Redes Sociais

Header Ads

Agente Comunitária de Saúde é a vereadora mais votada em sua cidade

Agente Comunitária de Saúde Aline Aparecida da Silva Flausino se tornou a vereadora mais votada de sua cidade—  Foto/Reprodução.

Agente Comunitária de Saúde é a vereadora mais votada em sua cidade
Publicado no Conexão Notícia em 16.nov.2020.  

Agentes de Saúde  | Em meio a uma série de notícias delicadas, que remete a exploração dos agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias, por grupos hegemônicos (aqueles que tomam as decisões em nome da categoria), pessoas que buscam tirar vantagens por meio de artimanhas, quer sendo da própria categoria ou de grupos políticos. 

Essa história de nominação em relação aos ACS/ACE não é nova, foi assim que ocorreu no período do surgimento dessas categorias, ou seja, em meio a precariedade. 
Infelizmente no Brasil ainda há mais de 222 mil agentes que gemem, tamanho é o sofrimento a que são submetidos. Sem direitos fundamentais garantidos, sendo explorados como mercadorias, vítimas das "negociatas," que privilegiam apenas grupos dominantes, mantendo os agentes na mesma precariedade de quase 15 anos passados. Estes nem sempre percebem o quanto são enganados pelo sistema explorador. Tal sistema discursa que a situação da categoria hoje é melhor, de que ela obteve muitas conquistas e avanços, criando ilusões para esconder as demissões em massa, dos milhares de agentes que até hoje não recebem o valor do que chamam de Piso Nacional. Agentes que não recebem insalubridade como deveria, nem mesmo PMAQ, PQA-VS e demais gratificações ou até mesmo o Plano de Cargos e Carreiras. Mas, dos dominadores discursam nos microfones de Brasília que há grandes conquistas e avanços, apenas para criar ilusões aos que sofrem nas bases.

Tal sistema que muitas vezes se apresenta como solução para os problemas, contudo, deseja apenas manter a situação de escravidão, tal como antes.

Diante desse contexto de sofrimento, exploração e caos, surge as notícias como as que envolve a Agente Comunitária de Saúde Aline Aparecida da Silva Flausino, 32 anos, residente na cidade de Goianá (MG), que se tornou a candidata à vereador mais votada de sua cidade. 

Perguntamos: o mandato obtido por  Aline Flausino é dela ou de seu partido? Embora a grande maioria das pessoas possa pensar que o mandato é da candidata, não é! O mandato é do partido pelo qual a agente veio candidata. 


A nova vereadora de Goianá (MG), Aline Flausino, foi a mulher mais votada e é a primeira mulher negra da história na Câmara Municipal. Jovem, Agente Comunitária de Saúde, educadora popular e Sem Terra. 

MST festeja a conquista da ACS que chamam de Sem Terra
Publicação feita pelo MST no seu Twitter oficial—  Foto/Reprodução.

Para o MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra a nova vereadora é uma Sem Terra. Ele não informa que ACS é funcionária pública que possui direitos garantidos em lei, além dos benefícios, assim como demais servidores públicos. Como se fosse um troféu a agente é apresentada das mídias sociais, inclusive, com reivindicação de diversos grupos ligados a questões partidárias, menos em relação a categoria que representa. Ainda que Aline Flausino tenha interesse de colocar aqueles a quem representa no topo da lista a representar, contudo, ela terá que seguir as determinações partidárias. Até mesmo em suas votações e propostas, ela não terá a liberdade de escolha pessoal, já que o seu mandato pertence ao partido.

O MST tem se dedicado a um projeto nacional que envolve os chamados Agentes Populares de Saúde, inclusive, com o apoio da Fiocruz. Em uma de nossas matérias sobre o tema, tratamos dessa questão. Leia a matéria Agentes Populares de Saúde promovem ato afirmando ser em defesa do SUS.
Esses novos agentes de saúde já estão presentes em vários estados brasileiros. Uma mão de obra bastante atraente para diversos grupos políticos, já que o trabalho desempenhado por eles é voluntário, conforme informações dos envolvidos nesse projeto.

O Golpe do Piso Nacional Congelado
Com o Piso Nacional criado pela Lei 12.994/2014, ACS/ACE de todo o Brasil sofreram uma grande e esmagadora derrota. A luta pelo piso nacional, que havia sido travada entre 2006 a 2014, portanto, 8 anos, terminou com um falso piso com valor muito abaixo do pretendido e, infelizmente, congelado. O PL 7495/2006 representou uma grande derrota nacional, tendo custado milhões de reais, muito sofrimento, muitas lágrimas e humilhações sofridas pelos corredores do Congresso Nacional. 

Quantos reajuste o Piso Nacional terá entre 2014 e 2021?
Piso Nacional criado pela Lei 12.994/2014, que já nasceu congelado, representou uma derrota terrível aos ACS/ACE a nível nacional. Entre 2014 e 2021 ele receberá apenas um reajuste, no valor de R$ 1.550,00 (mil quinhentos e cinquenta reais), previsto na Lei 13.708, de 2018. Um reajuste parcelado em três vezes. O detalhe é que esse reajuste nem mesmo corrige as perdas acumuladas pela categoria, entre 2014 e 2018, quando o golpe do reajuste foi garantido. Leia mais!

É preciso que os ACS/ACE despertem sobre o que realmente está acontecendo com a categoria a nível nacional, caso contrário, a realidade trágica não mudará. Somente a própria categoria, por meio das mudanças necessárias, pode pode ser protagonista de sua própria história, sem delegar o seu futuro aos grupos hegemônicos, grupos de dominadores.

Fonte: JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil


Conteúdo relacionado:

   

Postar um comentário

0 Comentários