2 mil Agentes Populares de Saúde passam por formação de multiplicadores para atuar nas comunidades do Brasil - Conexão Notícia

Header Ads


2 mil Agentes Populares de Saúde passam por formação de multiplicadores para atuar nas comunidades do Brasil

  Os Agentes Populares de Saúde já estão presentes em vários estados brasileiros. No destaque, Campanha Mãos Solidárias em Pernambuco.   —  Foto/Reprodução.

2 mil Agentes Populares de Saúde passam por formação de multiplicadores para atuar nas comunidades do Brasil
Publicado no Conexão Notícia em 06.setembro.2021.  

Agentes de Saúde ​Formação de multiplicadores(as) iniciada após o surgimento da pandemia nas periferias urbanas e rurais somam cerca de 2 mil agentes, que atuam nos cuidados coletivos contra a Covid-19.

Desde o início de 2020, movimentos sociais, organizações e instituições, principalmente do setor de saúde e educação, vêm construindo um processo que hoje se consolida por meio da atuação de Agentes Populares de Saúde durante a pandemia do novo Coronavírus. Consolidando uma rede nacional pela campanha Periferia Viva Contra o Coronavírus, que conta com cerca de 2 mil voluntários(as) formados(as), que contribuem para que sua comunidade obtenha acesso à informações, cuidados e serviços disponíveis por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil.

Durante esse período, por meio do trabalho de base nas periferias urbanas e rurais, foram construídas formas de estabelecer e manter um diálogo aberto com as comunidades mais vulneráveis à Covid-19 por meio de formações. Para que as mesmas tenham acesso às informações sanitárias que possam prevenir o contágio do vírus, como para que essas comunidades recebam orientações sobre o que fazer e que serviços públicos buscar para obter os cuidados em meio à pandemia; considerada por especialistas como a maior crise sanitária da história do país, com a perda de 580 mil vidas.

O trabalho comunitário só foi possível por meio do curso de formação de formadores(as),  que tem como público preferencial, lideranças comunitárias, residentes do território da ação e que não estejam no grupo de risco da Covid-19. Somando esforços aos serviços oferecidos pelo SUS, e atuando em conjunto aos(as) Agentes Comunitários(as) de Saúde e à Equipe de Saúde da Família no enfrentamento à pandemia nos territórios. O lema desse trabalho voluntário é: “O povo cuidando do povo e em defesa do SUS” e, se desenvolve por meio de mobilização estratégica, coletiva e popular sobre as medidas emergenciais, conhecimento e reconhecimento da importância do USU enquanto política pública e gratuita.

Formações e trabalho de base das brigadas de solidariedade
Por meio das organizações que compõem a Campanha Periferia Viva, que completa um ano e meio de atuação, centenas de formações presenciais ocorreram nas grandes regiões brasileiras em que a Campanha mobilizou o trabalho voluntário de agentes, que já chegaram a doar 50 mil máscaras de proteção contra a Covid-19; consolidando uma rede de cuidados a partir do mapeamento das necessidades básicas e doações tanto de alimentos, água, até itens de proteção individual (EPI’s) nas comunidades mais vulneráveis ao vírus.

O curso de Agentes Populares de Saúde contou com formações de 20 horas, realizado em três etapas baseadas na pedagogia da alternância, com 12h dedicadas aos conteúdos programados de ensino (Tempo Escola), e 8h educativas na modalidade de atuação no território (Tempo Comunidade).

Paulette Cavalcanti, pesquisadora do departamento de Saúde Coletiva da Fiocruz e uma das coordenadoras do Projeto Mãos Solidárias/Periferia Viva, explica sobre as etapas do curso, que recentemente ganhou versão online, disponibilizada pela plataforma da FioCruz. Ela conta que no primeiro momento da formação são explicadas quais as características biológicas do Coronavírus, seguido de orientações e práticas pedagógicas como oficinas, cadastramento e mapeamento comunitário, serviços e direitos.

