Header Ads


MPF abre inquérito contra o Conselho Federal de Medicina por conduta sobre o tratamento precoce

     CFM defende a autonomia médica.   —  Foto/Reprodução.
 
MPF abre inquérito contra o Conselho Federal de Medicina por conduta sobre o tratamento precoce 
Publicado no Conexão Notícia em 08.outubro.2021.  

Tecnologia O procedimento foi instaurado a partir de representação de um professor da USP, informa jornal.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) se tornou alvo de um inquérito do Ministério Público Federal (MPF). É o que informou nesta sexta-feira, 8, o jornal O Globo. O MPF quer investigar a conduta do CFM sobre o tratamento precoce para a covid-19. O procedimento foi instaurado a partir de representação de um professor da Universidade de São Paulo, o cardiologista Bruno Caramelli. Segundo o acadêmico, o CFM apoiou a terapêutica “com medicamentos sem nenhuma evidência científica sobre seus benefícios.”

A advogada do homem, Cecilia Mello, afirma que a inexistência de “um posicionamento firme do CFM contra o uso desses medicamentos impulsiona um abrandamento das medidas efetivas de combate à pandemia”, como distanciamento social e máscara, já que estaria induzindo a população a acreditar que há tratamento. Além disso, argumenta que o Ministério da Saúde já alegou ter usado parecer a favor da terapêutica do CFM para embasar nota informativa da pasta sobre o tema.


Trecho de artigo do presidente do CFM sobre o tratamento precoce, publicado em 2020.

Infelizmente, a politização também atingiu sociedades de especialidades médicas e grupos ideológicos de médicos, principalmente quanto ao chamado tratamento precoce, com hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina.

Esses grupos pressionam de todas as maneiras o Conselho Federal de Medicina (CFM), em razão de sua competência legal de determinar qual tratamento farmacológico é ou não experimental no Brasil, para que recomende ou proíba o tratamento precoce.

Existem na literatura médica dezenas de trabalhos científicos mostrando benefício com o tratamento precoce com as drogas citadas acima. Outros tantos apontam que elas não possuem qualquer efeito benéfico contra a covid-19.

Em outras palavras, a ciência ainda não concluiu de maneira definitiva se existe algum benefício ou não com o uso desses fármacos.


O CFM abordou o tratamento precoce para a covid-19 no Parecer nº 4/2020 em respeito ao médico da ponta, que não tem posição política ou ideológica e exerce a profissão por vocação de servir e fazer o bem; que recebe, consulta, acolhe e trata o paciente com essa doença.

No texto, o CFM delibera que é decisão do médico assistente realizar o tratamento que julgar adequado, desde que com a concordância do paciente infectado —elucidando que não existe benefício comprovado no tratamento farmacológico dessa doença e obtendo o consentimento livre e esclarecido.

O ponto fundamental que embasa o posicionamento do CFM é o respeito absoluto à autonomia do médico na ponta de tratar, como julgar mais conveniente, seu paciente; assim como a autonomia do paciente de querer ou não ser tratado pela forma proposta pelo médico assistente.”

Revista Oeste
CN - Conexão Notícia 

O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de qualquer valor, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado! Veja como doar aqui!


Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!

VEJA TAMBÉM:


Escola no RJ alerta pais sobre a série da Netflix ‘Round 6’; LEIA CARTA NA ÍNTEGRA

     Round 6 tem classificação indicativa de 16 anos, porém, crianças de 7 e 8 anos tem acompanhado a série.   —  Foto/Reprodução.
 
Tecnologia A direção da Escola Aladdin, no Pechincha, zona oeste do Rio de Janeiro, enviou a pais e responsáveis uma carta sobre preocupações a respeito da série coreana Round 6, da Netflix. O conteúdo viralizou em grupos de WhatsApp... 

Conteúdo relacionado:

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.