Redes Sociais

Header Ads

Simpa e SindiSaúde se manifestam após prefeito afirmar que sindicatos enganam servidores do Imesf

 Servidores do Imesf realizaram protesto em frente à prefeitura de Porto Alegre. —  Foto/Reprodução.

Simpa e SindiSaúde se manifestam após prefeito afirmar que sindicatos enganam servidores do Imesf
Publicado no Conexão Notícia em 29.set.2020.  

Agentes de Saúde |  O Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) e o SindiSaúde se manifestaram, na quinta-feira (24), após o prefeito Nelson Marchezan Júnior ter afirmado em transmissão ao vivo nas redes sociais que os funcionários do Instituto Municipal da Estratégia da Saúda da Família (Imesf) vem sendo enganados pelos sindicatos.

Na coletiva virtual de apresentação da expansão do novo modelo de gestão da atenção básica, Marchezan disse que os sindicatos alcançaram seu objetivo e que declaram o Imesf inconstitucional e inexistente. 

“Os funcionários do Imesf vêm sendo enganados pelos sindicatos. Em 2011 os próprios sindicatos ajuizaram uma ação de inconstitucionalidade. Todos os funcionários que ingressaram no Imesf sabiam que ingressaram em uma instituição que era ré nesse processo”, declarou. 

Ainda durante a transmissão, o prefeito salientou que se extinguido, todos os cargos e contratos vinculados ao instituto tem de ser extintos, já que o mesmo acontecerá com o CNPJ. 

“É uma consequência obrigatória e óbvia dessa ação proposta pelos sindicatos que, durante esse último ano, tentaram iludir essas pessoas dizendo que há uma forma legal de serem mantidas. Todos que não acreditaram nos sindicatos, já foram contratados por essas entidades que estão sendo contratualizadas”

De acordo com o diretor-geral do Simpa, João Ezequiel da Silva, a afirmação do prefeito é totalmente desproporcional e cruel, uma vez que leva em consideração apenas os seus interesses políticos. 

“A luta desses trabalhadores está fechando um ano. A nossa posição é de que isso é uma crueldade com os servidores que trabalharam quase 10 anos para os porto-alegrenses. Essa é uma decisão política para terceirizar a saúde de Porto Alegre”, argumentou, ao reforçar que a decisão da prefeitura é uma crueldade não apenas com os profissionais, mas também com a população. 

“Essa medida tem um caráter político desastroso. O prefeito desrespeita a própria justiça, que expediu liminar impedindo as demissões, e assedia os trabalhadores para que assinem a própria demissão. Essa é uma medida nefasta, a qual somos contra”.

Presidente do SindiSaúde, Júlio Jesien, rebateu as críticas feitas pelo prefeito. 

“Posso afirmar que enquanto Sindicato não estamos agindo de má-fé com os trabalhadores. Quem fez isso foi ele, quando disse que não havia mais nada a ser feito pelo Imesf e que ia demitir os servidores”. 
Segundo Jesien, Marchezan passou quase um ano tentando fechar o instituto e transferir a saúde porto-alegrense para a iniciativa privada sob o argumento de que seria um processo mais em conta. 

“O Imesf recebe uma verba de aproximadamente R$ 7 milhões. A iniciativa privada receberia R$ 16,5 milhões, conforme o próprio prefeito afirmou em coletiva. Então não somos nós que estamos ludibriando o trabalhador. Viemos trazendo eles empregados na contramão de tudo, enquanto o prefeito segue mentindo para a população”, disse.

O presidente do SindiSaúde entende que não há outra saída para o Imesf além da extinção, mas garante que a luta do sindicato é para que os trabalhadores não fiquem desamparados. 

“Não estamos vendendo falsas informações. O Imesf é inconstitucional e vai terminar em algum momento. A nossa luta é pela manutenção do trabalho dos servidores. Vamos continuar brigando na Justiça do Trabalho porque defendemos a figura do trabalhador”.

Nesta nesta quinta-feira, funcionários do Imesf realizaram uma manifestação em frente à prefeitura de Porto Alegre. O ato aconteceu no dia em que o Executivo começou a entregar as notificações de desligamento dos funcionários, um ano depois do anúncio de extinção.

Jornal do Comércio, JOYCE ROCHA
Foto: Gabriela Porto Alegre


DESTAQUE:



Atenção! 
*Para nos informar casos de óbitos entre ACS/ACE, use esse formulário online, aqui!
*Para acessar o Monitoramento sobre a Covid-19 entre a categoria, acesse aqui!

Postar um comentário

0 Comentários