  Cerimônia de certificação de 700 Agentes Populares de Saúde pela UFPE, 2021. Foto: SECOM UFPE  —  Foto/Reprodução.

A gente parte para discutir as formas de prevenção, desde como lavar as mãos, até o cuidado para não tocar nos olhos, nariz, na boca, o uso de máscaras. Os cuidados que a gente tem com as pessoas que estão ao nosso redor para manter uma distância de um metro e meio e uma lista das atribuições que o Agente Popular deve desempenhar na sua comunidade.” – conta Paulette. A pesquisadora comenta também sobre a importância da própria vacinação, como a principal resposta científica do campo da saúde contra a Covid-19, aliada aos cuidados comunitários de prevenção.

Uma cartilha didática de subsídio à formação de formadores(as) de Agentes Populares de Saúde também foi construída e está disponível em versão online no site da campanha Mãos Solidárias, que integra as ações da campanha nacional Periferia Viva. Em realização feita pelas organizações e instituições integrantes da campanha, a publicação tem o selo Fiocruz Tá Junto, concedido pela Fundação Oswaldo Cruz, com apoio da Rede Nacional de Médicos e Médicas Populares, Centro Brasileiro de Estudos em Saúde (CEBES), Fundação Rosa Luxemburgo, com materiais produzidos por uma grande rede de profissionais do campo da saúde – sanitaristas, enfermeiros(as), assistentes sociais, entre outros.

Agentes Populares de Saúde na luta pela vida da classe trabalhadora
O Agente Popular de Saúde, Robert De Almeida Marx é um jovem geógrafo recém formado que contribui com a coordenação das formações na sua comunidade, no bairro da Vila das Torres, região central de Curitiba/PR, em uma comunidade identificada como uma das primeiras ocupações da capital do Paraná. “A gente fez toda uma formação teórica, começando com o resgate da identidade da população. Porque a partir do momento que você resgata a identidade, você cria um sentimento em comum entre todas essas pessoas, então elas vão ter algo em comum pelo que lutar”, afirma.

Ele conta que o trabalho surgiu com a ideia de um dos médicos que atendem a população do bairro, em conjunto com lideranças da associação da comunidade, e das brigadas solidárias do MST. E que a partir de então, se deu o início à formação de Agentes Populares de Saúde, que localmente ficaram conhecidos(as) como “agentes de divulgação de informação”, em ações estratégicas para fortalecer ainda mais o trabalho já consolidado localmente e protagonizado por Agentes Comunitários de Saúde do SUS. “E a gente sempre deixou bem claro que um não substitui o outro e que é diferente, Agente Popular de Saúde e de Agentes Comunitários(as) de Saúde”, menciona Robert.

  Atendimento de mutirão da rede de Agentes Populares de Saúde no Paraná, 2021. Foto: Lucas Souza.  —  Foto/Reprodução.

O jovem Agente destaca sobre a importância do projeto piloto que foi bem sucedido em sua comunidade, que possui uma única Unidade Básica de Saúde (UBS) no bairro para atender a demanda de 4 a 5 mil moradores(as), onde a maioria dos(as) trabalhadores(as) desenvolvem atividades informais e do terceiro setor, muitos(as) inclusive, vinculados(as) ao trabalho de coleta e reciclagem. Com isso, o principal trabalho de Agentes Populares de Saúde localmente ainda é o de divulgação de como se tratar em relação à Covid-19, o que se deve fazer em casos de contágio, além da distribuição de álcool em gel, máscara, entre outros equipamentos de proteção individual.


“Porque a população aqui não parou em nenhum momento, não teve essa escolha, essa opção de ficar em casa, o pessoal se arriscou muito. Então, a gente tentou proteger essa população, por meio dessas capacitações e formações, e deu super certo. A Vila das Torres bateu e bate de frente com o Coronavírus, nossos números são baixíssimos e baixaram mais ainda depois da nossa formação e das campanhas educativas com a população, sempre com a população para a população”, analisa Robert.

