Header Ads


Profissionais de saúde não médicos pedem autonomia para prescrever exames a pacientes

    As operadoras têm recusado cobrir pedidos feitos por fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, nutricionistas e profissionais de educação física... —  Foto/Reprodução.

Profissionais de saúde não médicos pedem autonomia para prescrever exames a pacientes
Publicado no Conexão Notícia em 17.setembro.2021.  

Agentes de Saúde A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o projeto de lei dos planos de saúde (PL 7419/06), do Senado Federal, discutiu na quarta-feira (15) a cobertura de exames complementares solicitados por outras categorias que não sejam médicos.

As operadoras têm recusado cobrir pedidos feitos por fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, nutricionistas e profissionais de educação física.



Novas normas podem prejudicar usuários de planos de saúde, dizem especialistas

Uma proposta de alteração ampla da Lei 9.656/98, que fixa normas sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, pode retirar direitos dos beneficiários que hoje são garantidos pela Justiça. Esse foi um dos pontos mais debatidos  durante audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

A proposta em questão é o PL 7419/06, que tramita com urgência em uma comissão especial da Câmara dos Deputados, junto com 139 outros projetos apensados. O relator é o deputado Rogério Marinho (RN) que já anunciou que fará uma série de mudanças na lei para preservar o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos.

Uma dessas mudanças deverá proibir a aplicação do Código de Defesa do Consumidor nos contratos de planos de saúde. Com isso, milhares decisões judiciais em ações contra operadoras não poderiam se basear no código.

— Isso vai prejudicar cada vez mais o acesso aos usuários dos planos de saúde e como consequência favorecer o faturamento dos empresários do setor — disse Leandro Farias, do Movimento Chega de Descaso.

Farias lamentou a pressa dos deputados em analisar o projeto e reclamou da falta de diálogo com a sociedade civil. Segundo ele, a Lei deveria ser alterada para resolver os principais problemas enfrentados hoje pelos usuários como negativa de cobertura, reajustes indevidos e rescisão unilateral, assuntos que predominam nas ações judiciais.

Segundo  o consultor Jurídico Nacional da União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas), José Luiz Toro da Silva, a judicialização da Saúde causa desequilíbrio orçamentário do setor e prejudica o próprio consumidor:

— A judicialização tem um impacto perverso. Muitas decisões judiciais não respeitam a lei — disse.


Desequilíbrio
Salomão Rodrigues Filho, do Conselho Federal de Medicina, destacou que os médicos e demais prestadores de serviço são mal remuneradores pelas consultas e procedimentos. Para ele, o projeto em debate não estabelece equilíbrio no mercado.

A boa remuneração para o prestador é fundamental. Deveria haver uma parceria entre operadoras e prestador. Hoje essa relação é de desconfiança. Esse relatório do deputado Rogério Marinho não vai atender aos prestadores de serviço, não vai atender aos pacientes, mas apenas às operadoras. Será um desastre — avaliou.

A favor das mudanças, o superintendente de regulação da Federação Nacional de Saúde Complementar, Sandro Leal Alves, afirmou que as operadoras têm mais despesas do que receitas. Ele também criticou a excessiva judicialização dos contratos:

O setor de saúde suplementar operou em deficit, diferentemente de algumas notícias que foram veiculadas. As operadoras não tem lucros exorbitantes. Em 2016 apenas duas operadoras do setor apresentaram lucro. Isso causou uma distorção — argumentou.

O senador Paulo Paim (RS), autor do pedido de audiência pública, ressaltou que a saúde é uma das principais preocupações dos brasileiros.

— Espero que a Câmara aprofunde esse debate — disse.

Agência Câmara de Notícias e Agência Senado
CN - Conexão Notícia  e JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil 

O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de qualquer valor, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado! Veja como doar aqui!

Inscreva-se no canal do JASB no YouTubeWhatsAppTelegram ou Facebook.



Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!


Piso Nacional: Direção da CONACS esclarece a situação em Brasília envolvendo o Governo Federal e o presidente da Câmara

   Diretores da CONACS, da Associação Fnaras, da Fenasce, parlamentares e assessores em reunião, em prol dos ACS/ACE. —  Foto/Reprodução.

A presença da CONACS - Confederação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde em Brasília torna-se cada vez mais evidente no tratado com as causas das categorias Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, ditas como pautas fundamentais para o parlamento brasileiro. Veja a matéria e o vídeo completo, aqui!


VÍDEO - ACS/ACE confira o repasse dos R$ 1.550,00 ao seu município com esse passo a passo.

  O Fundo Nacional de Saúde tem feito o repasse do novo valor do Piso Nacional de R$ 1.550,00. —  Foto/Reprodução.

Em atendimento as diversas solicitações de informações, encaminhadas ao JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil e rede de voluntários da MNAS - Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde, segue o passo a passo de como verificar o repasse do novo valor do Piso Nacional, no caso, os R$ 1.550,00 (mil quinhentos e cinquenta e cinco reais).

É importante analisar que a dinâmica dos mais diversos repasses segue os procedimentos semelhantes.  Veja a matéria e o vídeo completo, aqui!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.