Redes Sociais

Header Ads

Imunização contra gripe termina na próxima semana

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), ressalta a importância da imunização. —  Foto/Reprodução/Britto/Comunicação Setorial da SES-GO.  

Imunização contra gripe termina na próxima semana
Fonte: CONASS —  Publicado no  CN em 26.jun.2020. 

Ministério da Saúde | Governo de Goiás ressalta importância de pessoas dos grupos prioritários que ainda não se vacinaram procurarem uma sala de vacina nos 246 municípios goianos, até dia 30.

Crianças de 6 meses a 5 anos de vida, gestantes, trabalha​dores em saúde, puérperas (mulheres com até 45 dias após o parto), idosos, adultos de 55 a 59 anos, pessoas com deficiência, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e condições clínicas especiais, membros das forças de segurança, caminhoneiros e motoristas do transporte coletivo, funcionários do sistema prisional, privados de liberdade, indígenas e professores que ainda não se vacinaram contra o vírus influenza podem procurar as salas de vacinação nos 246 municípios goianos até terça-feira, 30. O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), ressalta a importância da imunização dessas pessoas, fundamental para que não sejam acometidas pela gripe, causada pelos vírus da Influenza. A vacina contra a gripe não tem eficácia contra o coronavírus, porém, neste momento, irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para a Covid-19, já que os sintomas são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde. Dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização de segunda-feira, 22, mostram que a cobertura vacinal entre crianças está em menos de 53%; entre as puérperas, menos de 79%; entre as gestantes está em 74,36%. Nos adultos aptos a se vacinarem, apenas 63% procuraram a vacina. 

A meta definida pela SES-GO é para que pelo menos 90% do público-alvo sejam imunizados, ou seja, 2.186.183 goianos.Já entre os trabalhadores em saúde, indígenas e idosos, a meta já foi atingida, mas pessoas desses grupos que ainda não foram vacinadas podem procurar uma sala de vacina para se imunizar, ressalta a Gerente de Imunização da SES-GO, Joice Dorneles. “Estamos trabalhando junto com as Secretarias Municipais de Saúde, e medidas foram adotadas para evitar aglomerações nos locais de vacinação, como o distanciamento nas filas, exigência da utilização de máscaras pelos profissionais de saúde e pelas pessoas e também a vacinação em espaços amplos sempre que possível”, esclarece.

VEJA TAMBÉM:
TCU realiza levantamento sobre a sustentabilidade do SUS
66% dos recursos destinados à Saúde para enfrentar a pandemia ainda estão parados
CNS contesta posicionamento da ANS sobre fila única de leitos e pede explicações
ALAGOAS: Agentes de Saúde participam de capacitação com novos tablets 
Santa Catarina: Agentes Comunitários de Saúde recebem Kits de trabalho 
Ceará: Agentes Comunitários de Saúde recebem Kits 
Agente testa positivo para coronavírus e diz que colegas não foram examinados
SINDIVACS-DF se articula para garantir  a terceira parcela do reajuste dos ACS e AVAS
Paraná: Secretaria de Saúde promove ação de conscientização 
MG: Agentes comunitários de saúde e de endemias vão usar tablets no serviço

Doses em Goiás
Desde o início da campanha, em 23 de março, a SES-GO repassou mais de 2,4 milhões de doses para os 246 municípios goianos. Segundo Joice Dorneles, a quantidade é suficiente para imunizar 90% de todas as pessoas dos grupos de risco. “Pretendemos vacinar pelo menos 2 milhões 186 mil pessoas, e temos até a próxima terça-feira para atingir essa meta”, reforça.

Ao irem ao posto, além da identidade (RG) e cartão de vacinação, os integrantes dos grupos prioritários devem apresentar outros documentos. As puérperas devem apresentar atestado que comprove a sua condição, como a certidão de nascimento do filho ou o cartão de gestante. Já os professores, trabalhadores da saúde, caminhoneiros, motoristas do transporte coletivo e profissionais das forças de segurança e salvamento devem apresentar documento que comprove vínculo ou categoria profissional, como o contracheque ou o crachá. Para as pessoas que vivem com doenças crônicas, é necessário apresentar uma prescrição ou relatório médico.




Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários