Header Ads


C0VID: Oxford lança estudo sobre combinação de vacinas diferentes

AP - Frank Augstein. —  Foto/Reprodução.

Covid-19: Oxford lança estudo sobre combinação de vacinas diferentes
Publicado no Conexão Notícia em 04.fev.2021.  

Mundo | A universidade de Oxford anunciou na quinta-feira (4) o lançamento de um  estudo para verificar se a combinação de duas doses de vacinas diferentes contra a Covid-19 são eficazes para proteger a população.

Se nós mostrarmos que as vacinas podem ser utilizadas dessa maneira, isso aumentará consideravelmente nossa flexibilidade para distribuir as doses, disse o pesquisador Matthew Snape, encarregado do estudo, em um comunicado.

A pesquisa terá a participação de 820 voluntários de mais de 50 anos e testará, por enquanto, a combinação da vacina da Pfizer/BioNTech com o produto da AstraZeneca – os dois imunizantes atualmente disponíveis no país.

O estudo também vai avaliar a eficácia da proteção em função do espaçamento entre as duas injeções. Os pesquisadores vão testar um intervalo de quatro semanas, o que foi inicialmente recomendado pelas autoridades sanitárias, e outro de doze semanas, que permitiria vacinar mais rapidamente a população. 


O especialista em saúde pública Jonathan Van-Tam, consultor do governo britânico, disse que é "importante ter dados que poderiam possiblitar um programa de vacinação mais flexível", levando em consideração a oferta limitada. "É possível também que, combinando as vacinas, a resposta imunológica seja melhor", com níveis de anticorpos mais elevados e que durem mais tempo", sublinhou.   

Contaminações em queda

O Reino Unido é o país europeu mais atingido pela epidemia, com mais de 108.00 mortos. O governo britânico apostou na vacinação em massa para controlar o vírus, principalmente depois do aparecimento de uma cepa mais contagiosa que levou o país a adotar, no início de janeiro, um terceiro lockdown.  

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou na quarta-feira (3) que mais de 10 milhões de pessoas já foram vacinadas no Reino Unido, o que teria permitido reduzir em 67% a quantidade de testes PCR positivos à Covid-19 no país.  

O objetivo é vacinar mais 15 milhões de pessoas até a metade de fevereiro, incluindo os maiores de 70 anos, os profissionais da saúde e os pacientes com doenças graves, que fazem parte do grupo de risco. 

 RFI  

Veja outras formas de doações, aqui!

Conteúdo relacionado:

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.