Header Ads


Justiça condena médica por divulgar discussão com colega de trabalho.

      A médica teria repassado a gravação feita de maneira clandestina aos demais médicos da equipe.     —  Foto/Reprodução.
 
Justiça condena médica por divulgar discussão com colega de trabalho.
Publicado no Conexão Notícia em  22.maio.2022. Atualizado em  24.maio.2022.       

Grupo no WhatsApp A sentença determinou também que a ré não voltasse a divulgar ou reproduzir a gravação, sob pena de multa.
-
-
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) manteve, por unanimidade, decisão que condenou uma médica a indenizar por danos morais uma colega de trabalho, após divulgar áudio em que ambas discutiam sobre tratamento a ser prestado a um paciente. A sentença determinou também que a ré não voltasse a divulgar ou reproduzir a gravação, sob pena de multa.

De acordo com a autora, a médica teria repassado a gravação feita de maneira clandestina aos demais médicos da equipe. No áudio, elas teriam tido uma discussão acalorada e a mulher afirma ter sido ofendida e constrangida com a exposição da conversa.

De acordo com a decisão de 1ª instância, a conversa divulgada não afrontou a cláusula de sigilo ou informações sobre o paciente, sobretudo porque as informações técnicas foram repassadas a outros membros da equipe médica. No entanto, a sentença identificou que a ré extrapolou o direito de liberdade de expressão, ao gravar e repassar aos demais médicos gravação de conversa constrangedora que teve com a autora. Assim, a médica foi condenada a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 7 mil.
-
-
Ela recorreu da decisão alegando que a gravação utilizada para fundamentar a condenação é inválida, pois teria sido adquirida por meio ilícito. A ré afirma que a enviou em conversa privada e individualizada aos médicos plantonistas que acompanhavam a paciente e que estaria coberta, portanto, pelo sigilo das comunicações, previsto na Constituição Federal.

        A médica  extrapolou o direito de liberdade de expressão ao gravar e repassar aos demais médicos gravação de conversa constrangedora que teve com a autora da ação.     —  Foto/Reprodução.

A autora, por sua vez, recorreu para solicitar que o valor fosse aumentado para R$ 20 mil, tendo em vista que a atenuante de que a ré a procurou para conversar deu-se apenas após ter sido notificada da ação judicial.

Não demonstrada a utilidade da captação ambiental clandestina do diálogo que manteve a ré com a autora, nem a necessidade de divulgá-lo, nem a serventia de o dar a conhecer aos demais profissionais médicos, é de ser reconhecida a ilicitude da conduta praticada pela ré”, avaliou a desembargadora relatora.


De acordo com a magistrada, o prontuário médico existe para atender a finalidade de registrar todos os procedimentos adotados por cada um dos profissionais no tratamento e assistência do paciente.
-
-
Dessa forma, o colegiado analisou como ilícita a ação da ré, por ofender direito da personalidade ao colocar em dúvida, no ambiente de trabalho, entre os colegas, a competência profissional médica da autora. Os danos morais foram mantidos em R$ 7 mil.

Caso descumpra a determinação de não repassar ou reproduzir a gravação novamente, poderá ser aplicada multa de R$ 3 mil, por cada divulgação, até o limite de R$ 30 mil.

Processo em segredo de Justiça.


Com informações da TJDFT/Agenda Capital/Portal Juristec.

CN - Conexão Notícia.
O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de qualquer valor, você pode fazer a diferença. Veja como doar aqui!


-
-
Músico de Marília Mendonça passa necessidade e fãs ajudam com vaquinha

      Luís conta que tocar com Marília Mendonça foi uma experiência única para ele.     —  Imagem/Reprodução/Arquivo pessoal.
 
Vivendo de freelancer em Goiânia, Goiás, o músico Luís Vagner da Silva, de 45 anos, lembra com muito carinho o tempo que tocou para dois grandes nomes da música sertaneja: Cristiano Araújo e Marília Mendonça. Leia a matéria completa, aqui!

-
ISTOÉ - Fake: a ONU jamais inocentou Lula. Aliás, nem mesmo o STF.

      Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.     —  Foto/Reprodução.
 
Luiz Inácio Lula da Silva, o meliante de São Bernardo, pode ser tudo, menos inocente. Ao contrário. Foi condenado duas vezes, e em duas instâncias diferentes, por corrupção e lavagem de dinheiro, e teve ambas as condenações ratificadas pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) e a prisão autorizada pelo próprio STF (Supremo Tribunal Federal).

LEIA TAMBÉM:
-
-
Tecnologia do Blogger.