  


Documentos vazados questionam o anúncio do `paciente zero’ em província da China
Fonte:   Nicole Hao —  Publicado no  CN em 05.jun.2020.  


Coronavírus — Documentos vazados questionam o anúncio do `paciente zero’ em província da China.

Como uma segunda onda de surtos do vírus se espalhou por partes da China, as autoridades chinesas informaram sobre os dados do vírus. Não há números cumulativos de infecção, e os governos locais relatam apenas novas infecções por dia. Portadores assintomáticos também são contados separadamente dos “diagnósticos confirmados”, embora não sejam fornecidas muitas informações sobre os pacientes diagnosticados.

Atualmente, o surto mais grave está ocorrendo na cidade de Jilin, província de Jilin.

Documentos internos obtidos pelo Epoch Times revelaram que as autoridades locais ocultaram informações do público sobre o “paciente zero”, bem como sobre policiais diagnosticados com COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCC.

O vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), mais conhecido como novo coronavírus, surgiu pela primeira vez na cidade de Wuhan, no centro da China, no final de 2019.

Desde o início de abril, após um breve período em que a maioria das regiões da China relatou pouca ou quase nenhuma nova infecção, ocorreu uma segunda onda de surtos em várias províncias chinesas, incluindo Jilin, no nordeste da China.

Paciente zero

Desde maio, a Comissão Provincial de Saúde de Jilin anunciou publicamente que o “paciente zero” da segunda onda do surto é uma trabalhadora da limpeza de 45 anos que trabalha no Departamento de Polícia da cidade de Shulan, com o sobrenome Li. Shulan é um município da província de Jilin.

O Epoch Times obteve um lote de relatórios internos, escritos pelo Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) de Jilin e relatados ao CDC nacional. Vários relatórios detalham casos de pessoas diagnosticadas antes de Li.

A Autoridade de Jilin mantém um arquivo separado para cada paciente com COVID-19.

O arquivo de Li explica que ela desenvolveu uma febre, um sintoma típico do COVID-19, em 6 de maio. Ela foi diagnosticada como positiva em 7 de maio.

No entanto, outro arquivo do Jilin CDC, datado de 9 de maio, observa que um policial de 47 anos que trabalha no mesmo escritório, de sobrenome Huang, apresentou febre em 5 de maio, um dia antes de Li. Huang foi formalmente diagnosticado como positivo em 9 de maio.

VEJA TAMBÉM:
Hospital de campanha em SP é quase cenográfico, atestam deputados
CNTBio aprova mosquito transgênico que pode reduzir população do aedes em 95%
Caixa emprestou R$ 1,3 bi para estados e municípios em dois dias
Irmão de George Floyd ora e pede que manifestações sejam pacíficas
Idosa de 96 anos se recupera do coronavírus após ter 50% do pulmão comprometido
George Floyd estava infectado com novo coronavírus, revela autópsia
Época - Pesquisa revela pessimismo entre médicos sobre pico de casos de coronavírus
Pastor lidera multidão em queima de máscaras: ‘Deus não se agrada de medrosos’
RedeTV! Saiba como contestar resultado do cadastro do auxílio emergencial
Agentes comunitários de saúde reclamam da falta de equipamentos de proteção 
Hackers expõem dados pessoais da família Bolsonaro e de aliados

Huang trabalha no departamento de polícia criminal e está perto de Li e seu marido, que também é membro da equipe do escritório e que testou positivo para COVID, de acordo com os documentos.

Em outro arquivo, o Jilin CDC informou que Hao, um policial assistente de 29 anos do escritório de Shulan, começou a ter febre em 3 de maio. De 5 a 7 de maio, Hao recebeu terapia de infusão em uma clínica privada local todos os dias.

Em 7 de maio, a condição de Hao se deteriorou. Ele visitou um centro de diagnóstico local. Então, ele foi isolado em diferentes hospitais como um paciente suspeito, até ser formalmente diagnosticado como positivo em 10 de maio.

Os casos de Huang e Hao põem em dúvida a alegação das autoridades de que Li seja a paciente zero.

Surto no escritório da polícia

Os documentos vazados também revelaram que mais policiais foram infectados no escritório de Shulan. Três policiais da divisão local, a delegacia de Baiqi, também foram infectados.

Além de Li, as autoridades locais não revelaram anteriormente que os pacientes confirmados com COVID-19 eram funcionários de agências policiais locais. Mas os arquivos dos pacientes obtidos pelo Epoch Times geralmente correspondem aos perfis de indivíduos previamente confirmados como positivos para COVID pelas autoridades.

Os arquivos do CDC de Jilin obtidos detalharam uma funcionária de 49 anos da recepção do centro de comando do escritório de Shulan; uma funcionária de 46 anos no departamento confidencial e um motorista de 56 anos, que também foram infectados.

Os moradores locais disseram anteriormente ao Epoch Times em língua chinesa que o Departamento de Polícia de Shulan estava fechado devido ao foco do surto.

Em 17 de maio, Geng Jianjun, vice-chefe do partido de Shulan, foi afastado de seu posto em meio a uma série de demissões porque as autoridades não conseguiram conter o surto.





Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários