Sergipe: Aracaju registra aumento de infestação por Aedes aegypti - Conexão Notícia

Header Ads


Sergipe: Aracaju registra aumento de infestação por Aedes aegypti

  Mosquito 'Aedes aegypti'. —  Foto: Reprodução/Getty via BBC/Arquivo.

Sergipe: Aracaju registra aumento de infestação por Aedes aegypti
Publicado no Conexão Notícia em 02.agosto.2021. 

Agentes de Saúde | Segundo a SMS, a análise de julho mostra o crescimento progressivo do índice de médio risco.

Aracaju registrou um aumento de 18,7% no índice de infestação por Aedes em relação ao último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa). A informação foi divulgada, nesta sexta-feira (30), pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

Segundo a secretaria, o levantamento foi realizado entre os dias 1º e 9 de julho, e aponta índice de 1,6, considerado como médio risco para o aparecimento de surtos ou epidemias.


A análise de julho mostra o crescimento progressivo do índice de médio risco: em janeiro, o índice era 1,0; em março, 1,1 e em maio, 1,3. O aumento de maio para julho, quando Aracaju passou de 1,3 para 1,6, e 51% dos bairros registraram crescimento de índice, sugere o impacto da suspensão das visitas domiciliares dos agentes de endemias, fruto de decisão judicial de maio.


49 bairros da capital, quatro estão com alto risco, índice maior que 4. São eles: Japãozinho, Santo Antônio, São José e Palestina. “Tivemos 18 bairros classificados em baixo risco (satisfatório), 21 bairros em médio risco (alerta) e quatro bairros com a classificação de risco de epidemias.

O Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) é realizado a cada dois meses e é uma ferramenta de monitoramento da presença do Aedes, transmissor das arboviroses dengue, Zika, Chikungunya.


De acordo com SMS, com base nos dados é realizado um mapeamento dos principais focos do mosquito, bairros com maiores índices, sendo possível traçar estratégias de combate como fumacê costal, mutirões de limpeza, eliminação de focos e conscientização da população.

Principais criadouros
Os criadouros mais recorrentes continuam sendo os depósitos de água ao nível do solo, como lavanderias e tonéis. Depósitos domiciliares (vasos e pratos de plantas, ralos, lajes, sanitários em desuso) aparecem como segundo maior problema.


Por G1 SE
CN - Conexão Notícia  e JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil.

Inscreva-se no canal do JASB no YouTubeWhatsAppTelegram ou Facebook.


Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!




Indenização gorda: ACS e ACE ganham ação na justiça e cada um será indenizado com valores de quase R$ 6.000,00 referente ao retroativo do Piso Nacional

  Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combates às Endemias foram beneficiados por ação judicial movida pelo Sindsaúde-GO. —  Foto: Reprodução.

Após ação judicial movida pelo Sindsaúde-GO, Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de Combate a Endemias (ACE) do Município de Morrinhos serão indenizados com valores referentes ao retroativo do piso nacional da categoria.

Te Respondo: Por que algumas prefeituras pagam o Incentivo Adicional (14º) e outras não? 

   Nenhuma das muitas cidades, que garantem o Incentivo Financeiro Adicional aos Agentes Comunitários e de combate às endemias, pagam porque o prefeito é bom, mas, porque a norma estabelece tal pagamento.  —  Foto: Reprodução.

No te Respondo de hoje, trataremos da questão que representa o maior desvio de recurso público público, destinado aos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias do país, que ocorre todo final de ano. 

Valor a ser paga nesse ano - Nesse ano o valor a ser repassado a cada ACS/ACE do país, conforme regras estabelecidas pelo Ministério da Saúde, será de R$ 1.550,00 (mil quinhentos e cinquenta reais)... Veja a matéria e o vídeo completo, aqui!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.