Redes Sociais

Header Ads

GUERRA POLÍTICA: Polícia Federal solicita ao STF cancelamento das operações contra bolsonaristas

Assinada pela delegada Denisse Dias Rosas Ribeiro, a manifestação para adiar ou recolher os mandados de busca e apreensão. —  Foto/Reprodução.  


GUERRA POLÍTICA: Polícia Federal solicita ao STF cancelamento das operações contra bolsonaristas  
Fonte:  Portal Crítica Nacional, Camila Abdo e Paulo Eneas. —  Publicado no  CN em 21.jun.2020.   

STF | A Polícia Federal apresentou um requerimento, através de uma manifestação, ao ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, para postergar ou cancelar a operação de busca e apreensão contra bolsonaristas, deflagrada na última terça-feira (16/09) sob o nome de Operação Lume. A corporação argumentou que a realização das diversas medidas propostas em etapa tão inicial da investigação traria risco desnecessário à estabilidade das instituições.

Assinada pela delegada Denisse Dias Rosas Ribeiro, a manifestação para adiar ou recolher os mandados de busca e apreensão é incomum e acabou provocando atraso na deflagração da operação, que estava prevista para ser realizada no início desse mês. Embora não tenha sido afirmado textualmente, a manifestação reflete a percepção em setores da Polícia Federal de que a instituição está sendo instrumentalizada para ações baseadas em decisões ilegais e inconstitucionais da suprema corte.

Segundo algumas fontes, Alexandre de Moraes estaria analisando um pedido da Procuradoria Geral da República para o afastamento a delegada do caso. No documento, a delegada pediu a Moraes “pela postergação do cumprimento ou pelo recolhimento das ordens já emanadas” e defendeu a necessidade de realização de diligências preliminares para avaliar a necessidade das medidas solicitadas pela PGR. A manifestação datada de 4 de junho afirma:

VEJA TAMBÉM: 
Toffoli volta a falar sobre “papel moderador” das Forças Armadas
Usar máscara em casa ajuda a brecar transmissão secundária de coronavírus, diz estudo
TCU pede a Saúde oitiva de responsáveis por contrato suspeito da gestão Mandetta
MS: Justiça bloqueia bens de ex-prefeito, acusado de improbidade administrativa
Ex-ministro da Educação passará a receber mensalmente R$ 115 mil, livre de impostos
Médico Hélio Angotti assume secretaria no Ministério da Saúde 
Deputado bolsonarista chama ministro do STF de “canalha” após ter sigilo quebrado
Na mira da Polícia Federal: Secretarias de Saúde são alvos em Pernambuco  

“Pela postergação do cumprimento ou pelo recolhimento das ordens já emanadas, a fim de que o direcionamento dos recursos da Polícia Federal seja inicialmente empregado na obtenção de dados de interesse e no preenchimento das diversas lacunas das hipóteses criminais aqui apresentadas”.

“A realização conjunta das diversas medidas propostas em etapa tão inicial da investigação tem o potencial de gerar um grande volume de dados relativos a várias pessoas que estão teoricamente vinculadas a diversos fatos, dispersando a energia do Estado para múltiplos caminhos e com risco de aumento do escopo em progressão geométrica, o que inevitavelmente tonará a investigação mais complexa, ainda que, de fato, ela não seja.”

“Com isso, ela se tornará menos objetiva, menos transparente, mais onerosa e — o principal quando se trata do tipo de associação criminosa aqui tratada — muito mais lenta, com risco desnecessário para as vítimas em potencial e para a própria estabilidade das instituições”.

Deputado bolsonarista chama ministro do STF de “canalha” após ter sigilo bancário quebrado:


Confira o vídeo com o deputado federal Otoni de Paula.   



Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários