Redes Sociais

Header Ads

Líderes chineses são investigados por genocídio e abusos contra minoria religiosa

 Manifestantes indonésios exibem cartazes durante uma manifestação para mostrar apoio à minoria uigur na China. —  Foto/Reprodução/BAY ISMOYO / AFP via Getty Images.

Líderes chineses são investigados por genocídio e abusos contra minoria religiosa
Fonte:   The Christian Post, Samuel Smith. —   Publicado no  CN em 10.jul.2020. 

Mundo |  EUA anunciam novas sanções contra altas autoridades chinesas.

Líderes chineses são investigados por genocídio e abusos contra muçulmanos uigures. 

Manifestantes indonésios exibem cartazes durante uma manifestação para mostrar apoio à minoria uigur na China, em frente à embaixada chinesa em Jacarta em 20 de dezembro de 2019. - A China tem enfrentado crescente condenação internacional por reunir cerca de um milhão de uigures e outras minorias étnicas majoritariamente muçulmanas em uma rede de campos de internamento. Pequim inicialmente negou a existência dos campos, mas agora diz que são "centros de treinamento vocacional" necessários para combater o terrorismo.  

Pela primeira vez, as provas foram submetidas ao Tribunal Penal Internacional solicitando uma investigação sobre alegações de genocídio e crimes contra a humanidade cometidos por altos líderes chineses, incluindo o presidente Xi Jinping pelos maus-tratos a muçulmanos uigures e outros turcos no oeste da China. 

Os advogados desta semana apresentaram uma queixa ao gabinete do promotor de Haia em nome do governo do Turquistão Oriental no exílio e do Movimento Nacional de Despertar do Turquistão Oriental.

Isso marca a primeira vez que os críticos tentam usar as leis internacionais para processar a China por violações de direitos humanos contra minorias no território de Xinjiang, no extremo noroeste da China. 

O ETGE é um órgão oficial que visa acabar com a ocupação da China na região do Turquistão Oriental. O Turquistão Oriental é uma região hoje conhecida como Região Autônoma do Uigur de Xinjiang, na China. A República Popular da China incorporou a região após a queda de uma República do Turquestão Oriental apoiada pelos soviéticos em 1949.

Atualmente o governo chinês considera o apoio à independência do Turquistão Oriental como terrorismo e extremismo.  

VEJA TAMBÉM:
Líderes chineses são investigados por genocídio e abusos contra minoria religiosa
Denzel Washington e seu encontro sobrenatural com o Espírito Santo
Luto: Assembleia de Deus chora a morte do pastor Valdeny Carneiro de Oliveira
Quarto de Guerra: Ator TC Stallings relata como conheceu Jesus em documentário
Após infarto, Samuel, da dupla Daniel e Samuel passa bem
Ingressos para culto com Deive Leonardo esgotam em 40 segundos 
Cantora e deputada Mara Lima cobra a reabertura das igrejas no Paraná
Mais de 600 cristãos estão presos sem provas ou acusações formais na Eritreia
Sobrevivente ao aborto perdoa mãe biológica: “Deus tem um plano em minha vida” 
Brasil atinge 1 milhão de curados; 64,1% dos pacientes venceram a doença
Ex-traficante tem encontro com Deus na prisão

O novo registro apresentado ocorre porque houve muita indignação nos últimos anos, pois as estimativas sugerem que mais de 1 milhão a 3 milhões de muçulmanos uigures e outros e outros grupos minoritários no oeste da China foram submetidos a campos de internamento em Xinjiang, 

Apresentadas na denúncia, há evidências de crimes cometidos na região pelo governo chinês desde 1884, com a maior parte das queixas voltadas para o aumento dos crimes de direitos humanos cometidos após os distúrbios de Urumqi ocorridos em julho de 2009, onde membros da minoria de língua turca e chineses han foram mortos. 

Os supostos crimes do governo incluem aqueles cometidos contra a população uigur predominantemente muçulmana, bem como cazaques, quirguizes e outros povos turcos. 

As denúncias incluem massacres, campos de internamento em massa, tortura, extração de órgãos, desaparecimentos, controle forçado de nascimentos e esterilização. O relatório também destaca a transferência forçada de crianças de suas famílias para orfanatos estatais chineses ou internatos. 



Postar um comentário

0 Comentários