Header Ads


Combustíveis: Governo abre mão de R$ 4,7 bilhões de arrecadação e zera impostos do gás de cozinha e diesel

Bolsonaro promete zerar imposto sobre diesel e gás de cozinha e diz que 'alguma coisa vai acontecer na Petrobras'—  Foto/Reprodução.

Combustíveis: Governo abre mão de R$ 4,7 bilhões de arrecadação e zera impostos do gás de cozinha e diesel
Publicado no Conexão Notícia em 19.fev.2021.  

Brasil | BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro criticou a Petrobras por reajustar os valores da gasolina e do diesel a partir desta sexta-feira, nas refinarias. O presidente disse que “alguma coisa vai acontecer" na estatal nos próximos dias.

Bolsonaro também anunciou que vai zerar os impostos federais sobre o gás de cozinha (GLP), de forma permanente, e os tributos federais sobre o diesel por dois meses.

Com o novo aumento da gasolina — o quarto em 2021 — o preço do combustível vai acumular alta de 34,7% no ano. Em seu terceiro reajuste anual, o diesel acumulará avanço de 27,7%.

Hoje à tarde, reunido com a equipe econômica, tendo à frente o ministro Paulo Guedes, decisão nossa: a partir de 1º de março não haverá mais qualquer tributo federal no gás de cozinha. Ad eternum. Não haverá qualquer tributo federal no gás de cozinha, que está em média R$ 90 na ponta da linha. E o preço na origem está um pouco abaixo de R$ 40 — disse o presidente, e transmissão ao vivo nas redes sociais.


A partir de 1º de março também, não haverá qualquer imposto federal no diesel por dois meses. Nesses dois meses vamos estudar uma maneira definitiva de buscar zerar esse imposto no diesel, até para ajudar a contrabalencerar esse aumento no meu entender excessivo da Petrobras.

Bolsonaro tem tentado reduzir os impostos sobre combustíveis para agradar aos caminhoneiros com redução nos seus custos. Mas para isso é preciso encontrar uma compensação orçamentária, como exige a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Algo 'vai acontecer' na Petrobras
O presidente, porém, não detalhou qual será a compensação. Ele também disse que o reajuste da Petrobras foi “fora da curva”.

Teve um aumento, no meu entender, e vou criticar, um aumento fora da curva da Petrobras. Dez por cento hoje na gasolina e 15% no diesel, é o quarto reajuste no ano. A bronca sempre vem para cima de mim, só que a Petrobras tem autonomia.

Em seguida, ele disse, sem entrar em detalhes, que algo "vai acontecer" na Petrobras:

Mas eu não posso interferir, e nem iria interferir na Petrobras. Se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias, você tem que mudar alguma coisa. Vai acontecer.

'Chateado'
Na transmissão, em que criticou a Petrobras, Bolsonaro reafirmou que a empresa tem autonomia para definir os preços de combustíveis, mas se disse insatisfeito com o aumento, que classificou como "fora da curva".

Não tem quem não ficou chateado com o reajuste hoje de 10% na gasolina e 15% no diesel. É o quarto reajuste no mês. A Petrobras tem essa garantia, né? Essa liberdade, autonomia, para reajustar os combustíveis levando em conta o preço do barril do petróleo lá fora e o preço do dólar aqui dentro. E outros fatores pesam negativamente no preço do combustível — disse Bolsonaro.

Alta demanda: Bicicleta vira sonho de consumo do 'novo normal' e some da lojas

Bolsonaro culpa governos do PT
O presidente relacionou ainda os aumentos nos combustíveis a prejuízos que, segundo ele, foram causados por investimentos em refinarias durante governos do PT. Ele fez referência ao escândalo de corrupção descoberto na estatal pela Operação Lava Jato.

O Brasil foi envolvido numa aventura no passado para fazer duas refinarias no Nordeste, uma aqui no Sudeste, mais uma outra compra de uma refinaria em Pasadena (EUA), que o prejuízo final ultrapassou R$ 200 bilhões. Essa conta não está no colo da Petrobras, está na conta do povo brasileiro. A Petrobras vai pagando essa dívida de mais de R$ 200 bilhões patrocinada pelo governo do PT.
Acompanhe as notícias do CN - Conexão Notícia no Facebook

Veja outras formas de doações, aqui!

Conteúdo relacionado:

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.