Fachin autorizou Polícia Federal a buscar provas contra Toffoli - Conexão Notícia

Header Ads


Fachin autorizou Polícia Federal a buscar provas contra Toffoli

   Ministro Edson Fachin nega pedido da PF para abrir inquérito contra Dias Toffoli.  —  Foto: Reprodução/Facebook.

Fachin autorizou Polícia Federal a buscar provas contra Toffoli
Publicado no Conexão Notícia em 18.maio.2021.  

Brasil | Ministro concordou com a alegação da PF de que o acordo de colaboração de Sérgio Cabral tinha cláusula que previa o uso de informações coletadas nas operações Calicute e Boca de Lobo.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a Polícia Federal (PF) a utilizar dados de duas operações ligadas à Lava Jato no Rio de Janeiro, na apuração que resultou no pedido de inquérito feito pela corporação contra o também ministro Dias Toffoli. A informação foi revelada pelo jornal Folha de São Paulo.

As informações foram usadas pela PF em um relatório em que a corporação defende que é preciso apurar suposto crime de corrupção do ministro em venda de decisões judiciais. ​Antes da permissão dada por Fachin, o juiz Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, negou o compartilhamento por envolver pessoas com foro.

Fachin, porém, concordou com o argumento da Polícia Federal de que o acordo de colaboração de Sérgio Cabral tem uma cláusula que prevê o uso de informações coletadas nas operações Calicute e Boca de Lobo – a primeira prendeu o ex-governador, em 2016, e a outra, seu sucessor, Luiz Fernando Pezão, em 2018.


A partir disso, o material foi utilizado nos pedidos de 20 inquéritos para apurar possíveis crimes praticados por pessoas com foro nas cortes superiores. ​No caso de Toffoli, a PF produziu um relatório em que elenca documentos que, na visão dos delegados, corroboram a acusação de Cabral sobre o ministro ter recebido R$ 3 milhões para beneficiar um prefeito com uma decisão.

A PF usou, por exemplo, e-mails apreendidos na operação Calicute para mostrar que o ex-secretário de Obras do Rio, Hudson Braga, reuniu-se várias vezes com José Luiz Solheiro. Braga, diz Cabral, foi responsável por operacionalizar os pagamentos a Toffoli; já Solheiro teria intermediado o contato entre o ex-governador e o ministro, por meio de sua mulher, a advogada Roberta Rangel.

Da operação Boca de Lobo, investigadores utilizam os registros no celular de encontros do ex-governador Luiz Fernando Pezão para mostrar seus vínculos com Solheiro e com o advogado Bruno Calfat, que defendia o prefeito de Volta Redonda no processo de cassação.

Apesar de ter autorizado a captação de provas, o ministro Fachin acatou, na sexta-feira (14), a posição da PGR e proibiu a PF de investigar Dias Toffoli, apesar de, durante a apuração preliminar, rechaçar a manifestação contrária da PGR e liberar o uso material no âmbito do acordo de Cabral.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Paulo Moura



Dono do China in Box acorda do coma e comemora: “Estou de volta”

   Robinson Shiba comemora: estou de volta.  —  Foto: Reprodução/Instagram.

O empreendedor Robinson Shiba, dono do China in Box, reapareceu 2 anos após um grave acidente de moto que sofreu em 2019, em São Paulo e o deixou em coma.

O anuncio foi feito numa foto postada no Instagram neste fim de semana, onde Robinson Shiba disse: “estou de volta”. Leia a matéria completa, aqui!



Homem encontra pai que não via há 30 anos, após envelhecer foto em app

   Everaldo Germano do Nascimento foi favorecido por tecnologia, que o ajudou a encontrar o pai.  —  Foto: Reprodução/Facebook.

Foi a tecnologia que ajudou o construtor civil Everaldo Germano do Nascimento, de 51 anos, a localizar o pai, Geraldo Serafim do Nascimento, hoje com 73, após 30 anos de separação.

Com a ajuda do filho de 13 anos, Everaldo pegou a única foto que tinha do pai e a jogou no aplicativo de envelhecimento. Após ter o resultado, ele fez uma postagem no Facebook pedindo ajuda. Leia a matéria completa, aqui!


Atriz é atacada após pedir fim da agressão contra Israel

   Atriz israelense Gal Gadot.  —  Foto: Reprodução.

 “Israel merece viver como uma nação livre e segura”, diz Gadot.

“Meu coração está partido. Meu país está em guerra. Eu temo pela minha família, meus amigos e meu povo”, escreveu a atriz israelense Gal Gadot em seu Twitter.

Assim como todas as pessoas nascidas em Israel, Gadot cumpriu seus dois anos obrigatórios nas Forças de Defesa Israelenses (IDF). Leia a matéria completa, aqui!



Acompanhe as notícias do CN - Conexão Notícia no Facebook


Veja outras formas de doações, aqui!


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.