Redes Sociais

Header Ads

Projeto perdoa quem recebeu indevidamente auxílio emergencial pago durante pandemia

 Tribunal de Contas da União (TCU) estimou que os pagamentos indevidos do benefício podem chegar a R$ 42,1 bilhões.   —  Foto/Reprodução.

Projeto perdoa quem recebeu indevidamente auxílio emergencial pago durante pandemia
Publicado no Conexão Notícia em 25.set.2020.  

Brasília Objetivo da proposta é evitar que essas pessoas sofram investigação e processo penal em virtude de equívoco no recebimento do auxílio emergencial, pago durante a pandemia.

 Hildo Rocha diz que “muitas pessoas incorreram em condutas delituosas por equívoco”.   —  Foto/Reprodução.

O Projeto de Lei 4702/20 concede anistia a quem recebeu indevidamente o auxílio emergencial pago pelo governo em decorrência da emergência de saúde pública do novo coronavírus. O auxílio de R$ 600 foi instituído pela Lei 13.982/20.

“Diante de um contexto de pandemia que impôs o isolamento social e que, por isso, dificultou a verificação da veracidade de inúmeras informações que circulavam pelas redes sociais, além da falta de atendimento presencial nos órgãos públicos e nas instituições financeiras, muitas pessoas incorreram em condutas delituosas por equívoco”, afirma o autor da proposta, deputado Hildo Rocha (MDB-MA). Ele quer evitar que essas pessoas “sofram o constrangimento de uma persecução penal”.
Segundo o parlamentar, como os Poderes Públicos agiram com muita celeridade, “a aferição dos requisitos necessários para a concessão dessa renda a milhares de brasileiros em situação vulnerável  revelou-se uma tarefa extremamente complexa”. Por isso, afirma, algumas irregularidades ocorreram e várias pessoas receberam indevidamente o benefício, “não só por falhas da Administração Pública, mas também por fraudes de terceiros que se aproveitaram desse cenário”.

A proposta será analisada pela Câmara dos Deputados.


Reportagem - Lara Haje
Edição - Natalia Doederlein
Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados
Fonte: Agência Câmara de Notícias

DESTAQUES:


Postar um comentário

0 Comentários