Redes Sociais

Header Ads

Agente Comunitária de Saúde morreu de infarto e notícia foi omitida dos veículos de comunicação

Agente comunitária de saúde Marcilene Oliveira Veríssimo   —  Foto/Reprodução.

Agente Comunitária de Saúde morreu de infarto e notícia foi omitida dos veículos de comunicação 
Publicado no Conexão Notícia em 01.dez.2020.  

Agentes de Saúde  A morte de uma Agente Comunitária de Saúde de infarto, ainda no dia 14 de novembro, remete a reflexão: quanto vale uma vida de quem está na linha de frente, buscando garantir a vida de outras pessoas? Para o sistema frio e calculista parece que não vale muito. Caso contrário, sem dúvida alguma, não teríamos um número tão elevado de óbitos de profissionais de saúde, entre os quais: os ACS/ACE.

A informação sobre a morte da ACS foi confirmada pela assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal de Patos de Minas (MG).

A Diretoria de Atenção Básica à Saúde comunicou o falecimento da servidora Marcilene Oliveira Veríssimo, 47 anos. Ela foi vítima de infarto e morreu no  14 de novembro. Uma nota de pesar foi publicada pela assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal. Infelizmente a notícias se limitou apenas a esse fato. Apesar disso, o editoria do JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil conjuntamente com a rede de voluntários da MNAS - Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde decidiu usar as suas mídias integradas para notícia a "partida da agente" para todo o Brasil.


Infelizmente os agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias se tornaram apenas números, quer para muitas instituições que são mantidas pelos recursos da categoria e principalmente para muitos gestores, que exploram os agentes como se fossem escravos, negando-lhes os direitos, desviando os recursos que lhe são devidos. Cabe a própria categoria quebrar essas correntes avassaladora dessa exploração alucinada dos poderosos e dos que pensam que tem algum poder. 

Segundo informações a que o JASB teve acesso, Marcilene atuava como agente comunitária de saúde desde novembro de 2005. Quando sofreu o infarto  ela exercia o cargo na equipe 27 da USF Cristo Redentor. Foram 15 anos de dedicação à Saúde, servindo a comunidade com carinho e excelentes trabalhos.

 
Conteúdo relacionado:


Postar um comentário

0 Comentários