Vera Mariano, do Setor de Saúde do MST no Ceará é uma das coordenadoras em seu estado das formações de Agentes Populares de Saúde do Campo, e conta que na sua região são cinco brigadas de Agentes Populares com o trabalho nas zonas rurais, atuando em doze assentamentos e um acampamento do MST. Ela define a formação como uma aprendizagem organizativa e de saúde valiosa: “tendo em vista que muito da ação do Estado chega pouco diante dessa pandemia”.


A Agente e militante do MST, destaca a experiência do trabalho de formação nos próprios roçados, onde os(as) companheiros(as) estão trabalhando, dialogando com as famílias camponesas sobre os cuidados sanitários da pandemia tanto nas casas, no porta-a-porta, quanto nos roçados dos quintais produtivos das áreas de Reforma Agrária Popular. “Então, esse tem sido o desafio diante da conjuntura, desse negacionismo, diante da postura desse desgoverno que está aí. E a gente tem feito esse enfrentamento, o nosso movimento, o nosso setor de saúde, no sentido de cuidar do nosso povo. E como a gente mesmo diz: a saúde é a capacidade de lutar contra tudo o que nos oprime.”

Em uma nova fase do projeto continuado, já estão sendo planejados os próximos passos da atuação nos municípios e acampamentos do Estado, nas brigadas que abrangem três regiões do estado cearense, no litoral, Sertão dos Inhamuns e Sertão Central, com articulação de formações presenciais e online com o apoio da FioCruz, Conselho Estadual de Saúde, além do próprio setor de saúde do MST. Destacando nessa etapa, a importância da vacinação, utilizando-se também dos meios de comunicação, nas redes, rádios, espaços de reuniões dos vários setores da militância e comunidade. “Nós acreditamos na ciência, acreditamos na defesa do SUS, desse processo que está aí. Queremos vacina, queremos comida no prato e vacina no braço,” declara Vera.

Nessa nova fase da pandemia, em que novas variantes têm preocupado especialistas, que alertam sobre os riscos de ignorar os cuidados sanitários, mesmo com a vacinação em curso, Vera enfatiza a importância de manter o trabalho de Agentes Populares de Saúde: “A gente tem feito essa articulação, para avançar e fazer um trabalho que é cuidar para que as pessoas tomem consciência desse papel, diante desse vírus que tem tirado muitas vidas, seja de nossos companheiros e seja de muitos amigos e familiares aqui. Então, a gente quer avançar para que não perca mais tantas vidas, mesmo diante do cenário de novas Cepas.”

Fotos: Diangela, MST-PR.
Editado por Solange Engelmann
Por Lays Furtado, MST.

CN - Conexão Notícia  e JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil.

O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado! Veja como doar aqui!

Inscreva-se no canal do JASB no YouTubeWhatsAppTelegram ou Facebook.




Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!

LEIA TAMBÉM:


Incentivo Financeiro destinado aos ACS/ACE poderá chegar à R$ 589 milhões

  Pagamento da parcela extra de final de ano deverá bater um recorde nesse ano, o que irá beneficia aos Agentes de Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias dos mais diversos recantos do país.   —  Foto/Reprodução.

Focar na garantia do pagamento da parcela extra do FNS - Fundo Nacional de Saúde é ampliar as possibilidades de garantia do pagamento desse recurso. 

Faltando pouco mais de dois meses para o repasse do Incentivo Financeiro Adicional, em vários municípios de todo o país, as lideranças se mobilizam para garantir o pagamento da parcela extra de final de ano, garantida pelo FNS.

LEIA TAMBÉM:

Melhorias para os agentes comunitários de saúde e de combate às endemias do Brasil

  Articulações em Brasília visam garantir a aprovação da PEC 22 e da PEC 14. A união e articulação nacional da categoria poderá produzir os resultados esperados.   —  Foto/Reprodução.

A Câmara dos Deputados analisa duas propostas de emenda à Constituição que beneficiam os agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias, no caso, a PEC 22/11 e PEC 14/21). Vários deputado defendem a aprovação das propostas.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.