Redes Sociais

Header Ads

66% dos recursos destinados à Saúde para enfrentar a pandemia ainda estão parados, mostra boletim do CNS

 A morosidade da dispensação financeira segue injustificável, de acordo com o CNS. O dinheiro poderia estar sendo utilizado para atenuar a crise e salvar vidas. —  Foto/Reprodução/Sérgio Lima/Poder360.  

66% dos recursos destinados à Saúde para enfrentar a pandemia ainda estão parados, mostra boletim do CNS
Fonte: Ascom CNS —  Publicado no  CN em 26.jun.2020. 

Ministério da Saúde | O Ministério da Saúde (MS) tem R$ 39 bilhões de recursos para o enfrentamento do novo coronavirus, mas 66% estão parados sem uso no orçamento. Isso equivale a R$ 25,7 bilhões que poderiam estar sendo utilizados para atenuar a crise e salvar vidas. A morosidade da dispensação financeira segue injustificável, de acordo com o Conselho Nacional de Saúde (CNS). Os dados foram publicados na quinta (19/06), no Boletim Cofin, do CNS.

As informações são fruto de análise da Comissão de Orçamento e Financiamento do Conselho (Cofin/CNS), que segue denunciando a atuação do governo em meio à pandemia. Outro dado é que, dos R$ 11,4 bilhões existentes no orçamento para Aplicação Direta do MS no combate ao Covid-19, 75% (R$ 7,5 bilhões) ainda não se transformaram em pedidos de compra de respiradores, máscaras e outros itens necessários para a população, para os trabalhadores da saúde e para equipar as unidades de saúde pelo Brasil.

Dos R$ 16,9 bilhões existentes no orçamento para transferir aos municípios para o combate ao Covid-19, 66% estão parados a espera da decisão de quanto transferir para cada município. Foram pagos somente R$ 5,6 bilhões. O presidente do CNS, Fernando Pigatto reafirmou o manifesto “REPASSA JÁ”, que une o controle social na saúde, reivindicando o repasse urgente dos recursos. 

VEJA TAMBÉM:
CNS contesta posicionamento da ANS sobre fila única de leitos e pede explicações
ALAGOAS: Agentes de Saúde participam de capacitação com novos tablets 
Santa Catarina: Agentes Comunitários de Saúde recebem Kits de trabalho 
Ceará: Agentes Comunitários de Saúde recebem Kits 
Agente testa positivo para coronavírus e diz que colegas não foram examinados
SINDIVACS-DF se articula para garantir  a terceira parcela do reajuste dos ACS e AVAS
Paraná: Secretaria de Saúde promove ação de conscientização 
MG: Agentes comunitários de saúde e de endemias vão usar tablets no serviço
Coronavírus: paciente no Piauí testa positivo semanas após recuperação
Ministério da Saúde prorroga campanha de vacinação contra a gripe até 30 de junho
Agentes de saúde de SP enfrentam de desinformação a baile funk no combate ao vírus
TCU pede a Saúde oitiva de responsáveis por contrato suspeito da gestão Mandetta

“Não podemos deixar municípios e estados atuarem sozinhos, sem o recurso emergencial. Estamos com ministro interino e com o Sistema Único de Saúde (SUS) desfinanciado. É a maior crise sanitária da história. Conseguimos recurso emergencial, mas está parado. Isso é inadmissível, mostra o descompromisso do governo com a vida”, criticou.

O Boletim Cofin é uma publicação semanal do CNS com informações sintéticas sobre a evolução dos gastos federais do Sistema Único de Saúde (SUS). Neste período, as análises focam no combate à pandemia do Covid-19. O Boletim Cofin é produzido a partir de dados levantados pelo economista Francisco R. Funcia, consultor técnico do CNS e professor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Rodrigo Benevides, representante do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), e Carlos Ocké-Reis, representante do Ipea e da Associação Brasileira de Economia da Saúde (Abres). Os dados do Boletim Cofin foram extraídos da Plataforma Siga Brasil.

Leia o Boletim Cofin na íntegra




Médicos voluntários do Projeto Missão Covid atendem pessoas com suspeita da doença ou com dúvidas sobre o novo coronavírus. 





Postar um comentário

0 Comentários