Redes Sociais

Header Ads

‘Não estica a corda’, alerta general Ramos

 General Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo. —  Foto/Reprodução/ Isac Nóbrega/PR.  


‘Não estica a corda’, alerta general Ramos
Fonte: RENOVA Mídia, Tarciso Morais. —  Publicado no  CN em 12.jun.2020.   

Brasil  — “O outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda”, diz Ramos.

Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo, é quem controla as indicações para os cargos mais importantes e o responsável pela articulação política.

Por ser general da ativa, também vem sendo alvo de duras críticas por parte de alguns apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e despertando algumas teorias conspiratórias sobre um possível “golpe” promovido pelas Forças Armadas.

Em entrevista¹ à revista Veja, publicada nesta sexta-feira (12), Ramos negou a possibilidade de uma queba do “regime democrático”, mas pediu para o “outro lado” não “esticar a corda”:

“É ultrajante e ofensivo dizer que as Forças Armadas, em particular o Exército, vão dar golpe, que as Forças Armadas vão quebrar o regime democrático. O próprio presidente nunca pregou o golpe. Agora o outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda.”

VEJA TAMBÉM:
Falece advogada que recebeu carteira da OAB em hospital 
Agências chinesas pagaram mais de 19 milhões de dólares para jornais americanos
Crise econômica bate na porta da OAB
Governador do RJ é denunciado à Organização Mundial da Saúde (OMS)
Homem invade sede da Rede Globo, no Rio de Janeiro, e faz repórter refém
Agente de saúde da Ilha de Itamaracá testa positivo para coronavírus e vence a luta
+“Antifascista” perde emprego ao ser visto em protestos violentos na paulista
Senador protocola pedido de impeachment contra Alexandre de Moraes
Google oferece 5 mil reais pra quem fica em home office 

Nova Zelândia tem abraços, compras e mãos dadas: desconfinamento

Questionado sobre o que seria uma forma de esticar a corda, Ramos citou comparações recentes feitas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello:

“O Hitler exterminou 6 milhões de judeus. Fora as outras desgraças. Comparar o presidente a Hitler é passar do ponto, e muito. Não contribui com nada para serenar os ânimos.”

Ele também alertou para uma possível derrubada da chapa pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE):

“Também não é plausível achar que um julgamento casuístico pode tirar um presidente que foi eleito com 57 milhões de votos. […] Dizem que havia muitas provas na chapa de Dilma e Temer. Mesmo assim, os ministros consideraram que a chapa era legítima. Não estou questionando a decisão do TSE. Mas, querendo ou não, ela tem viés político.”


Referências: [1]





Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários