Regime chinês treina esquadrão cubano encarregado de reprimir protestos na ilha - Conexão Notícia

Header Ads


Regime chinês treina esquadrão cubano encarregado de reprimir protestos na ilha

  A Polícia Armada do Povo Chinês, responsável pela segurança da Praça Tiananmen e da Cidade Proibida, se reuniu em uma cerimônia para comemorar a transferência da custódia da troca da guarda na Praça Tiananmen em Pequim, em 23 de novembro de 2009.  —  Foto: Reprodução/STR / AFP / Getty Images.

Regime chinês treina esquadrão cubano encarregado de reprimir protestos na ilha
Publicado no Conexão Notícia em 02.agosto.2021.  

Mundo | Há paralelos entre Hong Kong e o que está acontecendo em Cuba.
Por Alicia Marquez

O exército chinês pode estar mais perto da América Latina do que se acredita. Fotos obtidas pela mídia cubana mostram paramilitares chineses treinando forças especiais cubanas nos arredores de Havana.

A mídia cubana ADN Cuba publicou nesta quinta-feira  várias fotos que mostram as forças especiais do regime cubano, também conhecidas como “Boinas Negras”, vestidas com uniformes pretos. Enquanto em verde, está a Polícia Popular Armada do regime chinês – um ramo do exército chinês.

Essas fotos foram compartilhadas em grupos privados, como a mesma organização que foi recentemente sancionada pelo governo” de Biden, disse o jornalista DNA Gelet Martínez Fragela, em entrevista ao programa “Talking Points” da NTD, um canal afiliado ao Epoch Times.


“E as fotos começaram a circular por volta de fevereiro, mais ou menos na mesma época em que a imprensa estatal cubana publicou um artigo sobre como os militares chineses estavam se modernizando”, acrescentou.

Segundo o jornalista, o regime cubano já esperava uma manifestação do povo cubano devido ao tempo que vinha treinando.

“Durante um ano, o próprio regime cubano disse ao povo  que estava à espera de uma revolta (…) Parece-nos que é bastante claro: eles próprios disseram que a esperavam e que há muito que treinam, talvez, em tempo de controlar esta revolta”, assegurou Martínez Fragela.

A Polícia Armada do Povo Chinês (PAP) tem se especializado nas chamadas missões de “estabilidade social”. Durante os protestos de Hong Kong em 2019, acredita-se que Pequim tenha enviado a PAP para reprimir os manifestantes pacíficos.

Vários diplomatas disseram à Reuters que havia até 4.000 policiais em Hong Kong.

O porta-voz do Diretório Democrático Cubano, Orlando Gutiérrez-Boronat, destacou, por sua vez, que há paralelos entre Hong Kong e o que está acontecendo em Cuba.


“Os boinas negras no início não eram usados durante o dia, eram usados à noite. Eles não estavam enfrentando manifestações em massa. Eles identificaram os manifestantes e depois conduziram buscas e batidas de casa em casa para removê-los de seus lares e detê-los”, disse ele ao programa da NTD.

Em declarações subsequentes, Gutiérrez-Boronat acrescentou que este evento “deve ser uma grande preocupação para os Estados Unidos”, pois é mais um passo de domínio que o Partido Comunista Chinês assume sobre Cuba.

“Esta é a mesma polícia que reprimiu Hong Kong, então eles estão ensinando aos boinas negras castristas como reprimir um movimento urbano massivo como o que agora ocorre em Cuba.”

Até o momento, mais de 700 pessoas foram detidas pelo regime comunista de Cuba, segundo a organização de direitos humanos Cubalex.

Embora a mídia ADN não pudesse confirmar a data em que as fotos foram tiradas, eles foram capazes de confirmar a localização. Martínez Fragela indicou que as fotos foram tiradas cerca de 25 quilômetros (15 milhas) a leste de Havana, em um local chamado “Ponto 0.0”.

“Este lugar é conhecido pelo treinamento de forças paramilitares que foram destacadas na América Latina no passado”, acrescentou.

Fragela disse que as boinas negras cubanas vêm reprimindo dissidentes e ativistas na ilha antes mesmo dos protestos de 11 de julho. O jornalista pediu que os Estados Unidos prestem atenção a este acontecimento, já que tudo está acontecendo a apenas 90 milhas de nossa costa.

Em nota do Departamento do Tesouro, os Estados Unidos anunciaram na sexta-feira novas sanções contra a Polícia Nacional Revolucionária de Cuba (PNR) e dois de seus líderes; a seu diretor Óscar Callejas Valcarce e a seu vice-diretor, Eddy Sierra Arias, por seu papel na repressão aos protestos contra o regime comunista da ilha em 11 de julho.

As sanções desta sexta-feira são a segunda rodada de sanções impostas pelo governo Biden em relação aos protestos históricos contra o regime em Cuba em 11 de julho.

Na quinta-feira da semana passada, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos havia sancionado o ministro das Forças Armadas Revolucionárias (FAR) de Cuba, Álvaro López-Miera, e a unidade militar de elite “vespas negras” ou “boinas negras”.

Com informações da NTD Noticias.
CN - Conexão Notícia. 

Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!

LEIA TAMBÉM:


Governo Federal pune Fundação Roberto Marinho e pede devolução de R$ 54 milhões por obra inconclusa

  Fundação Roberto Marinho. —  Foto: Reprodução.

Organização também ficará impedida de captar recursos públicos pela Rouanet por três anos.
O Governo Federal rejeitou, por meio do Ministério do Turismo, a prestação de contas de um projeto de Lei Rouanet da Fundação Roberto Marinho, relativo à construção da nova sede do Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro (RJ), em Copacabana.


Acompanhe as notícias do CN - Conexão Notícia no Facebook

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.