Redes Sociais

Header Ads

VERBAS DO BNDES: Deputado federal Paulinho da Força perde mandato após condenação à prisão

  Por 3 votos a 2, Paulinho da Força foi condenado por desvio de verbas do BNDES. —  Foto/Reprodução/Arquivo, José Cruuz/Agência Brasil.  


VERBAS DO BNDES: Deputado federal Paulinho da Força perde mandato após condenação à prisão
Fonte:   Consultor Jurídico, Fernanda Valente. —  Publicado no  CN em 06.jun.2020.  


Política  — A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal condenou o deputado federal Paulinho da Força (Solidariedade) a 10 anos e 2 meses de prisão por desvio de verbas do BNDES, lavagem de dinheiro e participação de quadrilha. 

O julgamento no Plenário Virtual foi concluído nesta sexta-feira (5/6). Como efeitos da condenação em ação penal, a maioria da turma determinou a perda do mandato parlamentar e sua interdição para exercício de cargo ou função pública. E ainda, a condenação de ressarcimento em dano material, no valor de R$ 182,5 mil, ao BNDES.

A investigação partiu de uma apuração sobre tráfico internacional de mulheres e suspeita de que foi desviado dinheiro do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para a prefeitura de Praia Grande (SP) e para as Lojas Marisa. Os fatos ocorreram entre 2007 e 2008. A denúncia foi recebida pelo Supremo em 2015. 

O julgamento havia sido suspenso em março, por pedido de vista do ministro Luís Roberto Barroso, cuja divergência foi seguida por maioria.  

VEJA TAMBÉM:
Ministro Fachin determina suspensão de operações policiais em comunidades do RJ 
Cozinheira diz que choro de Fátima Bernardes é falso e acusa Bonner de grosseria
Patroa pede perdão em carta para mãe de Miguel e diz: 'Sou solidária ao seu sofrimento'
Morte de cantora negra por covid-19 vira chacota por ela ser cristã
CONFUSÃO: Psicóloga diz que Joice "tem que se tratar, é mentirosa compulsiva" 
Documentos vazados questionam o anúncio do `paciente zero’ em província da China
Hospital de campanha em SP é quase cenográfico, atestam deputados
CNTBio aprova mosquito transgênico que pode reduzir população do aedes em 95%
Caixa emprestou R$ 1,3 bi para estados e municípios em dois dias
Governo destina crédito de R$ 4,5 bilhões para Saúde

Sobre a acusação de quadrilha, Barroso afirmou que há provas suficientes que demonstram a participação do deputado. Já sobre a lavagem de dinheiro, afirmou que, após o desvio dos valores dos financiamentos, "foram feitos depósitos na conta de pessoa jurídica para posterior saque e entrega ao acusado".

As provas colhidas nos autos, disse o ministro, "são suficientes para comprovar que os intermediários dos desvios falavam em nome, com o conhecimento e o respaldo de Paulo Pereira da Silva". "As pessoas jurídicas tomadoras dos empréstimos concordaram em repassar parte dos valores ao esquema, estimuladas pelos intermediários e, indiretamente, pelo acusado", entendeu o ministro.

Sem provas concretas
Ficaram vencidos o relator, ministro Alexandre de Moraes e o vice-decano, ministro Marco Aurélio. Segundo o relator, a denúncia não comprovou a origem do dinheiro, apontado como vindo dos desvios. 

"Muito embora tais deduções possam ser tidas por plausíveis (isso não se discute), não se mostraram irrefutáveis", afirmou Moraes, que julgou improcedente a ação e votou para absolver o deputado. 

Moraes organizou também as provas dos autos e apontou que as ações dos corréus isentam o deputado "de qualquer responsabilidade ou participação nos fatos, e assumem para si o uso indevido do nome do réu".

O relator também entendeu pela completa ausência de poder de influência do deputado na aprovação dos projetos junto ao banco. Afirmou estar ausente prova categórica de que o dinheiro, supostamente desviado, foi parar nas mãos de Paulinho da Força e entendeu que a prova oral é favorável ao réu.

Tráfico de influência
Após o julgamento, o advogado Marcelo Leal, que representa o político, afirmou que juntou mais de mil e-mails trocados, além de depoimentos e auditorias que comprovaram a prestação do serviço.

Em nota, o advogado afirmou que comprovou que o deputado "foi vítima do crime de tráfico de influência, tendo seu nome indevidamente utilizado para justificar recebimento de terceiros". Por fim, afirmou que irá recorrer da decisão

Clique aqui para ler o voto do relator
Clique aqui para ler o voto vencedor
AP 965




Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários